Preview dos produtos 5681309187b5e761174536pdf - Page 36

34 Na Luz do Pai evoca não somente a nossa vida de criaturas, mas também a partilha e a luta pela justiça, a fim de que a terra e seus bens sejam destinados a todos, segundo o projeto de Deus. Além disso, na imagem do pão está presente a Eucaristia, a vida de Cristo para nós, aquele pão no qual todo o cosmo é reunido e transfigurado e que nos conduz ao seio do Pai. Depois, o pedido de misericórdia a Deus, admitindo nossa fragilidade humana, estreitamente ligada ao perdão que se requer de cada um de nós em relação aos irmãos e às irmãs. É um gesto que tem sua origem no reconhecimento de Deus como Pai. Amar inclusive os inimigos é, na verdade, um dos escândalos da mensagem de Jesus, possível de ser vivido somente a partir da experiência da paternidade divina. Enfim, os dois pedidos, “não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”, que traduzem a nossa disposição de nos entregarmos a Deus sabendo que ele, convidando-nos ao risco, quer nos fazer crescer; mas também a convicção de que ele nos concede sempre a força para não cedermos às inevitáveis tentações que encontramos em nosso caminho. Uma confiança que é sólida também por sabermos que esse Deus é capaz de livrar-nos do mal e do maligno, pagando com sua vida, como fez Jesus. De outro lado, como evidencia João Paulo II, o que existe entre Deus e nós não é um monólogo, mas um diálogo. Além do mais, “Deus não somente fala ao homem, mas também procura-o”. Cercados como estamos por tantos ruídos do mundo moderno, como é possível perceber essa voz? Deus fala. Este é o grande testemunho de todas as grandes religiões e particularmente da história da salvação, do Antigo Testamento e — de maneira especial