Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2019 - Page 6

A Associação de Internos de Medi- cina Desportiva (AIMD) mantém-se ativa, viva e produ- tiva. Defendem que a “Medicina Desportiva podem ter um impacto substancial na promo- ção da saúde e prevenção da doença, sendo agentes com conhecimento privilegiado de fisiologia do exercício, cardiolo- gia, traumatologia e reabilitação desportivas e clínica médica”, pelo que se sentem responsáveis também dinamização desta especia- lidade e pela divulgação de conteú- dos oportunos e importantes para o atleta, para o praticante de exercício físico. É já em abril que realizarão as 2ªs Jornadas no Centro de medicina Desportiva de Lisboa e lá serão abordados temos muito importantes e interessantes, como a prescrição de Reabilitação cardiopulmonar, o alto rendimento, os distúrbios alimentares e RED-S, os ciclos hormonais, a psicologia desportiva, mas também a concussão e velocidade nos desportos motorizados. As Jornadas destinam-se a “todos os profissionais de saúde com interesse nesta área”, os quais poderão participar em três workshops de grande utilidade prática (exame morfofuncional, ligaduras funcionais e mesoterapia). Estes jovens médicos merecem que apareçamos por lá. O trabalho de Investigação The role of calcaneofibular Ligament Injury in ankle instability: Implications for surgical management (Am J Sports Med. 2018 Dec) foi realizado na Universidade de Denver, com participação do Cen- tro Hospitalar Póvoa de Varzim-Vila do Conde, da Universidade do Minho e o do Centro Aspetar. Acaba de ser publicado no American Journal of Sports Medicine pela sua importância no desenvolvimento do tratamento cirúrgico da instabilidade do torno- zelo decorrente da entorse tornozelo, a qual é a lesão mais frequente no desporto. O trabalho foi premiado no Congresso Mundial da ISAKOS, 4 março 2019 www.revdesportiva.pt realizado em Shangai, e foi realizado por vários médicos, dos quais se des- tacam o Dr. Hélder Pereira, e os Drs. Kenneth Hunt e Pieter D’Hooghe. É a primeira vez que um investigador português vê publicado um trabalho tão fundamental no contexto das lesões desportivas no jornal orto- pédico mais importante do Mundo, o que é extraordinário. Este estudo, realizado em cadáveres, concluiu que o “ligamento calcaneofibular contribui bastante para a instabi- lidade lateral do tornozelo”, resul- tando grande morbilidade quando este ligamento é danificado em alto grau. É um alerta importante, sem dúvida. O abstract pode ser visto em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pub- med/30571138. A notícia foi publicada em dezem- bro de 2018, no jornal “O Público” e merece toda a atenção. O título dizia que o “SNS vai ter consultas de atividade física para quem sofre de depressão ou diabetes” e o subtítulo acrescentava que a “iniciativa arranca até Março [2019], para já apenas em 13 projetos-piloto. A ideia é testar o impacto do exercício físico na pre- venção e tratamento destas doenças crónicas”. Após a identificação pelo médico assistente, os doentes entra- rão numa consulta multidisciplinar constituída por fisioterapeutas, enfermeiros, nutricionistas e psicólo- gos, a qual será coordenada por um especialista ou com curso de pós- -graduação em Medicina Desportiva. É uma ideia extraordinária, que terá beneficiado alguma experiência do que se vai fazendo no Reino Unido e na Suécia nesta matéria, e onde os doentes serão os grandes beneficiários diretos, pois a “evidência científica demonstra que a atividade física tem efeitos importantes, não só ao nível da prevenção, mas também do trata- mento ou como coadjuvante terapêu- tico”. Naturalmente que os resultados serão avaliados e suportarão a difusa desta iniciativa para outros centros de saúde. Aguardemos, então, pelos resultados, os quais serão sem dúvida muito bons para a saúde do utente. Nos dias 22, 23 e 24 de março, nas instalações dos Bombeiros Voluntá- rios de Caldas das Taipas, vai decorrer a formação internacional, pós-gra- duada, denominada Medical Response to Major Incidents (MRMI), destinada aos elementos da Proteção Civil, Bombeiros, Polícias, GNR, Exército, Marinha, Força Aérea, assim como a médicos, enfermeiros e outros. Esta ação envolverá o teste de corredo- res de transporte e evacuação dos eventuais sinistrados, envolvendo também a resposta de três hospitais que ganharão experiência perante um cenário de multi-vítimas. É uma formação diferenciada de emergência em contexto de catástrofe que é certi- ficada pelo European Society for Trauma and Emergency Surgery e pelo Board Europeu do MRMI. Este exercício de treino da resposta a situações de exceção irá decorrer no Quartel dos BV das Caldas das Taipas e terá como pano de fundo do cenário a simular, o Estádio D. Afonso Henriques, onde se realizarão jogos, em junho, da Final Four da Liga das Nações. A equipa de formadores será do Madeira Inter- nacional Disaster Training Center (MIDTC). O diretor de curso é o (nosso) médico Filipe Serralva, diretor do Serviço de Urgência do Hospital Nossa Senhora da Oliveira e cuja paixão é a emergência médica e que tem sido responsável por dezenas de ações de formação nesta temática. As inscrições devem ser feitas através do site www.bvtaipas.com. O tema da concussão cerebral é per- manente, porque é difícil de avaliar logo após a sua ocorrência, assim como a decisão sobre a continuidade