Revista de Medicina Desportiva Informa Setembro 2019 - Page 18

um papel importante na ocorrência e gestão da lesão desportiva. 46,47 Res- postas psicológicas positivas à lesão, tais como motivação, confiança e baixos índices de medo, estão asso- ciados a maior índice de regresso à prática desportiva. 47 Estratégias de Prevenção Kalima et al 48 consideraram priori- tário, principalmente em crianças e principiantes, a otimização da técnica de queda, dado a relativa frequência de lesões do ombro e da gravidade das lesões da cabeça e pescoço através de projeções. Por outro lado, as técnicas de projeções devem ser instruídas e minuciosa- mente treinadas a fim de minimizar o seu uso inadequado e aumentar a segurança da prática do judo. 35 No que respeita à prevenção específica de rotura do LCA, seria importante a implementação do treino de bila- teralidade nas técnicas de pegas. 18 Relativamente à prevenção de lesões do pescoço, Kamitani et al 35 propu- seram a oficialização da regra que impede o atleta que é projetado de atingir o solo com a cabeça em primeira instância, técnica habitual- mente usada para evitar a queda de costas que poderá ditar a derrota. 35 Os atletas devem igualmente ser encorajados a desistir de técnicas de estrangulamento e chaves de braços, bem como interromper imedia- tamente o combate em caso de lesões. 10 Zetaruk et al 49 consideram que as crianças deviam ser igual- mente proibidas de entrar em com- petição precocemente sem conheci- mento cimentado e com segurança das técnicas de combate. 49 No que respeita à gestão psicológica, atletas que definem objetivos baseados na importância da prática da moda- lidade pelos efeitos benéficos do exercício físico para saúde, manu- tenção da condição física ou lazer, apresentam menor propensão para ocorrência de lesões comparativa- mente a atletas que ambicionam desempenhos grandiosos, vitórias e desejo de tomada de riscos. 50 Sendo assim, seria aconselhável uma reo- rientação dos objetivos de desem- penho, especialmente em crianças, para redução do risco de ocorrências de lesão no judo. 50 Conclusão O conhecimento relativo à biomecâ- nica desportiva e à frequência, tipo e localização das lesões traumáticas do judo, bem como a identificação dos fatores de risco predisponentes de lesão e o mecanismo que a precede são fundamentais para o desenvolvimento de estratégias de prevenção, minimização de riscos e redução da ocorrência de lesões nesta modalidade, permitindo proporcionar uma prática desportiva mais saudável. Bibliografia 1. Pocecco E, Faulhaber M, Franchini E, et al. Aerobic power in child, cadet and senior judo athletes. Biol Sport 2012; 29:217-22. 2. Pocecco E, Gatterer H, Ruedl G, et al. Specific exercise testing in judo athletes. Arch Budo 2012; 8:133-9. 3. Pocecco E, Burtscher M. Sex-differences in response to arm and leg ergometry in juvenile judo athletes. Arch Budo 2013; 9:181-7. 4. Finch C, Valuri G, Ozanne-Smith J. Sport and active recreation injuries in Australia: evidence from emergency department presentations. Br J Sports Med. 1998; 32:220-225. 5. Conn JM, Annest JL, Gilchrist J. Sports and recreation related injury episodes in the US population, 1997-99. Inj Prev. 2003; 9: 117-123. 6. Mummery WK, Schofield G, Spence JC. The epidemiology of medically attended sport and recreational injuries in Queensland. J Sci Med Sport. 2002; 5: 307-320. 7. Junge A, Engebretsen L, Mountjoy ML, et al. Sports injuries during the Summer Olympic Games 2008. Am J Sports Med 2009; 37:2165-72. 8. Engebretsen L, Soligard T, Steffen K, et al. Sports injuries and illnesses during the London Summer Olympic Games 2012. Br J Sports Med 2013; 47:407-14. 9. Green CM, Petrou MJ, Fogarty-Hover ML, et al. Injuries among judokas during competition. Scand J Med Sci Sports 2007; 17:205-10. 10. James G, Pieter W. Injury rates in adult elite judoka. Biol Sport 2003; 20:25–32. 11. Pierantozzi E, Muroni R. Judo high level compe- titions injuries. Medit J Musc Surv 2009; 17:26-9. 12. Harmer PA. Judo. In: Caine DJ, Harmer PA, Schiff MA, eds. Epidemiology of injury in Olympic Sports. Oxford, UK: Wiley-Backwell, 2010:161-75. 13. Frey A, Rousseau D, Vesselle B, et al. Neuf sai- sons de surveillance médicale de compétitions de judo. J Traumatol Sport 2004;21: 100–9. 14. Boisseau N. Consequences of sport-imposed weight restriction in childhood. Ann Nestlé 2006; 64:77-84. 15. Agel J, Ransone J, Dick R, et al. Descriptive epidemiology of collegiate men’s wrestling inju- ries: National Collegiate Athletic Association Injury Surveillance System, 1988–1989 through 2003-2004. J Athl Train 2007; 42:303-10. Restante Bibliografia em: www.revdesportiva.pt (A Revista Online) 16 setembro 2019 www.revdesportiva.pt Praticar ciclismo ou simplesmente passear de bicicleta é cada vez mais frequente. É saudável, sociável, divertido, mas pode ser perigoso. Nestas alturas o trauma- tismo craniano pode ocorrer e as consequências poderão ser devastadoras. Aconselha-se e obriga-se a utilização do capacete. É sensato, melhora a segurança. Mas que tipo de capacete? Talvez se compre um baratinho para cumprir o regulamento, mas será tal sensato? Não será certamente. O mercado tem inovado. Há capacetes com uma camada rija de espuma de polistireno, que reduz a força de impacto, redu- zindo as acelerações lineares e angulares da cabeça. São muito eficazes na redução do risco de fratura do crânio, de lesão pene- trante e de lesão cerebral. Surgi- ram, entretanto, capacetes com o objetivo de diminuir a aceleração rotacional da cabeça. Um tipo usa uma interface deslizante esférica dentro do capacete, o que vai permitir o deslizamento entre o capacete e a cabeça durante o impacto. Outro tipo, mais inovador, utiliza uma estrutura interna colapsável com o objetivo de diminuir a rigidez de cisalhamento do capacete. É a tecnologia que incorpora a estrutura celular Wavecel e parece que tem vanta- gens aquando do trauma da cabeça. Um estudo publicado este ano no jornal Accident Analysis and Prevention demonstrou o potencial destes capacetes para reduzir as lesões de crânio em alguns tipos de acidentes com bicicleta, mas referem os autores que a investiga- ção deve continuar. Entretanto, a compra recai sobre um bom capacete, caro, é certo, mas o capacete é o principal elemento de proteção do crânio. Poder-se-á ter muitas bicicletas, mas cérebro só temos um.