Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2020 - Page 27

peroniais e do complexo gastrocnémio-solear, a analgesia com anti- -inflamatórios não esteroides ou a infiltração com corticoides e a modificação da atividade conforme possível. Em casos mais resistentes, pode ser necessária a imobilização gessada do tornozelo até seis semanas. 3 A cirurgia reserva-se para casos refratários ao tratamento conservador, mas é importante ter em conta que os resultados são melhores em doentes com menor tempo de evolução da doença. Quais as opções cirúrgicas? Imagens pré-operatórias e pós-operatórias de barra társica calcaneonavicular do pé esquerdo em criança de 11 anos. A resseção cirúrgica da barra társica é a primeira opção na maioria dos casos em jovens com sintomas refratários ao tratamento conservador. O planeamento pré-cirúrgico através da ressonância magnética é essencial para evitar resseções excessivas ou insuficientes. Existe controvérsia na literatura em relação à necessidade de interposição de tecido (retalhos de extensor curto dos dedos ou tecido adiposo, cera de osso, agentes hemostáticos, entre outras hipóteses) para evitar a recorrência da ossificação 3,10-12 , uma vez que alguns autores reportam excelentes resultados com a resseção simples. 13 Têm sido ainda publicados casos de realização da cirurgia por via artroscópica. 14,15 Vários autores advogam que para o melhor resultado deve ser corrigida a deformidade do pé plano valgo através de osteotomias e procedimentos de tecidos moles, para além da resseção da barra. 16,17 Se a barra társica talocalcaneana envolver mais de 50% da faceta articular intermédia, classicamente está recomendada a artrodese subastragalina. Nos casos mais avançados com degeneração secundária importante das articulações adjacentes ou em caso de falência da resseção com recidiva dos sintomas, poderá ser considerada a artrodese dupla ou tripla. 4 Agradecimentos Os autores agradecem à Dra. Mafalda Santos a cedência das imagens. Bibliografia 1. Ruhli FJ, Solomon LB, Henneberg M. High prevalence of tarsal coalitions and tarsal joint variants in a recent cadaver sample and its possible significance. Clin Anat 2003; 16(5):411-415. 2. Solomon LB, Ruhli FJ, Taylor J, et al. A dissection and computer tomograph study of tarsal coalitions in 100 cadaver feet. J Orthop Res 2003; 21(2):352-358. 3. Klammer G, Espinosa N, Iselin LD. Coalitions of the tarsal bones. Foot Ankle Clin N Am 2018; 23:435-449. 4. Miller MD, Thompson SR. Miller’s Review of Orthopaedics. Elsevier 2015. 5. Mettu RR, Koduru SK, Surath H, et al. Total bilateral tarsal coalition: a case report. J Foot Ankle Surg 2016; 55(5):1035-1037. 6. Docquier PL, Maldaque P, Bouchard M. Tarsal coalition in paediatric patients. Orthop Traumatol Surg Res 2019;105(1S):S123-S131. 7. Kumai T, Takakura Y, Akiyama K, et al. Histopathological study of nonosseous tarsal coalition. Foot Ankle Int 1998; 19(8):525-531. 8. Lemley F, Berlet G, Hill K, et al. Current Concepts Review: Tarsal Coalition. Foot Ankle Int 2006; 27(12):1163-1169. 9. Lee MF, Chan PT, Chau LF, et al. Tarsal tunnel syndrome caused by talocalcaneal coalition. Clin Imaging 2002; 26(2):140-143. 10. Scott AT, Tuten HR. Calcaneonavicular coalition resection with extensor digitorum brevis interposition in adults. Foot Ankle Int 2007; 28(8):890-895. 11. Krief E, Ferraz L, Appy-Fedida B, et al. Tarsal coalitions: preliminar results after operative excision and silicon sheet interposition in children. J Foot Ankle Surg 2016; 55(6):1264- 1270. 12. Mubarak SJ, Patel PN, Upasani VV, et al. Calcaneonavicular coalition: treatment by excision and fat graft. J Pediatr Orthop 2009; 29(5):418-426. 13. Fuson S, Barrett M. Resectional arthroplasty: treatment for calcaneonavicular coalition. J Foot Ankle Surg 1998; 37(1):11-15. 14. Bonasia DE, Phisitkul P, Amendola A. Endoscopic coalition resection. Foot Ankle Clin 2015; 20:81-91. 15. Knörr J, Accadbled F, Abid A, et al. Arthroscopic treatment of calcaneonavicular coalition in children. Orthop Traumatol Surg Res 2011; 97:565-568. 16. Masquijo J, Vazquez I, Allende V, et al. Surgical reconstruction for talocalcaneal coalitions with severe hindfoot valgus deformity. J Pediatr Orthop 2017; 37(4):293-297. 17. El Shazly O, Mokhtar M, Abdelatif N, et al. Coalition resection and medial displacement calcaneal osteotomy for treatment of symptomatic talocalcaneal coalition: functional and clinical outcome. Int Orthop 2014; 38(12):2513-2517. Revista de Medicina Desportiva informa março 2020· 25