Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2019 - Page 32

Figura 2 – Algumas recomendações preventivas de lesões de sucção em piscinas 18 recomendações globais relativamente à localização dos sistemas de drena- gem nas piscinas, em relação à sua cobertura, à força de sucção que pode ser criada pelo aparelho de filtragem e à localização do botão de paragem emergente da força aspirativa. 3 A sensibilização da população relativamente a estas lesões, a manutenção adequada das piscinas e a vigilância apertada de crianças na piscina são pilares da prevenção, mas apenas algumas medidas técnicas no sistema de drenagem das piscinas poderão evitar quase por completo estas lesões. 12 Existem atualmente dispositivos anti-sucção que interrompem o processo de aspiração da bomba de forma automática quando este é obstruído, permitindo assim que o indivíduo não fique preso no ralo e que a sucção não provoque lesões graves. Além disso, hoje em dia são reco- mendadas coberturas antivórtex para os orifícios de aspiração, ou seja, tampas que não têm abertura no seu topo, sendo a água aspirada por pequenas aberturas colaterais, o que evita praticamente por com- pleto as lesões por sucção pela diminuição acentuada da pressão de aspiração da água em comparação com as clássicas coberturas com aberturas no topo. Estas tampas antivórtex, tal como o nome indica, evitam a formação de vórtex, isto é, de uma corrente de água que é aspirada verticalmente em espiral com elevada pressão. É a formação deste vórtex nas clássicas cobertu- ras com abertura no topo que é responsável pela elevada pressão de sucção potencialmente causadora de lesões (Figura 3). Estes dois últimos métodos de prevenção destas lesões atuando no orifício aspirativo são os mais eficazes, no entanto não estão presentes em várias piscinas. Também o uso de sistemas de drenagem múltiplos permite reduzir a força de sucção em cada orifício e assim diminuir o risco das lesões por aspiração. Por sua vez, a localização superficial e não no fundo da piscina dos siste- mas de aspiração ajuda a prevenir afogamentos. 3,4,6,8-9,12,13,15-17,19 Mesmo sem os dispositivos refe- ridos previamente, é obrigatório o dreno de aspiração na piscina estar totalmente coberto por uma proteção, cujos espaços devem ser reduzidos de modo a impedirem as crianças de colocarem lá os dedos e ficarem presos pela força de sucção. Estas tampas devem estar obrigato- riamente fixas ao espaço de sucção, não devendo ser possível afastá-las do mesmo sem o recurso a ferra- mentas próprias. A verificação desta proteção estável adequada dos orifí- cios de aspiração deve fazer parte da inspeção e manutenção habitual e regular da piscina. Os utilizadores de piscinas devem evitar nadar perto e contactar com os drenos de aspiração e aqueles com cabelo comprido devem apanhar o cabelo ou usar touca de modo a evitarem ficar presos pelos mesmos pela sucção do sistema de aspiração. 1,3,11,13,15,17,20-22 Sugere-se, ainda, que a adequação destes sistemas de proteção seja confir- mada pelos próprios frequentadores das piscinas, em particular pelos pais ou responsáveis de crianças que vão utilizar as piscinas. Aconselha- -se ainda, perante piscinas públicas ou privadas, um esclarecimento prévio acerca do tipo de sistema de filtragem, tipo de proteções do mesmo e da acessibilidade e locali- zação do botão para o desligar em caso de necessidade. 3,8,15 Nunca é demais reforçar que em particular as crianças devem ser sempre vigiadas e acompanhadas por um adulto em qualquer atividade que estejam a praticar dentro ou perto de uma piscina. Além disso, e apesar de não ser uma medida de preven- ção específica das lesões por sucção, está demonstrado que a existência de uma cerca com uma porta devidamente trancada (quando a piscina não está a ser usada) em volta da piscina contribui para evitar mortes por afogamento na popula- ção pediátrica ao criar uma barreira física entre a criança e a piscina. 23-27 Quando as condições de segurança de uma piscina não estão reunidas, nomeadamente em relação à proteção do sistema de drenagem, deve ser proibido o seu uso até estas condições estarem presentes. 13,20 Um estudo em 4500 adultos com crianças com idade inferior a 14 anos verificou que um terço destes desconhecia por completo os riscos dos sistemas de sucção das piscinas. Por sua vez, apenas 15% dos proprie- tários das piscinas tinham cobertu- ras antivórtex e sistemas de segu- rança de paragem da aspiração. 28 Outro estudo avaliou 24 agências de viagens quanto ao conhecimento acerca deste tipo de lesões, o que apenas se verificou em um terço Figura 3 – Exemplos de coberturas antivórtex de sistemas de aspiração em piscinas. A – Cobertura antivórtex, notar a entrada cola- teral da água, sem formação de vórtex em espiral. B – Cobertura tradicional com abertura e entrada da água no topo formando-se uma corrente tipo vórtex em espiral de maior pressão aspirativa 12,18 30 julho 2019 www.revdesportiva.pt