Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2019 - Page 31

um consequente efeito vácuo gerador de elevadas pressões (pressão negativa de até 56 Kg/cm 2 ) lesivas para os tecidos (Figura 1B). A pressão negativa é de tal ordem que na maioria das vezes até um adulto saudável é incapaz de se libertar ou de libertar, por exemplo, uma criança presa ao dreno aspira- tivo. 3,8-10 Este mecanismo pode resultar em afogamento se o indiví- duo não consegue libertar a parte corporal do sistema de sucção localizado no fundo da piscina. Quando consegue libertar a parte corporal que esteve algum tempo sujeita ao mecanismo de vácuo com pressão elevada, frequentemente parte dos membros superiores ou inferiores, mas também por exemplo o cabelo, são provocadas desde contusões, equimoses, petéquias e edemas até lesões por isquémia desse segmento, dependendo da intensidade da pressão de vácuo e do tempo que a extremidade esteve sujeita a esta pressão. Inicialmente a pressão negativa de vácuo provoca colapso dos capilares, edema e hemorragia muscular. Consequente- mente, há aumento da pressão intracompartimental, seguindo-se colapso das veias e linfáticos quando esta pressão ultrapassa a pressão venosa. A diminuição do retorno venoso leva a aumento da pressão capilar e a aumento do edema do espaço intersticial, aumentando progressivamente a pressão intra- compartimental. Quando esta pressão ultrapassa a pressão arterial diastólica e sistólica, o que apenas se verifica tardiamente (confirmada pela ausência de pulsos arteriais) ocorre isquémia e necrose. Este é o ciclo vicioso de edema e isquémia progressivos da síndrome comparti- mental, uma lesão emergente cujo diagnóstico precoce é fundamental para intervir adequadamente através de fasciotomias e da liberta- ção dos compartimentos musculares sob tensão, procurando evitar a perda do membro. 1,2,10,11 Uma causa fatal, além do afogamento, é o choque hipovolémico provocado pela redistribuição súbita do líquido intersticial e sangue após lesões importantes por sucção de uma área corporal. Estão também descritos raros casos dramáticos e potencial- mente fatais de evisceração transanal intestinal e de outros órgãos abdominais em crianças, frequentemente com avulsões dos seus mesos e respetiva vasculariza- ção, através de lacerações no reto criadas pela pressão negativa de vácuo após contacto da região anal com estes sistemas de aspiração, sobretudo quando as suas cobertu- ras protetoras estão ausen- tes. 1,3-5,8,9,12-16 Em termos de medidas emergen- tes, naturalmente que a parte corporal deve ser o mais rapida- mente possível retirada do sistema de aspiração de modo a eliminar o vácuo e as elevadas pressões negativas lesivas. 3 Se se tratar do cabelo preso é frequentemente necessário cortá-lo, o que é mais eficaz debaixo de água com uma faca do que com uma tesoura. No entanto, na incapacidade de o fazer, o sistema de aspiração deve ser desligado de forma emergente, possibilitando assim eliminar o efeito de sucção. O local do botão de paragem do sistema de aspiração deve ser conhecido e estar rapida- mente acessível. Contudo, quando isto ocorre numa piscina pública ou particular, ou em hotéis ou parques aquáticos, em que se desconhece como desligar o sistema de aspira- ção, em conjunto com o pânico associado à situação, frequente- mente o indivíduo fica submerso vários minutos, o que conduz a situações de afogamento. 3,9,15 Face a uma situação de possível afoga- mento devem ser tidas as medidas de reanimação cardiorrespiratória habituais, seguindo-se o transporte para o hospital. A avaliação de uma porção corporal com uma lesão por sucção deve ser efetuada em contexto hospitalar, tomando particular atenção a avaliação neurovascular e a necessidade urgente de fasciotomias perante um A eventual síndrome compartimental. A mobilização passiva dolorosa dos dedos é o sinal clínico mais fide- digno para diagnóstico precoce de síndrome compartimental, apesar das dificuldades desta manobra em crianças devido à menor colabora- ção em comparação com adultos. 2,17 Por sua vez, perante uma lesão de evisceração transanal é frequente- mente necessária laparotomia emergente para reparação de lacerações intestinais e dos mesos ou resseção da porção intestinal isquémica não viável e realização de derivações intestinais, nomeada- mente colostomias. Frequentemente, há necessidade de uma segunda laparotomia para rever a viabilidade vascular do intestino restante. A resseção intestinal, em particular aquelas de maior extensão, podem conduzir a síndrome do intestino curto. 8,12,16 Proteção dos sistemas de sucção em piscinas Perante a raridade, a potencial gravidade, e mesmo fatalismo das lesões pelos sistemas de sucção das piscinas, é fácil compreender o papel preponderante que a prevenção representa (Figura 2). 12,15 Apesar de todos os métodos preventivos apresentados em seguida, é essen- cial compreender que o mínimo descuido nas medidas de segurança e/ou na vigilância pode ter conse- quências fatais face à potência de sucção frequentemente verificada. Por exemplo, uma lesão de sucção com evisceração intestinal num sistema de drenagem ocorre em poucos segundos, como tal a vigilân- cia pelos pais não é eficaz, devendo- -se reforçar a proteção adequada do sistema de aspiração. 13 Apesar disto, não existem atualmente B Figura 1 – A – Aspiração de cabelo pelo sistema de drenagem da piscina; B – Membro superior aspirado e preso em dreno de sucção de piscina sem cobertura protetora 2 Revista de Medicina Desportiva informa julho 2019 · 29