Revista de Medicina Desportiva Setembro 2020 Setembro 2020 - Page 15

de glucose , aumento da contractilidade uterina e diminuição da oxigenação fetal com compromisso do
30 , 37 crescimento fetal a longo prazo .
Em humanos , são escassos os estudos existentes . Contudo , parece haver uma boa tolerabilidade em caso de grávidas saudáveis , principalmente com hábitos prévios de atividade física regular . Este tipo de exercício quando prolongado , isto é , superior a 45 minutos , leva ao aumento da temperatura materna e fetal , com potenciais riscos para ambos e a manutenção do metabolismo anaeróbio pode conduzir ao aumento da contractilidade uterina . 21
Um estudo incluindo apenas seis atletas olímpicas , com atividade de intensidade de 60-90 % VO 2
máximo , demonstrou que para FC materna superior a 90 % da capacidade máxima ocorria diminuição da perfusão uterina superior em 50 % e concomitantes desacelerações fetais , mas sem prejuízo aparente a longo prazo . 38 Em exercícios com elevação da FC materna inferior a 90 % da capacidade máxima não foram registadas alterações prejudiciais . Outro estudo observou que nas grávidas com atividade intensa e / ou extenuante se registaram desacelerações fetais após o exercício quando se atingia intensidades acima de 84 % da FC máxima . 33 , 39 Apesar de se tratar de alterações transitórias e sem aparentes consequências prejudiciais fetais , este tipo de exercício continua a não ser aconselhado na gravidez .
Mitos do exercício na gravidez
Existem diversos mitos e medos associados à prática de exercício físico durante a gravidez que podem justificar a diminuta taxa de adesão a esta prática regular . Como tal , é importante desmistifica-los de modo a permitir uma recomendação segura e sustentada .
Relativamente ao risco de aborto precoce ou tardio , um estudo que envolveu mais de 92 000 mulheres até às 22 semanas de gravidez não demonstrou incremento do risco , independentemente da intensidade ou frequência do exercício . 50 Não se encontrou também associação com risco de teratogenia 51 ou parto pré termo . 52 , 53 Relativamente ao peso fetal , não há evidência de risco acrescido de restrição de crescimento fetal ou de maior incidência de fetos leves para a idade gestacional 52 , 53 , havendo , no entanto , diminuição da massa gorda de fetos com mães com
30 , 40 prática regular de exercício físico .
Riscos do exercício na gravidez
O exercício inadequado durante a gravidez pode ter consequências negativas para a mesma , sendo crucial o seu conhecimento para evitar potenciais complicações .
A hipertermia está associada a potenciais efeitos nefastos para o feto . Apesar de a temperatura fetal ser cerca de 0.5 ° C superior à materna , existe eficiente dispersão de calor para evitar o excesso de consumo de oxigénio pelo feto . 21 Em associação , está descrito maior dissipação de calor pela vasodilatação periférica e limiar mais baixo de sudorese . 54 , 55 A grávida apresenta , ainda , maior risco de desidratação , maior tendência para episódios de hipoglicemia e , devido a níveis mais elevados de relaxina , probabilidade aumentada de lesão ligamentar .
Conclusão
Em suma , está recomendada a prática regular de exercício físico de intensidade moderada , durante todas as fases da gravidez , com uma duração mínima de 150 minutos semanais . Esta recomendação prevê a exclusão de grávidas com patologias ou condições que o contraindiquem . O treino muscular adaptado pode e deve ser adicionado uma a duas vezes por semana . Devem ainda ser evitados exercícios de impacto e de forte intensidade ou extenuantes . Adicionalmente , é
necessário uma adequada hidratação e alimentação materna , assim como a evicção de prática do exercício em locais quentes e pouco ventilados . A prescrição de exercício na grávida deve ser realizada por profissionais com experiência e conhecimentos específicos desta fase da vida da mulher para obtenção dos benefícios que o mesmo proporciona e diminuição de potenciais riscos .
Os autores negam qualquer conflito de interesses , assim como a originalidade do manuscrito e a sua não publicação prévia .
Correspondência : alexandraruivocoelho @ gmail . com
Bibliografia
1 . ACOG Committee Obstetric Practice . ACOG Committee opinion . Number 267 , January 2002 : exercise during pregnancy and the post-partum period . Obstet Gynecol , 2002 ; 99:171-173 .
2 . Amezcua-Prieto C , Olmedo-Requena R , Jimenez-Mejias E , et al . Changes in leisure time physical activity during pregnancy compared to the prior year . Matern Child Health J , 2013 ; 17:632-638 .
3 . Evenson KR , Wen F . Prevalence and correlates of objectively measured physical activity and sedentary behavior among US pregnant women . Prev Med . 2011 ; 53:39-43 .
4 . Hegaard HK , Damm P , Hedegaars M , et al . Sports and leisure time physical activity during pregnancy in nulliparous women . Matern Child Health J , 2011 ; 15:806-813 .
5 . Mahendru AA , Everett TR , Wilkinson IB , et al . Maternal cardiovascular changes from pre-pregnancy to very early pregnancy . J Hypertens , 2012 ; 30 ( 11 ): 2168-72 .
6 . Longo LD . Maternal blood volume and cardiac output during pregnancy ; a hypothesis of endocrinologic control . Am J Physiol I , 983 ; 245 : R720-9 .
7 . Duvekot Jj , Cheriex EC , Pieters FA , Menheere PP , Peeters LH . Early pregnancy changes in hemodynamics and volume homeostasis are consecutive adjustments triggered by a primary fall in systemic vascular tone . Am J Obstet Gynecol , 1993 ; 169:1382-92 .
Restante Bibliografia em : www . revdesportiva . pt ( A Revista Online ) Revista de Medicina Desportiva informa setembro2020 13