Revista de Medicina Desportiva Informa Maio 2016 - Page 8

Atualidade

Rev . Medicina Desportiva informa , 2016 , 7 ( 1 ), p . 6

A Doença de Parkinson

Dr . Basil Ribeiro – CH V N Gaia-Espinho , EPE – V . N Gaia
O exercício para a prevenção de quedas na doença de Parkinson
Canning , C . G . et al . Parkinson disease . A randomized controlled trial . Neurology , dez 2014 : 10.1212 / WLN . 00000000000001155
Um estudo randomizado controlado concluiu que um programa de exercício dirigido para o equilíbrio e força nos membros inferiores não diminuiu as quedas ( outcome primário ), mas melhorou a saúde física ( equilíbrio , mobilidade , parar a marcha , atividade física habitual – outcome secundário ) e psicológica ( medo de cair , afeto – outcome secundário ). Contudo , as quedas foram reduzidas nas pessoas com doença mais ligeira ( menos 69 % de quedas em relação ao grupo de controlo ), mas não nas com doença avançada . Participaram 231 doentes ( média de idades = 71 anos ), que podiam caminhar de modo independente , medicados , que tinham caído pelo menos uma vez no ano anterior ou estavam em risco de queda , avaliado no exame físico . Foram divididos num grupo de exercício ( 40 a 60 minutos , três vezes por semana , durante seis meses ) e
noutro que recebeu o tratamento habitual . A vantagem deste estudo encontra-se no facto de 87 % dos exercícios terem sido realizados de modo independente pelos doentes em casa . Apenas uma vez por mês frequentaram uma aula coletiva administrada por um fisioterapeuta . Foi , então , um programa de baixo custo e com supervisão mínima . Um dos autores comenta que o momento de iniciar um programa de exercício físico é importante , deve ser precoce , e não se iniciar apenas após o aparecimento das quedas , pois este estudo demonstra a eficácia do programa nos doentes com doença ligeira . Classificação da evidência : classe III .
Tai Chi and postural stability in patients with Parkinson ’’ disease
Li , Fuzhong et al . N Engl J Med 2012 ; 366:511-519 .
As conclusões deste estudo apontam no mesmo sentido . Os autores concluíram que “ o treino de tai chi parece reduzir as alterações de equilíbrio em doentes com doença ligeira a moderada , com benefícios adicionais de melhoria da capacidade funcional e redução das quedas ”, que são aspetos importantes na vida destes doentes , pois têm risco aumentado de quedas e diminuição da capacidade funcional . Neste estudo randomizado controlado , os 195 doentes ( estádios 1 a 4 da Escala de
Hoehn e Yahr , que vai de 1 a 5 ) foram distribuídos por três grupos de atividades : tai chi , treino de força ( roupa e tornozelos com pesos ) e alongamentos . As sessões duraram 60 minutos , duas vezes por semana , durante 24 semanas . A posturografia dinâmica computorizada foi usada para avaliar a estabilidade postural – excursão máxima e controlo direcional , os outcomes primários . Nos Resultados , os autores constataram que os doentes do grupo tai chi apresentaram os melhores resultados nos outcomes primários em relação aos outros dois grupos , efeitos que perduraram por três meses após a conclusão do programa . Também apresentou menor incidência de quedas em relação ao grupo dos alongamentos , mas não em relação ao grupo de treino de força . Refere-se , também , que não se verificaram eventos adversos graves durante a intervenção . Os resultados deste estudo parecem indicar que o tai chi poderá ser eficaz na melhoria da reabilitação neuromuscular . Os autores do estudo referem , inclusivamente , que o tai chi pode efetivamente reduzir a incidência de quedas em doentes com Parkinson .
Esta Associação constitui-se oficialmente em 14 / 04 / 1984 , tem sede em Lisboa , mas há muitas secções regionais que cobrem boa parte de Portugal . Tem cerca de 1.600 associados ( apesar de haver 20 mil doentes em Portugal ) e a quota anual é de 30 euros , a possível , mas certamente insuficiente para satisfazer todas as ambições e atividades com estes doentes . Tem vários objetivos , o primeiro dos quais é a “ defesa dos legítimos interesses dos doentes de Parkinson em Portugal , junto de organizações oficiais e poderes públicos ”, mas também a “ divulgação de informação sobre a doença e as formas de superar as dificuldades , contribuindo para a mudança de atitude em relação à doença de Parkinson , tanto das pessoas portadoras como do público em geral ”, para além de muito aconselhamento , assistência domiciliária , promoção de encontros e da “ organização de cursos e eventos para cuidadores de doentes e voluntários ”. A morada na internet é : www . parkinson . pt . A visitar , sem dúvida .
A Tulipa do Dr . James Parkinson é o símbolo da Doença de Parkinson e foi aprovada em 11 / 04 / 2005 , no Luxemburgo , durante as comemorações do seu Dia Mundial , “ dia do nascimento em 1755 do Dr . James Parkinson , médico inglês que em 1817 e pela primeira vez identificou e descreveu os sintomas da doença ”.
6 Maio 2016 www . revdesportiva . pt
Atualidade Rev. Medicina Desportiva informa, 2016, 7 (1), p.6 A Doença de Parkinson Dr. Basil Ribeiro – CH V N Gaia-Espinho, EPE – V. N Gaia O exercício para a prevenção de quedas na doença de Parkinson Canning, C. G. et al. Parkinson disease. A randomized controlled trial. Neurology, dez 2014: 10.1212/WLN.00000000000001155 Um estudo randomizado controlado concluiu que um programa de exercício dirigido para o equilíbrio e força nos membros inferiores não diminuiu as quedas (outcome primário), mas melhorou a saúde física (equilíbrio, mobilidade, parar a marcha, atividade física habitual – outcome secundário) e psicológica (medo de cair, afeto – outcome secundário). Contudo, as quedas foram reduzidas nas pessoas com doença mais ligeira (menos 69% de quedas em relação ao grupo de controlo), mas não nas com doença avançada. Participaram 231 doentes (média de idades = 71 anos), que podiam caminhar de modo independente, medicados, que tinham caído pelo menos uma vez no ano anterior ou estavam em risco de queda, avaliado no exame físico. Foram divididos num grupo de exercício (40 a 60 minutos, três vezes por semana, durante seis meses) e noutro que recebeu o tratamento habitual. A vantagem deste estudo encontra-se no facto de 87% dos exercícios terem sido realizados de modo independente pelos doentes em casa. Apenas uma vez por mês frequentaram uma aula coletiva administrada por um fisioterapeuta. Foi, então, um programa de baixo custo e com supervisão mínima. Um dos autores comenta que o momento de iniciar um programa de exercício físico é importante, deve ser precoce, e não se iniciar apenas após o aparecimento das quedas, pois este estudo demonstra a eficácia do programa nos doentes com doença ligeira. Classificação da evidência: classe III. Tai Chi and postural stability in patients with Parkinson’’ disease Li, Fuzhong et al. N Engl J Med 2012; 366:511-519. As conclusões deste estudo apontam no mesmo sentido. Os autores concluíram que “o treino de tai chi parece reduzir as alterações )եɥѕ́)ɄɅ)́ɥ)չɕ́ՕϊtՔ)ѽ́хѕ́٥ѕ́ѕ̰́ɥ͍յхՕ́է)չ9єՑ)Ʌ酑ɽ̀)ѕ̀̀āЁ͍()фͽѥդ͔єммаѕ͕1͉́)եх͕́Օ́ɕ́ՔɕєA՝Qɍĸͽ̀ͅȁٕȀѕ́A՝սфՅɽ̰)ٕ́хєՙєɄͅѥ͙ȁѽ́́Օ́ѥ٥)ѕ́ѕ̸Qɥ́ѥٽ̰ɥɼ́Յ̃q̈́́ѥ́ѕɕ͕́́ѕ́AɭͽA՝չѼɝՕ́́)ɕ́鉱ϊt́хqձɵͽɔ́ɵ́Ʌȁ́ձ̰ɥեɄՑѥՑɕ+AɭͽхѼ́ͽ́хɅ́鉱ɅtɄ)եѼ͕Ѽͥɥɽɽ́+qɝͽٕ́ѽ́Ʉեɕ́ѕ́ٽչɥϊtɅ)ѕɹЃܹɭͽи٥ͥхȰ͕٥((؁5؁ܹɕّѥل()!eȰՔمāԤɅ)ɥ́ȁ́́ѥ٥хɕɽ)ѽɹ镱́ͽ̤ѽ̸͕́Օ́ɅɅѽ̰)Յٕ́́ȁ͕Ʌє)̸͕ɽɅ)ѽɥ酑ͅɄم)хɅL)᥵ɽɕ́э́ɥɥ̸9́Iձх̰)ѽɕ́ххɅՔ́ѕ)хɕ͕хɅ)ɕ́ɕձх́́э)ɥɥ́ɕ́ɽ́)̰ѽ́ՔɑɅɅ)͕́́́ɽɅQɕ͕ѽԁ)Օ́ɕ)́ѽ̰́)ɕɕ)Iɔ͔хՔ͔)ٕɥɅٕѽٕ́ͽ́Ʌٕ)Ʌєѕٕ=́ɕձх)єՑɕȁՔ)х͕ȁ聹ɥ)ɕчɽ͍ձȸ=)ѽɕ́ՑɕɕͥمєՔхѥمєɕȁՕ)ѕ́Aɭͽ()QձȻ ))Aɭͽ)Aɭͽ)ɽمļм԰)1ᕵɝɅє)́ɇՕ͕́)5չq͍Ѽԁȸ))́Aɭͽ)́Ք܁)ɥɄٕ聥ѥԁ)͍ɕٕԁ́ͥѽ́)t((