Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2020 - Page 16

Tema 2 Rev. Medicina Desportiva informa, 2020; 11(2):14-16. https://doi.org/10.23911/T_cirurg_ortped Cirurgia Ortopédica de Aumento do Desempenho Desportivo – Mito ou Realidade? Pedro Farinha 1 , Dr. Diogo Lino Moura 2 1 Aluno de Medicina na Faculdade Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), Fisioterapeuta; 2 Docente da FMUC, Assistente Hospitalar de Ortopedia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra RESUMO / ABSTRACT O recurso ilegal a substâncias para melhorar do desempenho desportivo é um tema amplamente divulgado no desporto, no entanto este poderá não ser a única forma desonesta de potenciar a performance do atleta. Algumas interpretações de resultados obtidos após determinadas cirurgias ortopédicas têm estimulado a crença de que estas poderão mesmo projetar os atletas para níveis de desempenho superiores àqueles prévios à lesão inicial. Concretamente, lançadores de beisebol submetidos a reconstrução do ligamento colateral ulnar do cotovelo, após rotura do mesmo, poderiam ser capazes de lançar com mais força em comparação com os atletas com o ligamento nativo íntegro. O presente artigo tem como objetivo investigar o potencial efeito doping de aumento do desempenho desportivo associado a determinadas cirurgias ortopédicas, realçando a realidade do beisebol profissional. The illegal use of drugs to enhance performance is widely known in sports, however the administration of illegal substance may not be the only dishonest way to enhance athlete’s performance. Some interpretations of the outcomes of some orthopedic surgeries have been stimulating the belief that it may enhance athletes to higher levels of performance. Specifically, baseball pitchers who underwent elbow ulnar colateral ligament reconstruction, after its rupture, could be able to throw with higher intensity in comparison to athletes with the non injured native ligament. The main objective of the present paper is to investigate if some orthopedic surgeries may be associated to doping effect and performance enhancement, with special attention to the baseball reality. PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS Dopagem, cirurgia ortopédica, desempenho desportivo, Tommy John, lançadores, ligamento colateral ulnar, cotovelo Doping, orthopedic surgery, performance, Tommy John, pitchers, ulnar collateral ligament, elbow Dopagem no Desporto O recurso ilegal a substâncias para melhoria do desempenho desportivo é um tema bastante divulgado na comunidade desportiva, fundamentalmente no desporto de competição. 1 A dopagem pode ser definida como a utilização por parte do atleta de uma substância natural, em quantidade anormal, ou sintética, que melhore de maneira artificial e desonesta o seu desempenho desportivo. Segundo a Federação Internacional de Medicina Desportiva, considera-se dopagem no desporto o uso deliberado o uso deliberado e inadvertido de uma substância ou método banido pelo Comité Olímpico Internacional. 2 Destacam-se a administração ilegal de esteroides anabolizantes androgénicos, para acelerar o processo de recuperação e promover o aumento de massa muscular, a eritropoetina, que aumenta a produção de eritrócitos sanguíneos, tendo em vista a melhoria da resistência do atleta em provas de longa duração ou tolerância a elevadas altitudes, as hormonas de crescimento e a hormona tiroideia 1,3 , os diuréticos para perda rápida de peso corporal e as anfetaminas para aumento do estado de alerta e redução do tempo de reação, entre outros. 1,3 Cirurgia ortopédica e a dopagem O consumo de substâncias pode não ser a única forma desonesta de potenciar a performance desportiva do atleta. 3 A incorreta interpretação de resultados obtidos após determinadas cirurgias ortopédicas tem estimulado a crença de que estas poderão potencialmente projetar os atletas para níveis de desempenho desportivo superiores àqueles prévios à lesão inicial. 3 Um caso concreto são os lançadores de beisebol submetidos a reconstrução do ligamento colateral ulnar (LCU) do cotovelo. A frequente posição em valgo do cotovelo durante os repetidos movimentos de lançamento da bola faz com que este ligamento sofra roturas com alguma frequência neste desporto. Uma solução cirúrgica frequente para esta rotura é a ligamentoplastia, isto é, uma substituição do ligamento lesado por um autoenxerto tendinoso, frequentemente colhido dos ísquiotibiais ou do antebraço, que é colocado na posição prévia do ligamento com o objetivo de fazer a sua função. Os excelentes resultados funcionais e de desempenho desportivo dos atletas submetidos a esta reconstrução ligamentar fizeram com que surgisse a ideia destes poderem mesmo ser capazes de realizar lançamentos com mais força do que originalmente com o ligamento nativo. 3 Este exemplo estimulou a ideia de que futuros avanços na engenharia de músculos, tendões, ligamentos e cartilagem poderão tornar possível a substituição integral um complexo articular com desempenho biomecânico e funcional superior ao original. 3 Da mesma maneira, o uso de exopróteses mecânicas para atletas com amputações ou malformações congénitas, como o caso do popular Oscar Pistorius (Figura 1), tem levantado inúmeras questões relativamente a uma possível vantagem biomecânica comparativamente ao desempenho de atletas com os membros originais. 3 Anatomia e biomecânica do LCU A resistência dos tecidos moles contabiliza cerca de 50% da estabilidade da articulação do cotovelo (a restante é atribuída à congruência articular do cotovelo) e pode ser dividida em resistência muscular Figura 1 – Oscar Pistorius nos Jogos Olímpicos de Londres (2012) 14 março 2020 www.revdesportiva.pt