Sofrimento - Page 15

SANTOS QUE SOFRERAM: JOÃO O BATISTA não projetadas para encarceramentos a longo prazo. Os prisioneiros eram espancados ou açoitados e trancados atrás de portões de metal, acorrentados enquanto aguardavam a sua quase certa execução (Atos 16:23-26). A Reação do Sofredor A responsabilidade de João, o Batista, era pregar o Messias que estava chegando, bem como batizar aqueles cujos corações arrependidos O buscavam. Ele foi fiel a esse encargo, indicando a Cristo e pregando a justiça diariamente, além do Jordão; parece que ele estava sempre disponível para aqueles que aceitavam a Palavra de Deus. Ouça a alegria e a condescendência respeitosa em suas palavras quando ele apontou: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo" (João 1:29). Considere, então, a grande dificuldade de passar de alcançar multidões e fazer a obra de Deus diariamente para o confinamento sombrio na prisão do palácio. É aqui, em resposta ao seu sofrimento, que vemos o caráter elevado de João. Ele enviou mensageiros, seus próprios seguidores, para perguntar ao Senhor Jesus: "És tu aquele que havia de vir ou esperamos outro?" (Mateus 11:3). Por que ele fez essa pergunta? Alguns sugerem que João ouviu falar dos milagres do Senhor Jesus, estava pesaroso por si mesmo e pediu para lembrar ao Senhor sua situação. Outros dizem que havia dúvidas na mente do homem que declarou: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo". Por favor, permita-me propor uma alternativa: João havia dedicado sua vida pregando sobre o Messias vindouro e batizando aqueles que criam. Agora ele estava sofrendo no cárcere, incapaz de continuar seu trabalho físico e preparatório. Sua missão estava completa? O Messias foi revelado? Com a confirmação do Senhor, João poderia aceitar a sentença de prisão, diminuir completamente e dar lugar total ao Senhor Jesus Cristo. Poderia haver uma resposta mais nobre e honrosa a Cristo do que essa? Quanta coragem! Que reverência a Cristo! Considere a humildade de João na aflição. Ouça como o Senhor Jesus resumiu toda a vida de um homem tão dedicado e humilde: "Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista; mas aquele que é o menor no Reino dos céus é maior do que ele" (Mateus 11:11). O Resultado da Aflição João, o Batista, dedicou sua vida a servir a Deus e a exaltar o Senhor Jesus Cristo. Ele pregou a Palavra! Quando a prisão e a morte iminente puseram fim à sua prolífica pregação e seu batismo, ele poderia descansar sabendo que as almas estavam preparadas para receber o Senhor Jesus como o Messias, o Ungido de Deus. Quando o Senhor Jesus voltou ao Jordão, onde João batizou primeiro, "muitos iam ter com ele e diziam: Na verdade, João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse deste era verdade. E muitos ali creram nele" (João 10:41-42). Poderia haver um elogio mais elevado para um crente do que esse? Apesar das dificuldades, tudo o que ele disse sobre o Senhor Jesus era verdadeiro! Por causa do testemunho de João, muitos creram. Na verdade, pode, sim, haver um elogio ainda maior. Em Mateus 11, o próprio Senhor desafiou a multidão: "Que fostes ver no deserto? Uma cana agitada pelo vento? Sim, que fostes ver? Um homem ricamente vestido?"; e então Ele elogiou João abertamente como mais do que um profeta: "meu anjo" (v. 7-10). Que esse incentivo a João, sofrendo na prisão, possa levar cada um de nós a avançar em nosso humilde serviço. A experiência de João elimina todas as dúvidas de que qualquer chamado ao sacrifício e sofrimento pela Palavra de Deus traz verdadeiro prazer a Ele e honra nosso Senhor Jesus com nossas próprias vidas. 15