Revista de Medicina Desportiva Informa Novembro 2019 - Page 6

Notícias A European Federation of Sports Medicine Associations (EFSMA) é uma entidade europeia congre- gadora das sociedades nacionais de medicina desportiva, na qual se inclui a nossa, a Sociedade Portuguesa de Medicina Despor- tiva (SPMD). Tem vários objetivos nos seus planos de ação, sendo o primeiro “a promoção e desenvol- vimento da Medicina Desportiva em toda a Europa, sendo o objetivo maior o seu reconhecimento como especialidade médica nos países da comunidade europeia”. Natural- mente que se realça a proteção da saúde do atleta, se pretende a har- monização do seu ensino, a moni- torização da prescrição do exercício físico, a partilha e publicação do conhecimento científico, etc. O seu Presidente é o Prof. Maurizio Casasco, de Itália, e os Prof. Fábio Pigozzio, italiano e Presidente da FIMS, e o Prof. Pedro Manonelles, espanhol, Presidente da FEMEDE, são também membros eleitos. Mas o maior realce vai para o Prof. João Paulo Almeida, Presidente da SPMD, que é o atual tesoureiro, ocupando assim um lugar de grande importância nesta associação, que muito nos agrada e nos prestigia Portuga. Estamos bem representados, sem dúvida. _ O Dr. Henrique Jones, ex-Presidente da SPAT, continua a desenvolver grande atividade na ESSKA. É o coordenador de uma importante secção, a ESMA (European Sports Medicine Associates), mas também um grande colaborador para a respetiva Newsletter. Na edição de setembro de 2019 apresentou um Caso Clínico intitulado Freiberg disease in compe- titive sports. Considerations about the disease and minimal invasive surgical treatment. Descreve a intervenção 4 novembro 2019 www.revdesportiva.pt cirúrgica realizada em quatro tria- tletas, assim como a reabilitação e o retorno ao desporto. Refere que não houve necessidade de imobilização, apenas carga parcial e que o retorno ao desporto ocorreu quatro meses depois sem qualquer limitação. Nesta mesma edição ainda é possível vê-lo numa fotografia ao lado do Dr. Michel D’Hooghe, belga e membro do comité executivo da FIFA, o que revela bem. O bom relacionamento que o Dr. H. Jones tem mantido com importantes personalidades internacionais. Esta- mos bem representados, sem dúvida. A Associação Portuguesa de Osteo- porose celebra um percurso de 25 anos na sensibilização para saúde óssea preventiva. No âmbito do dia mundial da osteoporose, contou com o apoio da Lactogal, da CMEP e da Casa da Música para a realização do 6º Convívio Científico “APO – Ama os teus ossos”, contando com a parti- cipação especial de ilustres colegas da área médico-científica. A Prof. Doutora Carla Rêgo, pediatra, mestre em medicina desportiva e doutorada em pediatria pela FMUP, de forma brilhante proporcionou uma reflexão sobre a osteoporose como “doença pediátrica com consequências geriá- tricas” e o Dr. Pedro Cunha, nutricio- nista, licenciado pela Faculdade de Ciências da Nutrição da Universidade do Porto reforçou a relação positiva entre leite e a saúde óssea. A mode- ração ficou a cargo do Prof. Doutor Pedro Moreira, nutricionista, Doutor em Nutrição Humana, e agregado em Alimentação e Nutrição Humana pela FCNAUP. O debate aberto aos 100 especialistas convidados resultou na partilha de conhecimento da maior relevância, assumindo-se o exercício físico, o leite e a vitamina D como estruturantes neste caminho da saúde óssea. Ficou marcado encon- tro para outubro 2020! Entretanto, o resumo alargado da intervenção da Prof. Carla Rêgo poderá ser já lido nesta edição. Dra. Maria José Patrício. A publicação Médico.pt publicou em 24/09/019 uma notícia que deve, mais uma vez merecer a atenção de todos, profissionais de saúde e outros. Tem a ver com o consumo de tabaco, que “segundo a OMS o tabagismo é, a par da poluição atmosférica, um dos principais fato- res de risco para as doenças respira- tórias.“ Atualmente em Portugal as doenças respiratórias são a terceira causa de morte, mas prevê-se que m 2030 passem a liderar o ranking. É uma causa conhecida de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, havendo no Mundo 384 milhões de pessoas sofredoras, das quais três milhões devido a estra doença. Outras doenças respiratórias muito prevalentes são o cancro do pul- mão, que provoca a morte de 1,76 milhões pessoas/ano, a asma (334 milhões de pessoas), referindo-se no texto que é a doença crónica mais frequente na infância, com 14% das crianças a sofrerem desta enfermi- dade. A Sociedade Portuguesa de Pneumologia organizou o Dia Mun- dial do Pulmão no final da tarde do dia 25 de setembro, na Praça do Município em Lisboa. Pretendeu-se um dia “um final de tarde agradá- vel, com música, com bebidas fres- cas e sem tabaco”, pois “um pulmão saudável é também um pulmão sem tabaco” e não é verdade que o cigarro tenha utilidade “para acalmar, criar, socializar.” https:// jornalmedico.pt/atualidade/37833- -doencas-respiratorias-sao-umas- -das-principais-causas-de-morte- -em-portugal.html O Colégio Americano de Medicina Desportiva acaba e publicar mais um Pronoucement, intitulado Physical Activity, Injurious Falls, and Physi- cal Function in Aging: An Umbrella Review. Desta vez tem a ver com o