Revista de Medicina Desportiva Informa Novembro 2016 - Page 15

edema articular permitirá um melhor arco de movimento e melhor recrutamento muscular ; a redução da dor , por sua vez , irá diminuir a inibição muscular álgica .
• Aumento do recrutamento muscular voluntário : o aumento do recrutamento muscular irá permitir um maior controlo neuromuscular de todo o membro inferior .
• Restabelecimento da biomecânica e cinemática : readquirir a artrocinemática normal de todo o membro inferior .
• Fortalecimento da musculatura periarticular do joelho e estabilizadores da rótula : este fortalecimento irá permitir um melhor controlo neuromuscular passivo e ativo do membro inferior .
• Aumento da flexibilidade e mobilidade dos tecidos moles : bastante importante para readquirir a amplitude de movimento das articulação patelofemoral e tibiofemoral ( especial enfase nos músculos quadricípite , isquiotibiais , tricípite sural , banda iliotibial , retináculo e tecidos capsulares ).
• Aumento da proprioceção e do controlo neuromuscular : melhora a capacidade de resposta motora inconsciente através da ativação dos sinais aferentes e mecanismos centrais responsáveis pelo controlo dinâmico 21 .
• Normalização da marcha e corrida : suprimir os padrões antálgicos da marcha e otimização da corrida .
• Progressão funcional nas atividades : realização de atividades funcionais relacionadas com o trabalho ou desporto do paciente .
A abordagem conservadora deve ser multimodal e abordar os diferentes défices biomecânicos / neuromusculares e fatores de risco encontrados . Assim , deve incluir a educação do paciente , modificação da atividade , manutenção das expectativas , intervenções ativas ( exercício físico ) e intervenções passivas ( taping , estabilização funcional e agentes físicos ). Primeiramente , a sintomatologia clínica deve ser resolvida e reestabelecidos todos os défices biomecânicos e neuromusculares . Posteriormente , deve ser trabalhada a coordenação muscular e a capacidade de recrutamento e produção de força muscular . De seguida , é importante readquirir o controlo neuromuscular dos membros inferiores e do core . Assim que reestabelecidos todos os défices biomecânicos e neuromusculares , a preparação do indivíduo para as atividades desportivas deve ser realizada . Uma proposta de plano de intervenção é apresentada na Tabela 1 .
Tratamento cirúrgico da instabilidade rotuliana
Nos casos em que o tratamento conservador não mostre resultados satisfatórios , com luxações rotulianas recorrentes , o tratamento cirúrgico é recomendado . Outros fatores podem levar à opção pelo tratamento cirúrgicos : subluxação estática da rótula , fragmentos intra-articulares , desalinhamento biomecânico e displasia troclear 19 . As luxações recorrentes , para além de diminuírem o nível de competição ou prática desportiva , se não forem corrigidas podem levar a dor persistente e aparecimento de osteoartrose patelofemoral 20 . Assim , tem sido considerado a realização de cirurgia mais precoce em atletas de alta competição 21 .
Várias abordagens cirúrgicas têm surgido , com enfoque na reconstrução dos estabilizadores passivos da rótula , tais como a morfogeometria óssea ( procedimentos de realinhamento biomecânico ) ou do ligamento patelofemoral medial 3 , 22 . Estas abordagens têm como objetivo reestabelecer a estabilidade rotuliana , restaurar a normal artrocinemática do joelho e otimizar a transmissão das cargas na articulação 22 .
Retorno à competição
O retorno à competição deve ser baseado em critérios objetivos que permitam o jogador regressar de uma forma segura e sem risco de nova lesão . Estes critérios objetivos devem incluir 19 , 20 , 23 :
• Resolução da sintomatologia , especialmente da dor e do edema ;
• Restauração de todo o arco de movimento do joelho ;
• Não existência de sensação de instabilidade ;
• Diferença de força muscular ( isocinética ) abaixo dos 10 %, comparando com o membro inferior contralateral ;
• Estabilidade dinâmica da articulação patelofemoral , através de testes funcionais .
Conclusão
A instabilidade rotuliana , devido à sua multifatorialidade e alta taxa de recidiva , continua a desafiar a comunidade ortopédica e de medicina do desporto . Uma avaliação clínico-imagiológica e identificação dos fatores de risco e outros potenciais fatores que estejam a predispor o indivíduo à instabilidade rotuliana é a chave para desenhar o plano de intervenção desenhado para endereçar particularidades de cada indivíduo . Após reestabelecidos os défices identificados , é importante um acompanhamento prospetivo do indivíduo para manutenção das capacidades adquiridas e prevenir recidivas através de programas de prevenção secundária .
Agradecimento
Os autores agradecem a colaboração do atleta que se disponibilizou para ser fotografado na realização dos exercícios de exemplo para este artigo .
Bibliografia
1 . Sanchis-Alfonso V . Anterior knee pain and patellar instability . Springer Science & Business Media . 2011 .
2 . Grelsamer RP . Patellar nomenclature : the tower of babel revisited . Clin Orthop Relat Res . 2005 : 436,60-65 .
3 . Arendt EA , Dejour D . Patella instability : building bridges across the ocean a historic review . Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc . 2013 : 21 ( 2 ), 279-293 .
4 . Leal A , Pereira R , Pereira H , Silva FS , Flores P , Espregueira-Mendes J . Patellofemoral evaluation : do we need an objective kinematic approach ? The Patellofemoral Joint . Springer . 2014 : 37-44 .
5 . Boling M , Padua D , Marshall S , Guskiewicz K , Pyne S , Beutler A . Gender differences in the incidence and prevalence of patellofemoral pain syndrome . Scand J Med Sci Sports . 2010 : 20 ( 5 ), 725-730 .
Restante Bibliografia em : www . revdesportiva . pt ( A Revista Online )
Revista de Medicina Desportiva informa Novembro 2016 · 13
edema articular permitirá um melhor arco de movimento e melhor recrutamento muscular; a redução da dor, por sua vez, irá diminuir a inibição muscular álgica. • Aumento do recrutamento muscular voluntário: o aumento do recrutamento muscular irá permitir um maior controlo neuromuscular de todo o membro inferior. • Restabelecimento da biomecânica e cinemática: readquirir a artrocinemática normal de todo o membro inferior. • Fortalecimento da musculatura periarticular do joelho e estabilizadores da rótula: este fortalecimento irá permitir um melhor controlo neuromuscular passivo e ativo do membro inferior. • Aumento da flexibilidade e mobilidade dos tecidos moles: bastante importante para readquirir a amplitude de movimento das articulação patelofemoral e tibiofemoral (especial enfase nos músculos quadricípite, isquiotibiais, tricípite sural, banda iliotibial, retináculo e tecidos capsulares). • Aumento da proprioceção e do controlo neuromuscular: melhora a capacidade de resposta motora inconsciente através da ativação dos sinais aferentes e mecanismos centrais responsáveis pelo controlo dinâmico21. • Normalização da marcha e corrida: suprimir os padrões antálgicos da marcha e otimização da corrida. • Progressão funcional nas atividades: realização de atividades funcionais relacionadas com o trabalho ou desporto do paciente. A abordagem conservadora deve ser multimodal e abordar os diferentes défices biomecânicos/neuromusculares e fatores de risco encontrados. Assim, deve incluir a educação do paciente, modificação da atividade, manutenção das expectativas, intervenções ativas (exercício físico) e intervenções passivas (taping, estabilização funcional e agentes físicos). Primeiramente, a sintomatologia clínica deve ser resolvida e reestabelecidos todos os défices biomecânicos e neuromusculares. Posteriormente, deve ser trabalhada a coordenação muscular e a capacidade de recrutamento e produção de força muscular. De seguida, é importante readquirir o controlo neuromusc [\Y[X[\[ܙ\HܙK\[H]YHY\X[XY™0YX\[YX蛚XH]\]\[\\H\\p[]Y[œ\H\]]YY\\ܝ]\]B\X[^YK[XHHH[™H[\[0H\\[YHBX[p K][Y[\XB[X[YYH[X[B\[H]YH][Y[˜ۜ\Y܈[H\[Yœ]\٘]0ܚ[H^pY\[X[\Xܜ[\][Y[˜\X0HXY[Yˈ]™]ܙ\[H]\00[][Y[\XΈX^p\0]XHH[KYY[š[KX\X[\\\[[[Y[˜[YX蛚XH\\XHX\NK\^pY\Xܜ[\\H[0[BH[Z[p\[H][H\]pH]XH\ܝ]KH™ܙ[HܜYY\[H]\B܈\\[HH\\X[Y[B[\H][ٙ[[ܘ[ \[K[HYۜY\YHX[^pB\\XHXZ\XH[H]]\B[H\]p̌K\X\XܙY[\X\0B\YH[]YHHXۜp\X[^Yܙ\\]™H[KZ\[H[ܙ[Y]XH0XH Y[Y[BX[[[Y[[YX蛚XHH›Y[Y[][ٙ[[ܘ[YYX[ \\XܙY[0H[ؚ]]œY\X[X\H\X[YYH[X[K\]\\HܛX[\[[p]XH[H[Z^\H[Z\\\\H\X[p̌]ܛ0\]p“]ܛ0\]p]H\\XY[Hܚ]0\[ؚ]]]YB\Z][HY܈Yܙ\\B[XHܛXHY\HH[H\BݘH\ˈ\\ܚ]0\[ؚ]]™][H[Z\NK  ΂(H\pH[X]XK\XX[Y[HH܈HY[XN¸(H\]\pH\B[ݚ[Y[[¸(H^\0ꛘXHH[pB[X[YYN‚(HY\[HHܰH]\[\ \[]XJHXZ^ L K\\[HY[X[\[܂۝[]\[¸(H\X[YYH[ZXHH\X[p][ٙ[[ܘ[ ]]\B\\[[ۘZ\˂ۘ\H[X[YYH[X[K]Y0XH][Y]ܚX[YYHH[H^BHXY]K۝[XHH\YX\B][YYHܝ0YXHHHYYX[H\ܝˈ[XH][Xp˜0[XZ[XY[0XHHY[YXp™]ܙ\H\H][XZ\]ܙ\]YH\Z[HHY\܂[]Y[0[X[YYH[X[BHH]H\H\[\[™H[\[\[Y\B[\p\\X[\YY\HYB[]Y[ˈ\0Y\X[XY™0YX\Y[YXY0H[\ܝ[B[HX\[[Y[]]™[]Y[\HX[][\˜\XYY\Y]Z\Y\H][\XY]\]]\Hܘ[X\B][X[0\XKYܘYX[Y[“]]ܙ\YܘYX[HHXܘp]]H]YHH\ۚX[^B\H\ܘYYHX[^p™^\X[H^[\\H\B\Y˂X[ܘYXBKH[\P[ۜ[\[܈ۙYHZ[[][\[X[]K[\Y[H \[\YYXK LKHܙ[[Y\ ][\Y[]\NB\وX[]\]Y [ܝ[]\ˈ N ͋ MK˂H\[PKZ\ ][H[X[]NZ[[Y\XܛHX[H\ܚX]Y]˂ۙYH\ܝ][X]\ˈ L΂J K KLL˂ HX[K\Z\H\Z\H [Hܙ\” \YYZ\KSY[\][ٙ[[ܘ[][X][ێHYY[ؚX]H[[X]X˜\XH][ٙ[[ܘ[[ [\ M M KH[KYXH X\[\Y]Xނ[H]]\K[\Y\[\[H[Y[H[][[Hو][ٙ[[ܘ[Z[[YK[YYHܝˈ L JK ̍KM \[HX[ܘYXH[N˜]\ܝ]K H]\Hۛ[JB]\HHYYX[H\ܝ]H[ܛXHݙ[X M0 L‚