Revista de Medicina Desportiva Informa Setembro 2012 - Page 27

Tema 5 Rev. Medicina Desportiva informa, 2012, 3 (5), pp. 25–28 Exercício físico e insuficiência cardíaca Dr. José Carlos Carneiro1, Dr.ª Rafaela Veríssimo2, Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo3 1 Interno de Pneumologia, CHVNG. Pós-Graduado em Medicina Desportiva. 2Interna de Medicina Interna, CHVNG. Vila Nova de Gaia. 3Especialista em Medicina Interna e Medicina Desportiva. Professor da Faculdade de Medicina de Coimbra. RESUMO ABSTRACT A insuficiência cardíaca (IC) crónica é uma síndrome caracterizada pelo declínio progressivo da tolerância ao exercício físico. Nos últimos anos a prescrição de exercício físico nestes doentes sofreu alterações, desde a sua proibição até se tornar numa indicação absoluta. Na maioria dos doentes com IC a prática regular de exercício físico tem evidenciado ser uma intervenção segura. Todos os doentes devem ser previamente avaliados em relação às contra-indicações para a prática de exercício. Na maior parte dos doentes este deverá consistir numa combinação de exercício aeróbio de moderada intensidade, 5-7 dias/semana, e treino de força de baixa intensidade 2 dias/semana. Chronic heart failure (CHF) is a syndrome characterized by progressive decline in exercise tolerance. In the last years prescription of exercise in CHF patients changed from total prohibition to an absolute indication.In the majority of CHF patients regular exercise participation has been shown to be a safe intervention. All patients should be closely monitored prior to exercise for contraindications. In most patients it should consist of moderate intensity aerobic exercise 5-7 days/week and low intensity resistance training 2 days/week. PALAVRAS CHAVE KEY-WORDS Insuficiência cardíaca, efeitos do exercício, prescrição de exercício. Heart failure, effects of exercise, exercise prescription. Introdução comparado com o indivíduo saudável1,2. A prática de exercício físico pode modificar esse quadro, atenuando tanto a fadiga como a dispneia, aumentando o VO2máx (Gráfico 1). Os mecanismos responsáveis por esse aumento do VO2máx não são totalmente conhecidos. Entretanto, Fatores limitantes à tolerância ao exercício físico Os dados atuais indicam que a fração de ejeção ventricular correlaciona-se fracamente com a tolerância ao exercício físico9. Têm, por isso, sido estudados os mecanismos para explicar as causas da intolerância ao exercício físico que podem ser genericamente divididas em cardiovasculares e periféricos. A doença cardiovascular tem efeitos limitantes na capacidade de aumentar o débito cardíaco durante o exercício, mas a idade, o sexo e as comorbilidades contribuem também para alterar esta resposta. Com o aumento da idade o coração tem 30 25 VO2 (mlO2.kg1.min-1) A insuficiência cardíaca (IC) pode ser definida como a incapacidade do coração em corresponder à demanda dos tecidos, resultando em sintomas de fadiga ou dispneia de esforço, progredindo para dispneia em repouso. Até há duas décadas a prática de exercício físico era considerada contraindicação absoluta na presença de disfunção ventricular sistólica esquerda. A partir do final da década de 80, quando surgiram os primeiros estudos sobre a importância do exercício físico regular para o doente com IC e a garantia que programas de reabilitação cardíaca eram seguros, o treino físico passou a ser também recomendado para este