Revista de Medicina Desportiva Informa Novembro 2012 - Page 24

documentadas foi semelhante à da população geral20. Foi proposto que, dadas as forças geradas pela elevação crónica do volume ejetado pelo VE e o ligeiro aumento da tensão arterial durante o exercício, a prática desportiva provocasse a dilatação da raiz da aorta21. Os atletas envolvidos em desportos onde predomina o componente estático, com treino de força, onde podem ser atingidos valores muito altos de tensão arterial (valores na ordem dos 480/350 mmHg foram descritos22), apresentam maior dilatação aórtica do que aqueles envolvidos em modalidades com componente dinâmico predominante23. Da mesma forma, o diâmetro aórtico é maior em homens do que em mulheres23, sendo muito influenciado pela área de superfície corporal24. Grande parte dos atletas envolvidos em estudos para monitorização do diâmetro aórtico a nível dos seios de Valsalva apresenta valores abaixo dos 40 mm, sendo os valores máximos encontrados de 42 mm23. As descrições sobre as alterações cardíacas induzidas pelo esforço são abundantes, mas as que descrevem os efeitos sobre estruturas vasculares extracardíacas são muito pouco frequentes. Em condições patológicas, envolvendo aumento das pressões nas cavidades direitas do coração, além do aumento do diâmetro da veia cava inferior (VCI) é principalmente a sua compliance que está afetada25,26, refletida pela menor variação respiratória das suas dimensões. Em atletas, em resposta ao crónico aumento do volume intravascular circulante, o diâmetro da veia cava inferior aumentado é praticamente universal27 e é independente do tipo de desporto praticado. No entanto, a postura em que se realiza a modalidade parece ter influência no diâmetro do vaso, sendo maior em nadadores, cuja posição preferencial durante a prática é o decúbito27. As maiores variações nas pressões respiratórias nesta modalidade também podem contribuir para tal, uma vez que a interrupção rítmica dos ciclos respiratórios aumenta a pressão intratorácica, aumentando as pressões ventriculares direitas e, como tal, o diâmetro da VCI27. 22 · Novembro 2012 www.revdesportiva.pt Durante o exercício ocorre aumento da pressão sistólica na artéria pulmonar (PSAP)28,29, mas a informação disponível acerca dos efeitos crónicos do exercício repetitivo na PSAP é ainda escassa. Os estudos que analisam o tipo e o