Revista de Medicina Desportiva Informa Setembro 2012 - Page 31

Tema 6 Rev. Medicina Desportiva informa, 2012, 3 (5), pp. 29–31 Substâncias ergogénicas no desporto de competição – repercussões cardiovasculares Dr. Énio Pestana1, Dr. Joaquim Goulão2 Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Hospital de Santa Maria; 2Serviço de Ortopedia, Hospital de São José, Lisboa. 1 RESUMO ABSTRACT As substâncias ergogénicas não são desprovidas de efeitos adversos para o organismo do atleta. Os efeitos cardiovasculares, pelo seu impacto na morbilidade e mortalidade, estão entre os mais perigosos. Neste artigo os autores pesquisaram o modo como as diferentes substâncias ergogénicas podem afetar o sistema cardiovascular do atleta e procuram sensibilizar todos os intervenientes no desporto para a importância da competição honesta e sem dopagem. The ergogenic aids can have severe side effects on the athlete. The cardiovascular side effects are among the most hazardous due to their morbidity and mortality. In this paper the authors review the literature to find out the different ways the various ergogenic aids may affect the cardiovascular system and try to sensitise all the participants in sport for the importance of a fair competition with no doping. PALAVRAS CHAVE KEY-WORDS Cardiovascular, dopagem, desporto. Cardiovascular, doping, sports. Introdução Resultados: Os efeitos adversos da dopagem para a saúde do atleta dependem do tipo, da quantidade e da duração do consumo e da suscetibilidade individual. Os atletas geralmente usam uma combinação de substâncias em doses variáveis (geralmente supra-terapêuticas) com interação e potenciação de efeitos negativos1,2. Os efeitos cardiovasculares da dopagem não podem ser negligenciados devido ao risco de aumento da morbilidade e mortalidade no atleta2. Os efeitos cardiovasculares das substâncias ergogénicas ocorrem através de cinco mecanismos indicados no Quadro I3: Material e métodos Foi feita revisão dos artigos publicados na Pubmed entre 1986 e 2011, utilizando os termos da MeSH: doping in sports; performance-enhancing substances; side effects e cardiovascular. Pesquisaram-se também tratados internacionais. Foram encontrados 24 artigos/capítulos que reuniam as caraterísticas pretendidas. Esteroides androgénicos e anabolizantes Estes aumentam a síntese de proteínas, reduzindo os efeitos catabólicos dos corticoides. Associados ao exercício físico aumentam a massa e a força muscular ao facilitarem a assimilação de proteínas alimentares3. Os anabolizantes reduzem a eliminação urinária de azoto, sódio, potássio, cloro, fosfato e água, conduzindo a retenção hidrossalina com consequente hipertensão arterial (HTA), insuficiência cardíaca (IC) e alterações do ritmo cardíaco (podem conduzir a fibrilação auricular e ventricular)4. A HTA dos anabolizantes é controversa nos vários estudos disponíveis5, mas quando presente carateriza-se por ausência de descida tensional noturna. A IC dos anabolizantes é favorecida pela fibrose miocárdica induzida pelos mesmos, pela hipertrofia ventricular esquerda causada pela HTA e pelo aumento de frequência cardíaca3. Os anabolizantes promovem a agregação plaquetária ao aumentarem a sua sensibilidade ao colagénio, reduzem a atividade fibrinolítica, inibem o ativador do plasminogénio e aumentam a anti-trombina III e a proteína S. Estes efeitos adversos refletem uma diátese trombótica que pode contribuir para a oclusão vascular. Estes efeitos são exacerbados em caso d