Revista de Medicina Desportiva Informa Março 2012 - Page 17

Fig . 2 – Artromotor ( cortesia SORISA ®)
em cicloergómetro ( agora sem necessidade de selim elevado ) ou em elíptica , com resistência e duração progressivas , já que o uso do treadmill nesta fase não é habitualmente recomendado pelo grau de impacto articular implicado . Mantêm-se os exercícios de estabilização pélvica e o treino de marcha . Progride-se no treino propriocetivo , evoluindo gradualmente do apoio bipodal estável para apoio monopodal instável .
Fase 3
A terceira fase ( S6-S8 ) inicia-se quando as AA e o padrão de marcha estiverem normalizados e a força muscular dos flexores da anca operada for superior a 60 % do lado contralateral . Devem-se manter os exercícios prévios de FM , introduzindo-se agora exercícios pliométricos , visando a melhoria da força potência , e treino de agilidade . Continua-se o treino propriocetivo e o treino aeróbio , podendo recorrer- -se agora ao treadmill . O objetivo é a recuperação total da força muscular e a otimização da resistência cardiovascular , do controlo neuromuscular , do equilíbrio e da proprioceção .
Fase 4
A partir de S8 e até S16 desenrola- -se a quarta fase do programa de reabilitação , que visa o retorno à atividade desportiva , pelo que deverá incluir exercícios específicos da respetiva modalidade . As recomendações quanto aos timings de retorno à atividade desportiva são altamente variáveis e dependentes dum considerável número de fatores ligados ao indivíduo , ao tratamento e à modalidade pretendida . Contudo , raramente está recomendado o retorno à atividade desportiva antes das 12 semanas , sendo que os desportos de contacto estão recomendados só a partir dos 6 meses pós-operatório .
A hidrocinesiterapia
A reabilitação em meio aquático constitui um recurso de enorme utilidade na reabilitação desta entidade , podendo ser utilizada desde as fases mais precoces , logo que restabelecidas as condições de cicatrização cutânea . O meio aquático constitui um meio seguro para o treino , associando o efeito analgésico , a descarga sobre o membro afetado e o reforço sensitivo da água com melhoria da proprioceção . Assim sendo , numa primeira fase os exercícios podem ser efetuados num nível de imersão superior , em cadeia cinética fechada e assistidos pela impulsão hidrostática . Ao diminuir- -se progressivamente o nível de imersão e aumentar-se a velocidade do movimento associa-se o treino de força e resistência musculares e o recondicionamento aeróbio . A hidrocinesiterapia mostra-se útil em todas as fases do programa , permitindo iniciar uma série de exercícios de forma mais precoce ( ex : treino de corrida ) quando estes não são tolerados em “ meio seco ”.
Situações específicas
Existem algumas especificidades a considerar consoante os procedimentos cirúrgicos efetuados . Quando é efetuada a reparação do labrum , a abdução deve ser limitada a 25 º e as rotações e a extensão devem ser “ suaves ” durante 3 semanas , iniciando-se o retorno à atividade desportiva na nona semana . Quando é efetuada a reparação capsular deve impedir-se as rotações durante 3 semanas , retomando-se a atividade desportiva à décima terceira semana . Quando são efetuadas microfraturas deve ser feita descarga durante pelo menos 5 semanas , sendo possível o regresso à atividade dezassete semanas após a cirurgia .
Deve salientar-se que os procedimentos descritos ( e seus timings de aplicação ) não são estanques , dependendo em larga medida do procedimento cirúrgico efetuado e do desempenho do doente ao longo das diferentes fases do programa , tornando fundamental a comunicação entre as diferentes equipas profissionais envolvidas .
Conclusão
O CFA é uma patologia responsável por uma percentagem não quantificada de processos de dor e osteoartrose precoce da anca até agora considerados na sua maioria como idiopáticos . Assim sendo , é necessária uma crescente sensibilização para o problema para que seja possível o diagnóstico precoce , uma orientação eficaz dos doentes e a instituição de um plano terapêutico de reabilitação adequado . O plano descrito constitui um esquema geral de reabilitação que , como todos , deve ser adaptado às especificidades de cada doente .
Bibliografia
1 . Enseki K ., Martin R ., Kelly B . Rehabilitation After Arthroscopic Decompression for Femoroacetabular Impingement . Clin Sports Med 2010 : 29 , pp . 247-255 .
2 . Stalzer S ., Wahoff M ., Scanlan M . Rehabilitation Following Hip Arthroscopy . Clin Sports Med . 2006 : 25 , pp . 337-357 .
3 . Phillipon M ., Allston J ., Schenker M ., Maxwell R ., Ganz R ., Leunig N . Arthroscopic Management of Femoroacetabular Impingement : Osteoplasty Technique and Literature Review . The American Journal of Sports Medicine 2007 : 35 ( 9 ) pp . 1571-1580 .
4 . Kaplan K . M ., Shah M . R ., Youm T . Femoroacetabular Impingement : Diagnosis and Treatment . Bulletin of the NYU Hospital for Joint Diseases . 2010:68 ( 2 ) pp . 70-75 .
Revista de Medicina Desportiva informa Março 2012 · 15
Fase 4 A partir de S8 e até S16 desenrola-se a quarta fase do programa de reabilitação, que visa o retorno à atividade desportiva, pelo que deverá incluir exercícios específicos da respetiva modalidade. As recomendações quanto aos timings de retorno à atividade desportiva são altamente variáveis e dependentes dum considerável número de fatores ligados ao indivíduo, ao tratamento e à modalidade pretendida. Contudo, raramente está recomendado o retorno à atividade desportiva antes das 12 semanas, sendo que os desportos de contacto estão recomendados só a partir dos 6 meses pós-operatório. e as rotações e a ^[][B\8'X]\'H\[H [X[\[XX[\H]ܛ0]]YYB\ܝ]HHۘH[X[K]X[°HY]XYHH\\p\[\]B[\Y\\H\pY\\[H œ[X[\]X[\HH]]YYB\ܝ]H00X[XH\Z\H[X[K]X[Y]XY\ZXܛٜ]\\™]H\Z]H\\H\[H[›Y[ H[X[\[][œYܙ\0]]YYH^\]H[X[\\0H\\XK]H[Y[\\H]YHY[Y[\ܚ] H]\[Z[™H\XpH\[]Y\\[[[H\HYYYHœY[Y[\XY]XYB\[\[[H[ۙ™\Y\[\\\ܘ[XKܛ[[[Y[[H][Xp[H\Y\[\\]Z\\œٚ\[ۘZ\[Y\˂HY[\]\\XBYˈ 8$\[܈ ܝ\XHԒTpB[HX\Y] YܘH[BX\YYHH[[H[]YHH[B[0\XKH\\0ꛘXHH\pœܙ\]\H]YH\XYZ[\H\H0HX]X[Y[BXY[Y[ܘ]HH[\X˜\X[\[\XYˈX[0K\H™^\X[H\X[^p0[XHBZ[HX\KܚYK\HZ[[]]]Z[ܘYX[Y[H\[\[\0][\H\[[ۛ[[0][ \H H\Z\H\H ͋T H[XXK\B]X[\PHHYHX\H\]\[HܛX[^YHBܰH]\[\^ܙ\B[H\YH܈\\[܈H BY۝[]\[ ][K\BX[\^\X[][HK[^[\HYܘH^\X[œ[p]X\[HY[ܚXHBܰH0ꛘXKHZ[HY[YYK۝[XK\HZ[[]]BZ[Y\ؚ[[Xܜ\\HYܘH[XYZ[ ؚ]]0HBX\\p[HܰH]\[\HH[Z^pH\\0ꛘXH\[ݘ\[\۝]\]\[\\]Z[0X[HH[p˂HXX[]p[HYZ[\]p]X˜ۜ]ZH[HX\H[ܛYB][YYHHXX[]p\B[YYK[\][^YB\H\\\XZ\X\œ]YH\X[XY\\ۙpY\™HX]^p]0蛙XKYZ[˜\]p]Xۜ]ZH[HYZ[Y\œ\HZ[\X[YZ]˜[[\XH\\H؜HY[XY]YHYܰ[]]BYXHHY[ܚXHH[p˂\[H[H[YZ\H\H™^\X[[H\Y]XY][H[Y\\\[܋[HYZXB[]XHXYHH\\Y[B[\[Y0]XK[[Z[Z\\Hܙ\][Y[H][B[Y\H][Y[\\HH[YYB[ݚ[Y[\XK\HZ[™HܰHH\\0ꛘXH]\[\\™HXۙX[ۘ[Y[Y\ؚ[ˈBY[\]\\XH[K\H0[[B\\\\ܘ[XK\Z][[XX\[XH\YHH^\X[™HܛXHXZ\XH ^Z[™HܜYJH]X[\\\Y[H8'YZ[X'K]XpY\\XYX\‘^\[H[[X\\XYXYY\BۜY\\ۜ[HY[Y[\XY]XYˈ]X[°HY]XYHH\\pX[KHXp]H\[Z]YHH pۘ\“ѐH0H[XH]XH\ۜ][܈[XH\[Y[H]X[YXYHH\H܈H[\HXHH[H]0HYܘBۜY\YHXHXZ[ܚXH[šY[0]Xˈ\[H[0HX\\XB[XHܙ\[H[X[^p\B؛[XH\H]YHZH][™XY۰XXK[XHܚY[p™YX^[\HH[]ZpB[H[\\0]XHXX[]p˜Y\]XYˈ[\ܚ]ۜ]ZB[H\]Y[XH\[HXX[]pœ]YK[]H\Y\Y°\XYXYY\HYH[KX[ܘYXBKH[ZHˋX\[[HZX[]][ۂY\\XX\\[ۈ܈[[ܛX]X[\[\[[Y[ [ܝYY L K LMKH[\ˋZٙK[[KZX[]][ۈ[\\K[ܝ“YY K LM˂˂H[\ۈK[ۈ[\KX^[[][Y\X“X[Y[Y[و[[ܛX]X[\[\[[Y[[\HX\]YH[]\]\B]Y]ˈH[Y\X[\[وܝ“YYX[H Έ JJH MMKLMN H\[˓KZK[[H [[ܛX]X[\[\[[Y[XYۛ\[X]Y[ [][وHUH][܂[\X\\ˈ L H MK]\HHYYX[H\ܝ]H[ܛXHX\ L0 MB