Revista de Medicina Desportiva Informa Setembro 2012 - Page 4

Entrevista

Prof . Doutor João Espregueira Mendes
Presidente da ESSKA ( European Society of Sports Traumatology , Knee Surgery and Arthroscopy )
O que significa ter sido eleito Presidente da ESSKA no início do mês de Maio ?
A nomeação como Presidente da ESSKA foi a concretização de um objetivo muito pouco provável para alguém que nasce em Portugal . O esforço para que um português ocupasse este lugar começou com os que me antecederam e foi um árduo trabalho de internacionalização da escola de traumatologia desportiva do Porto . A atribuição do cargo europeu mais importante nesta área é , no fundo , o reconhecimento de uma escola , de uma cidade e de um país .
Quais os principais objetivos da ESSKA e os seus durante este mandato ?
Este cargo , com um mandato de dois anos , nunca teve um representante português nem espanhol , o que fortalecerá a união ibérica , a relação com os países da América Latina e será uma porta aberta para a melhoria da formação dos médicos dos PALOPS .
Esta eleição é , sem dúvida , o enaltecimento da tradição e valor de todo o grupo , o trabalho científico desenvolvido e a qualidade do apoio médico a atletas de alta competição . Esperamos consolidar a posição do Porto e de Portugal no panorama mundial na Medicina e Traumatologia Desportiva , promovendo a cidade como destino de eleição para a formação de médicos , enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam à patologia desportiva . Temos tido o privilégio de ver reconhecido o nosso esforço através da colaboração de médicos de reputação internacional e pela procura de atletas de alta competição das mais diversas proveniências ( Austrália , Índia , China , Israel , Egipto , Croácia , Grécia , Inglaterra , Alemanha , Noruega e Polónia , entre outros ). A nossa visibilidade internacional tem aumentado , colocando-nos entre os grupos mais reconhecidos da Europa .
No congresso da ESSKA em Genebra , foi efetuada a primeira apresentação mundial do “ Porto KTD ” www . portotestingdevice . com , um sistema único que permite a avaliação dinâmica das lesões dos ligamentos dentro da ressonância magnética , identificando com rigor os doentes que necessitam de cirurgia . O novo sistema está a funcionar na Clínica Espregueira Mendes – Estádio do Dragão e acaba de ser adquirido para oito países diferentes .
Neste congresso , o grupo de investigação da Saúde Atlântica – Estádio do Dragão e 3B ´ s da Universidade do Minho – Dr . Hélder Pereira , Prof . Espregueira-Mendes e Prof . Rui Reis obtiveram o primeiro prémio do Basic Science Research com a apresentação de um novo menisco artificial de gel ( com patente portuguesa ), no qual é possível promover o crescimento de células , vasos e nervos .
O intercâmbio com os PALOP está nas suas perspetivas ?
O desenvolvimento da Traumatologia Desportiva em Portugal e PALOPS tem sido uma das constantes preocupações . Hoje temos condições para criar grupos de investigação multidisciplinares e a possibilidade de realizar trabalhos para publicação em revistas internacionais .
O que é que a medicina portuguesa em geral e a ortopedia / traumatologia desportiva em particular , poderão beneficiar com a sua eleição ?
É urgente sensibilizar os nossos governantes para a necessidade da implementação de recursos de apoio a quem pratica desporto , seja com medicina pública especializada ou convencionada ou mesmo com a criação do Instituto de Medicina e Traumatologia Desportiva . Atualmente , Portugal é um dos poucos países europeus que não consegue responder de forma integrada na prevenção , tratamento médico e cirúrgico de um praticante de desporto amador .
O acompanhamento de profissionais de Medicina e Traumatologia Desportiva pode diminuir significativamente o número de lesões , a realização de um conjunto de exercícios simples , efetuados 2 vezes por semana , pode baixar em 50 % a incidência de roturas ligamentares no joelho , sobretudo nas mulheres . Exercícios bem conduzidos para melhorar a força muscular , elasticidade e capacidade de resposta são a melhor prevenção para estas lesões .
A participação portuguesa no Congresso da ESSKA foi pequena . Quando é o próximo Congresso e que mensagem quer deixar aos médicos portugueses ?
A participação portuguesa foi significativa ( 61 portugueses ) e a menos afetada pela situação de crise na Europa . A sociedade europeia ficou admirada com o nível científico e número de participantes .
O fortalecimento das relações ibéricas já está em curso com a atribuição a Barcelona do 17 .º Congresso da ESSKA em 2016 , onde daremos visibilidade ao que melhor se faz em Espanha e Portugal .
Pretendemos incluir Portugal e os PALOPS ( ajudaremos a criar a Sociedade Africana de Traumatologia Desportiva ) no programa mundial de prevenção de lesões da FIFA 11 +.
Os próximos anos são de oportunidade e de excelentes perspetivas para os portugueses !
2 · Setembro 2012 www . revdesportiva . pt
Entrevista Prof. Doutor João Espregueira Mendes Presidente da ESSKA (European Society of Sports Traumatology, Knee Surgery and Arthroscopy) O que significa ter sido eleito Presidente da ESSKA no início do mês de Maio? A nomeação como Presidente da ESSKA foi a concretização de um objetivo muito pouco provável para alguém que nasce em Portugal. O esforço para que um português ocupasse este lugar começou com os que me antecederam e foi um árduo trabalho de internacionalização da escola de traumatologia desportiva do Porto. A atribuição do cargo europeu mais importante nesta área é, no fundo, o reconhecimento de uma escola, de uma cidade e de um país. Quais os principais objetivos da ESSKA e os seus durante este mandato? Este cargo, com um mandato de dois anos, nunca teve um representante português nem espanhol, o que fortalecerá a união ibérica, a relação com os países da América Latina e será uma porta aberta para a melhoria da formação dos médicos dos PALOPS. 2 · Setembro 2012 www.revdesportiva.pt Esta eleição é, sem dúvida, o enaltecimento da tradição e valor de todo o grupo, o trabalho científico desenvolvido e a qualidade do apoio médico a atletas de alta competição. Esperamos consolidar a posição do Porto e de Portugal no panorama mundial na Medicina e Traumatologia Desportiva, promovendo a cidade como destino de eleição para a formação de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam à patologia desportiva. Temos tido o privilégio de ver reconhecido o nosso esforço através da colaboração de médicos de reputação internacional e pela procura de atletas de alta competição das mais diversas proveniências (Austrália, Índia, China, Israel, Egipto, Croácia, Grécia, Inglaterra, Alemanha, Noruega e Polónia, entre outros). A nossa visibilidade internacional tem aumentado, colocando-nos entre os grupos mais reconhecidos da Europa. No congresso da ESSKA em Genebra, foi efetuada a primeira apresentação mundial do “Porto KTD” www. portotestingdevice.com, um sistema único que permite a avaliação dinâmica das lesões dos ligamentos dentro da ressonância magnética, identificando com rigor os doentes que necessitam de cirurgia. O novo sistema está a funcionar na Clínica Espregueira Mendes – Estádio do Dragão e acaba de ser adquirido para oito países diferentes. Neste congresso, o grupo de investigação da Saúde Atlântica – Estádio do Dragão e 3B´s da Universidade do Minho – Dr. Hélder Pereira, Prof. Espregueira-Mendes e Prof. Rui Reis obtiveram o primeiro prémio do Basic Science Research com a apresentação de um novo menisco artificial de gel (com patente portuguesa), no qual é possível promover o crescimento de células, vasos e nervos. O intercâmbio com os PALOP está nas suas perspetivas? O desenvolvimento da Traumatologia Desportiva em Portugal e PALOPS tem sido uma das constantes preocupações. Hoje temos condições para criar grupos de investigação multidisciplinares e a possibilidade de realizar trabalhos para publicação em revistas internacionais. O que é que a medicina portuguesa em geral e a ortopedia/ traumatologia desportiva em particular, poderão beneficiar com a sua eleição? É urgente sensibilizar os nossos governantes para a necessidade da implementação de recursos de apoio a quem pratica desporto, seja com medicina pública especializada ou convencionada ou mesmo com a criação do Instituto de Medicina e Traumatologia Desportiva. Atualmente, Portugal é um ́Ս)͕́ɽ́Ք͕Ք)ɕȁɵѕɅ)ɕٕɅхѼ)ɝմɅѥєѼȸ)<Ѽɽͥ́5QɅյѽ)ѥلեȁͥѥمє鵕ɼՕ̰)ɕմչѼ)ɏ̰́ͥՅ̀ȁٕ)ȁ͕ȁ)ɽɅ́хɕ)ͽɕՑ́ձɕ̸)ɏ́饑́Ʉ)Ʌȁ͍ձȰѥɕф)ȁɕٕɄх́Օ̸()ѥ՝Օ̈́) ɕͼMM-Օ)EՅ᥵ ɕͼ)ՔͅՕȁȁ)́՝Օ͕)ѥ՝Օ̈́ͥѥلā՝Օ͕̤)хͥՇɥ͔)ɽͽɽ)Ʌٕ)鵕ɼѥѕ̸)<хѼ́ɕՕ)ɥ́ͼɥէ ɍܻ ɕͼ)MM-ذɕ)٥ͥՔȁ͔聕)A՝)Aɕѕ́եȁA՝)A1=ALՑɕ́ɥȁMɥQɅյѽ)ѥلɽɅչ)ɕٕՕ́%Ĭ)=́᥵́́չፕѕ́ѥم)Ʉ́՝Օ͕̄((0