Revista Ice Brasil - Abril Abril - 2017 - Page 4

A HORA E A VEZ DO CURLING BRASILEIRO Com Anne Shibuya e Marcio Cerqui- nho, Brasil se prepara para disputar o Mundial de Curling de Duplas Mistas pela quarta vez consecutiva S e até pouco tempo atrás a pre- sença do Brasil nas principais com- petições de Curling ainda causava espanto, hoje a história é bem diferente. Pelo quarto ano consecutivo, o país vai disputar o Mundial de Duplas Mistas, modalidade recém-incluída nos Jogos Olímpicos de inverno. A edição de 2017 acontece em Lethbridge, no Canadá, entre 22 e 29 de abril. Contudo, neste ano, a dupla brasileira está de cara nova. Anne Shibuya e Mar- cio Cerquinho são os representantes do país no Mundial, substituindo Aline Lima e Marcelo Mello, os competidores nos três anos anteriores. O objetivo deles é manter a evolução obtida por seus antecessores e ajudar a incluir cada vez mais o Brasil no cenário internacional do Curling. Somente a presença desses novos atletas já demonstra a evolução do es- porte no país. Após perderem o título no Campeonato Brasileiro de 2015, Anne e Marcio não desanimaram. Aprofunda- ram seus treinamentos e conquistaram o torneio em 2016 após derrotarem Ali- ne e Marcelo na semifinal e a dupla Isis Oliveira e Filipe Nunes na decisão. Apesar de ser a primeira competição da dupla como representante do Brasil, os dois atletas possuem experiência internacional. Marcio Cerquinho, por exemplo, esteve presente no Mundial Misto em 2016 e integrou a seleção masculina durante o America’s Chal- lenge de 2017. Anne, por sua vez, fez parte da primeira seleção feminina do país no curling, em 2015, e também esteve presente no desafio contra as norte-americanas no início deste ano. PEDRA SOB PEDRA Ano após ano o Brasil cresce no Mundial de Curling de Duplas Mistas e país se aproxima de ficar entre os 16 melhores da categoria Aline e Marcelo quase classifica- ram o Brasil para a segunda fase do Mundial de 2016. Eles venceram duas partidas (8 a 7 sobre País de Gales e 12 a 4 sobre Catar) e fizeram jogos equilibrados contra Estônia e República Tcheca. Quinto colocado em seu grupo, a dupla ficou na frente de outras onze seleções na classifica- ção final. 2016 O Brasil fez sua estreia no Mundial de 2014. Com pouca experiência internacional, Aline Lima e Marcelo Mello encontraram dificuldades nas primeiras parti- das. Mesmo assim, conseguiram a primeira vitória do curling bra- sileiro ao derrotarem o Cazaquistão por 8 a 3. 2015 2014 Presente no grupo mais difícil do Mundial de 2015, o Brasil repetiu a campanha do ano anterior. A única vitória foi ob- tida contra a Itália, por 12 a 5, o que fez o Brasil terminar na antepenúltima colocação da classificação geral do torneio.