Revista de Medicina Desportiva Informa Setembro 2019 - Page 12

Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 10(5):10-12. https://doi.org/10.23911/T_coluna_ginasta_2019_9 Coluna do Ginasta: Idade, Flexibilidade e Força. É Tudo Igual? Dra. Úrsula Martins 1,2,4 , Dra. Daniela Martins 3,4 , Dra. Inês Táboas 1,5 1 Serviço de Medicina Física e de Reabilitação (MFR) Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga; 2 Acro Clube da Maia; 3 Serviço de MFR Centro Hospitalar Universitário do Algarve; 4 Interna de formação específica e 5 especialista em MFR. RESUMO / ABSTRACT A ginástica é um desporto que combina elementos que exigem força, flexibilidade e agilidade. As lesões mais comuns ocorrem ao nível dos membros inferiores (joelho e torno- zelo) e na coluna lombar. Relativamente à patologia da coluna, a região lombar é a mais comummente afetada e estima-se que a lombalgia ocorra em 10 a 15% dos atletas jovens. Pretendeu-se avaliar as particularidades da lombalgia inespecífica do ginasta, após exclu- são das causas estruturais patológicas, e atribuída a um quadro inespecífico, miofascial, relacionado com o gesto. Quando isto acontece, a avaliação do atleta deve ser funcional, focada na flexibilidade e na força, sendo que o equilíbrio entre estas duas características é fundamental, quer para prevenção, quer para base de um programa de reabilitação. Gymnastics is a sport that combines elements that require strength, flexibility and agility. The most common lesions occur at the lower limbs (knee and ankle) and lumbar spine. Concerning spinal pathology, the lumbar region is the most commonly affected and it is estimated that low back pain occurs in 10 to 15% of young athletes. We intend to evaluate the particularities of non-specific gymnastic low back pain, when all structural causes are excluded, that it is attributed to a nonspe- cific, myofascial, gesture-related condition. When this happens, the athlete’s evaluation should be functional, focused on flexibility and strength, and the balance between these two characteristics is fundamental to prevention and and also to rehabilitation programs. PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS Ginástica, lombalgia, coluna Gymnastics, back pain, back Introdução A ginástica é um desporto que com- bina elementos que exigem força, flexibilidade e agilidade em total sintonia, assim como requer proprio- ceção da totalidade do corpo, a qual não é exigida em todos os despor- tos. É composta por seis disciplinas regulamentadas pela Federation Internationale de Gymnastique (FIG): ginástica acrobática, aeróbia, artís- tica, rítmica, para todos e trampo- lim. Cada uma destas especialidades apresenta características específicas e, consequentemente, mecanismos de lesão diferentes. Tanto a idade precoce média competitiva, como o elevado número de horas de treino exigido tornam a população gímnica uma população particular. A ginástica acrobática é praticada em conjunto com recurso a música e elementos de dança. O trabalho 10 setembro 2019 www.revdesportiva.pt dos atletas encontra-se dividido em unidades de dois (pares), três (trios) e quatro (quadras) indivíduos, sendo que os elementos da equipa apre- sentam características físicas e psi- cológicas diferentes (base e volante), envolvendo elementos estáticos com recurso a flexibilidade e força iso- métrica, assim como dinâmicos que envolvem um trabalho pliométrico. A ginástica aeróbica apresenta-se como uma combinação de ginástica clássica com dança, com movimen- tos dinâmicos e rítmicos, sendo que tem por base a coordenação motora e a pliometria. A ginástica artística, modalidade olímpica, é um desporto individual, podendo ser disputada também como equipa, estando as provas divididas por aparelhos: para o sexo feminino – solo, saltos de cavalo, trave e paralelas assimétri- cas; para o sexo masculino – solo, cavalo com arções, saltos de cavalo, paralelas simétricas, argolas e barra fixa. Exige força explosiva e isomé- trica, combinadas com agilidade. A ginástica rítmica, também é moda- lidade olímpica, é apenas praticada pelo sexo feminino e combina movimentos corporais com dança e ballet, realizados em harmonia com a música e coordenados com o manejo de aparelhos: corda, o arco, a bola, as maças e a fita. É de todas as modalidades a que exige maior flexibilidade. O trampolim é uma disciplina da ginástica na qual o atleta executa saltos acrobáticos num trampolim, estando associado a grande força explosiva e agilidade. As lesões mais comuns ocorrem ao nível dos membros inferiores (joelho e tornozelo), seguida da coluna lombar, com exceção da ginástica artística masculina, onde a maioria das lesões ocorre ao nível do ombro. 1-3 A carga imposta nas articulações durante a impulsão e receção dos saltos, a realização de movimentos overhead, assim como a hiperextensão lombar repetida apresentam-se como os principais mecanismos de lesão. Relativamente à patologia da coluna, a região lombar é a mais comummente afetada e estima-se que a lombalgia ocorra em 10 a 15% dos atletas jovens, sendo que a prevalência pode ser mais elevada em desportos que requerem exten- são lombar repetida. No que respeita à ginástica artística, a lombalgia está descrita em 50% dos atletas de alta competição e em 86% na ginástica rítmica. 4 As lesões designadas catastróficas, tais como as fraturas vertebrais associadas a lesão medular, são raras, apesar de ser um desporto de risco, sendo as modali- dades de trampolim e tumbling as consideradas de maior risco, onde a região cervical é a mais frequente- mente afetada. Pela especificidade de alguns elementos realizados com apoio sobre a cabeça, a ginástica acrobática poderá apresentar maior suscetibilidade a lesões da região cervical. Com este trabalho pretendemos avaliar as particularidades da lom- balgia inespecífica do ginasta, ou seja, quando excluídas todas as cau- sas estruturais patológicas e esta é atribuída a um quadro inespecífico, miofascial, relacionado com o gesto.