Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2017 - Page 17

entanto , nesses estudos a duração e o tipo de exercícios variaram amplamente e incluíam uma combinação de elementos , como fortalecimento muscular , amplitude articular activa e atividades aeróbias . Os resultados foram globalmente positivos e não houve resultados significativamente superiores entre os vários tipos de exercício . 1 De realçar que a prescrição do exercício deve ser individualizada e centrada no doente , levando em consideração a idade e as co- -morbilidades . Os exercícios poderão ser realizados em grupo e a adesão é o principal fator preditivo do resultado a longo prazo nos doentes com osteoartrose . A hidroterapia também pode ser um complemento útil para qualquer programa de exercícios .
Embora a avaliação do calçado esteja recomendada na maioria das guidelines , existe pouca evidência a suportar essa abordagem . Diversos estudos observacionais sugerem que o uso de palmilhas em cunha lateral ou medial , consoante o eixo da gonartrose , pode melhorar a sintomatologia . No entanto tal não é suportado de forma consistente por estudos prospectivos e randomizados . 6 Não existem estudos clínicos e randomizados que suportem a afirmação de que o tipo de sola influencia a sintomatologia . Quanto à utilização de ortóteses para corrigir o alinhamento do joelho , existe pouca evidência baseada em estudos clínicos randomizados . As ortóteses estabilizadoras do joelho e que promovem stress em valgo , bem como as ortóteses que promovem o realinhamento rotuliano em doentes com dor patelofemoral provocada pelo desalinhamento do joelho , podem melhorar a dor e a função em doentes com gonartrose em varo . 6 , 7 A utilização de bengala pode aliviar a dor em doentes com gonartrose 1 , 9 , no entanto é preciso utilizar com precaução em indivíduos com poliartralgias , uma vez que estes apoios de marcha aumentam a carga noutras articulações ( por ex : mão contralateral e ancas ). Por ausência de evidência com relevância clínica , a acupunctura , a eletroestimulação e as terapias com ultrassom têm recomendação duvidosa ou não são recomendadas para o tratamento da osteoartrose . 1
Agentes farmacológicos
Paracetamol É o agente farmacológico de primeira linha recomendado por todas as guidelines internacionais para o tratamento dos doentes com gonartrose 8 , pois é seguro e eficaz , mas por demonstrar efeitos minor , mas estatisticamente significativos , no alívio da dor 10 , 11 , a sua utilização é recomendada em associação com outros fármacos .
Anti-inflamatórios não esteroides orais São agentes eficazes no alívio sintomático e na melhoria funcional 12 , no entanto , atendendo aos riscos de efeitos adversos a nível gastrointestinal , renal e cardiovascular , a sua utilização deve ser limitada e reservada aos indivíduos sem co- -morbilidades 13 . O naproxeno apresenta uma segurança cardiovascular ligeira a moderadamente superior quando comparado com os restantes anti-inflamatórios não esteroides ( AINE ’ s ) e o diclofenac está relacionado com elevações dos marcadores hepáticos a nível laboratorial . 1 A co- -prescrição de inibidores da bomba de protões , misoprostol ou antagonista dos receptores H 2 reduzem o risco de úlceras gastrointestinais detectáveis endoscopicamente .
Inibidores da COX-2 Os inibidores da Cox-2 apresentam tolerância melhor ou comparável aos AINE ´ s não seletivos , embora com taxa de reações adversas semelhantes , principalmente a nível cardiovascular . O celecoxib foi associado a baixas taxas de úlceras gastrointestinais , porém apresenta um elevado risco cardiovascular , principalmente quando utilizado nas doses superiores a 200mg / dia . 1 , 8 A European Agency for the Evaluation of Medicinal Products recomenda precaução na utilização destes fármacos em indivíduos com fatores de risco cardiovascular e não recomenda a sua utilização naqueles com doença cardíaca isquémica ou antecedentes de acidente vascular cerebral . Em suma , os anti-inflamatórios são eficazes no alívio da dor na osteoartrose e devem ser prescritos com a dose eficaz mais baixa durante o período mais curto possível .
Anti-inflamatórios tópicos São seguros e podem ser eficazes no alívio sintomático nos doentes com gonartrose , no entanto têm efeitos mais modestos que os fármacos orais . São bem tolerados e os efeitos adversos sistémicos são raros . Ocorre reações adversas locais em cerca de 10-15 % dos doentes . A capsaícina , substância proveniente da pimenta vermelha e que atua aumentando a libertação da substância P das fibras nervosas tipo C não mielinizadas , possui um efeito apenas ligeiramente superior ao placebo , requer várias semanas de utilização e pode ocorrer irritação cutânea local .
Outros fármacos A infiltração intra-articular com corticoides deve ser reservada a sintomatologia refratária aos analgésicos orais , uma vez que estes fármacos apresentam excelente eficácia apenas a curto prazo . Os opioides orais de menor potência , como o tramadol , apresentam um benefício reduzido , mas estatisticamente significativo no tratamento da dor na osteoartrose . 1 Recomenda-se a utilização em associação com outros analgésicos / anti-inflamatórios . Devido às potenciais reações adversas , a prescrição de outros opioides deve ser limitada .
Fármacos potencialmente capazes de modificar a doença Até há poucos anos o tratamento conservador estava focado principalmente no alívio sintomático . No entanto , os fármacos teoricamente capazes de alterar o desequilíbrio catabólico-anabólico da articulação em degenerescência têm suscitado muito interesse da comunidade científica pelo seu potencial como fármacos modificadores de estrutura , ou seja , que retardam , revertem ou estabilizam a alteração da estrutura articular .
Existem vários fármacos descritos como “ condroprotetores ”: glucosamina oral , sulfato de condroitina , injeções intra-articulares de ácido hialurónico , vitaminas C , D e E , anti-inflamatórios não esteroides , plasma rico em plaquetas , ácidos gordos polinsaturados , S-adenosilmetionina , metilsulfonilmetano e o extracto de óleo insaponificável de abacate e soja .
Revista de Medicina Desportiva informa Março 2017 · 15