Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2020 - Page 34

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL OLÍMPICA MEDICINA DESPORTIVA Auditório Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 17 abril 2020 TEMAS - Preparação da Missão Tóquio 2020 - Terapêutica e Dosagem - Cardiologia - Beyond fairness: the biology of inclusion for transgender and intersex athletes - Traumatologia (ombro, menisco, LCA) - Analysis of fatigue - Neuromuscular and Heart Rate Variability Informações e inscrições: comiteolimpicoportugal.pt Preço de inscrição: 40,00€ (inclui almoço) Preço de inscrição para estudantes: 25,00€ (inclui almoço) Organização: Patrocínio Científico: posteriormente avaliados por dois investigadores independentes com vista à sua inclusão no estudo com base nos seguintes critérios de inclusão: estudos epidemiológicos, em rugby union (de sete e quinze), reportando apenas estudos em atletas seniores, na língua inglesa, entre 1995 e 2019. Excluíram-se os artigos com estudos: apenas de outras modalidades; referentes a escalões de formação; com tema distinto da epidemiologia das lesões/concussões em râguebi. Dos artigos selecionados foram extraídos os dados referentes a taxas de incidência (apresentadas em número de lesões por 1000 horas de jogo-jogador) e, sempre que possível, à gravidade das lesões (apresentada em dias de ausência a jogos e treinos). Numa segunda fase, foi feita uma análise e discussão das recomendações para o diagnóstico e seguimento de atletas com concussão na modalidade. Resultados A pesquisa bibliográfica realizada com a chave anteriormente apresentada no motor de busca Pubmed devolveu um total de 158 artigos. A pesquisa manual de artigos relevantes nas referências bibliográficas dos artigos identificados, bem como da literatura cinzenta, resultou em mais nove artigos. Após aplicação dos critérios de inclusão e exclusão anteriormente definidos pelos dois investigadores independentes, selecionaram-se os artigos incluídos nesta revisão sumária. A tabela 1 apresenta o resumo dos dados extraídos dos 14 artigos selecionados para esta análise. 2,4–16 A taxa de incidência de concussão situou-se entre as 0.9 e as 21.5 lesões por 1000 horas de jogo- -jogador, tendo vindo a aumentar nos últimos anos. Em 2012-13, entre atletas de elite do País de Gales a taxa situava-se em 7.9, enquanto em 2015-16 esse número subiu para 21.5 por 1000 horas de jogo-jogador. 2 Evolução semelhante verificou-se no campeonato do Mundo, com a taxa a subir de 0.9 em 1995 para 12.52 por 1000 horas de jogo-jogador, em 2015. 6,7,12 Na comparação entre râguebi de sete e de quinze do mesmo nível competitivo, a maioria dos artigos apontam para taxas de incidência mais elevadas na variante olímpica. 4,5,9 Em Portugal, os únicos dois estudos epidemiológicos de vigilância de lesões em râguebi que foram identificados apresentam taxas de incidência de concussão de 2.09 e 9.91 lesões por 1000 horas jogo-jogador, respetivamente para a variante de quinze e de sete. Quanto à gravidade das lesões, verificamos que para competições de elite de quinze o tempo médio varia entre os 7 e os 12 dias de ausência 10,12 , já no râguebi de sete, para o mesmo patamar competitivo, este valor pode chegar aos 19 dias. A placagem foi, na maioria dos casos, o principal momento de jogo responsável pela lesão, entre 63% 11 e 74% 16 de todas as ocorrências reportadas. Discussão Os números encontrados para a taxa de incidência e para a gravidade das concussões reportados nos distintos estudos epidemiológicos em râguebi confirmam a relevância deste problema e a necessidade de centrar os esforços na prevenção, correto diagnóstico e seguimento desses atletas. Esta condição é tão mais importante quando reconhecemos não apenas a frequência 2 , mas os danos negativos para o próprio atleta de um segundo impacto e, como demonstra a literatura, o risco de ocorrência de outras lesões após uma concussão. 13 Por isso mesmo, ao longo dos últimos anos a World Rugby tem trabalhado no estabelecimento de linhas orientadoras claras para os profissionais de saúde envolvidos na modalidade relativamente ao diagnóstico e seguimento de atletas com concussão. Igualmente, a World Rugby participa ativamente em cimeiras internacionais sobre o tema, contribuindo de forma determinante para a elaboração de consensos e linhas orientadoras, como são exemplos os Consensus Statements on Concussion in Sport. 17 De forma prática, é importante perceber que a primeira abordagem que a World Rugby propõe para lidar com a concussão é a distinção entre os níveis de competição e a 32 março 2020 www.revdesportiva.pt