Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2019 - Page 17

Dr. João Paulo Branco Medicina Física e de Reabilitação. Coimbra Os músculos Palavras-chave: Coluna vertebral, função muscular, anatomia funcio- nal coluna Introdução A musculatura da coluna vertebral tem como principal função o con- trolo e a manutenção postural do indivíduo, sendo na maioria consti- tuída por fibras musculares fibras do tipo tónico (fibras tipo I). Podemos categorizar os músculos envolvidos em três grandes grupos: anterior, látero-vertebral e posterior. O padrão contráctil e lateralidade (contração muscular uni ou bilateral) vão originar os diferentes movimen- tos possíveis da coluna vertebral. Discussão Existem três tipos de músculos no corpo humano: estriado esquelético, liso e estriado cardíaco. Os músculos esqueléticos constituem cerca de 40% da composição corporal 1 e diferen- ciam-se pelo controlo voluntário, contração rápida, fibras filamentares de maior tamanho, multinucleadas e com estrias transversais. Em repouso, recebem cerca de um l/min de sangue, que pode aumentar cerca de 20 vezes em esforço submáximo. 2 As principais funções incluem a produção de movi- mento corporal, estabilidade dinâmica articular, manutenção da postura, conversão de energia química em mecânica e produção de calor. As fibras musculares podem ser divididas em dois grandes tipos, de acordo com a sua capacidade contrác- til e atividade metabólica: fibras tipo I (tónicas, lentas) e fibras tipo II (fásicas, rápidas), que podem ser ainda subdi- vididas em tipo IIa e tipo IIb. 3 Apesar de haver grande heterogeneidade, a distribuição geral em humanos é de 50% tipo I, 35% tipo IIa e 15% tipo IIb. • Fibras tipo I: são do tipo oxidati- vas, com elevado conteúdo mito- condrial e grande quantidade de mioglobina, características que as tornam resistentes à fadiga. 4 Além do seu papel essencial na manu- tenção postural, são também pre- dominantes em atletas maratonis- tas, nadadores ou ciclistas, os quais realizam esforços prolongados. • Fibras tipo II: As tipo IIa usam metabolismo misto (oxidativas-gli- colíticas), têm pouca mioglobina e têm um perfil médio de resistência à fadiga. 4 Já as tipo IIb são exclusi- vamente glicolíticas, com o maior potencial contráctil, mas atingem fadiga mais rapidamente. As fibras tipo II são predominantes em atle- tas velocistas, por exemplo. Os músculos do ráquis são essen- ciais à manutenção da postura e, portanto, são primordialmente cons- tituídos por fibras tipo I. A estabili- dade espinal conta com subsistemas passivos (ligamentos, ossos e discos intervertebrais), subsistemas ativos (músculos) e sistema de controlo neuronal. Os principais movimentos globais incluem flexão, extensão, inclinação lateral e rotação. Pode- mos dividir os músculos em grupos: • Grupo muscular anterior (parede abdominal), que engloba os retos abdominais, oblíquo interno e externo e o transverso abdominal. Estes são predominantemente responsáveis pelos movimentos de flexão, inclinação e rotação da coluna vertebral; • Grupo látero-vertebral, constituído pelos músculos quadrado lombar e pelo psoas, os quais estão relacio- nados com a inclinação e elevação homolateral do tronco, e são inervados pelos ramos posteriores de D12 intercostal e pelos ramos posteriores do plexo lombar; • Grupo muscular posterior, subdivi- dido em três camadas: • a camada superficial, constituída pelos músculos latíssimo do dorso, trapézio, romboides maior e menor, elevador da escápula, esplénio da cabeça e esplénio do pescoço. Estes estão também intimamente ligados aos movi- mentos dos membros superiores; • a camada média, constituída pelo complexo eretor da espinha e músculos serrados posteriores (superior e inferior). Estes estão relacionados com os movimen- tos de extensão do raquis e con- trolo postural, bem como auxílio nos movimentos respiratórios (serrado superior como inspira- dor acessório, serrado inferior como expirador acessório); • a camada profunda, constituida pelos músculos reto posterior maior e menor da cabeça, oblíquo superior e inferior da cabeça, semi-espinhais, multífi- dos, interespinhoso e intertrans- verso. Contemplam músculos que preenchem os espaços entre os processos espinhosos e os processos transversos. De modo a simplificar e facilitar a leitura, foram sistematizados os músculos e respetivas funções na tabela 1. Tabela 1. Principais músculos controladores do ráquis e as suas ações. Músculo Flexão Extensão Inclinação Reto abdominal Oblíquo interno Oblíquo externo Transverso abdominal Quadrado lombar  (B)  (B)  (U-IL)  (B)  (U-IL) (estabilizador da coluna lombar)  (B)  (U-IL) Psoas Trapézio Latíssimo do dorso Romboides maior e menor Elevador da escápula Esplénio da cabeça e pescoço Eretores da espinha Serrados posteriores (superior + inferior) Reto posterior maior e menor cabeça Semi-espinhais (cabeça, pescoço, tórax) Multifidos Interespinhoso Intertransverso  (B)  (B)  (U-IL)  (B)  (U-IL)  (B) (estabilizador da escápula)  (B)  (U-IL)  (B)  (U-IL)  (B)  (U-IL) (auxiliar inspiração-expiração)  (B)  (B)  (U-IL)  (B)  (B)  (B)  (U-IL) Rotação  (U-IL)  (U-CL)  (U-CL)  (U-IL)  (U-IL)  (U-IL)   (U-CL)  (U-CL) Legenda: B: contração bilateral; CL: movimento contralateral; IL: movimento ipsilate- ral; U: contração unilateral. Revista de Medicina Desportiva informa julho 2019 · 15