Revista Amooreno EDIÇÃO 14 -MAR19 - Page 19

"Na Colette, deram­me um guarda­costas especial. As pessoas me atacavam. É muito estranho, porque não sou cantor, ator, nem sex symbol". Era um verdadeiro operário da moda, mesmo estando de férias. Sempre passou o mês de agosto em St Tropez, desde uma primeira viagem em 1 970 no Train Bleu. Ultimamente, viajava em jatos particulares para La Ramatuelle, desenhando à beira-mar durante semanas. Os jornalistas ficavam sempre impressionados com o seu conhecimento enciclopédico da cultura, design e mobiliário franceses, a sua apreciação das artes e a sua capacidade de fazer jogos de palavras em quatro idiomas diferentes, sempre com um fluxo de consciência de metralhadora, quase cuspindo tudo o que sabia. O seu juízo sobre a profissão que escolheu: "A moda não é nem moral nem amoral, mas pode elevar a moral". Considerado um elitista, mas cortês, falava com as mulheres que varriam o chão na Chanel com o mesmo tom de voz com o qual falava com uma princesa ou um multimilionário. Nos seus últimos dias, a sua amiga mais próxima era a sua amada gata Choupette. A Menina Choupette até inspirou uma coleção cápsula do criador alemão, gorros de tricô com orelhas de gato e bigodes de couro, capas para iPads e iPhones ou luvas de couro sem dedos, como as que Karl usava sempre. Embora muitas coleções posteriores fossem frequentemente desenhadas em iPads, os seus momentos mais felizes foram provavelmente passados com os seus materiais favoritos: caneta e papel. Embora, iconoclasta como sempre, em vez de caneta usasse lápis de olhos da Shu Uemura. Embora tenha sido a “arma de aluguel” mais bem paga da história da moda, com um salário anual estimado em mais de 30 milhões de euros, Lagerfeld, ao contrário da maioria dos designers, comprava pouco mais do que livros, posters alemães do século XX e muitas propriedades. Poucos designers serão tão generosos com objetos e ideias: enviando continuamente presentes e notas de agradecimento a um vasto círculo de amigos e jornalistas influentes. Karl Lagerfeld rodeado pelas suas modelos após o desfile primavera-verão 2010 Na era da internet, tornou-se o designer de moda mais reconhecível, permanentemente rodeado de fãs à procura de uma selfie. "Na Colette, deram- me um guarda-costas especial. As pessoas me atacavam. É muito estranho, porque não sou cantor, ator, nem sex symbol ". Como alguém que nunca bebeu, fumou ou consumiu drogas, a longevidade era provável. Todos os familiares de Lagerfeld morreram há muitos anos. A sua irmã morreu em 201 4, mas prevalece uma "família" muito maior de devotos de moda nas suas três casas de moda. No final, estava rodeado por um belo grupo de discípulos. Homens belos, que desfilavam pela Chanel e atuavam como guarda-costas, como o modelo Brad Kroenig. O seu "neto", o filho mais velho de Brad, Hudson Kroenig, não tem uma gota do sangue de Lagerfeld, mas muitos acreditam que será o principal beneficiário do seu testamento. Lagerfeld disse, misturando sempre ironia com verdade: "Adoro crianças, desde que não sejam minhas". MARÇO 2019 - REVISTA AMOORENO - 19