Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2019 - Page 16

XXIX Curso de Reabilitação e Traumatologia do Desporto Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 10(4):14-20. https://doi.org/10.23911/Res_Coimbra_2019_7 Coimbra, 26 de janeiro de 2019 Organização: Prof. Doutor João Páscoa Pinheiro, Dr. Pedro L. Pereira Mesa 1: Ciência Básica – Estrutura e Função Dr. Pedro Figueiredo Medicina Física e Reabilitação. Braga O disco intervertebral Palavras-chave: Disco interver- tebral, anatomia, traumatologia Introdução O desenvolvimento do disco interver- tebral (DIV) na estrutura da coluna vertebral trouxe vantagem evolutiva na locomoção. Permite funções de movimento individual intervertebral, transmissão de forças entre vértebras e absorção hidrodinâmica de forças. 1 Integra o pilar anterior da coluna vertebral, sendo elemento chave da anfiartrose sínfise intervertebral. O conjunto dos 23 DIV completa 20-33% do comprimento da coluna, sendo a sua espessura crescente caudalmente. As alterações micro e macroestrutu- rais no contexto da atividade des- portiva são muito relevantes, sendo referidas lesões moderadas a severas em 52% dos atletas olímpicos. 1 com aferência autonómica do ramo comunicante cinzento. As foças compressivas alteram o estado de hidratação e vascularização do disco promovendo diminuição da celularidade e alterações da matrix- -extracelular (diminuição agregados e switchde colagenio tipo II/tipo X). 2,3 Conclusão Discussão O DIV é uma estrutura muito susce- tível à microtraumatologia despor- tiva, sendo a relação das alterações estruturais com a clínica pouco precisa. É desejável a sua identifica- ção precoce no âmbito da medicina preventiva e adequação desportiva. Bibliografia 1. Wasserman MS, Guermazi A, Jarraya M, et al. Evaluation of spine MRIs in athletes participating in the Rio de Janeiro 2016 Summer Olympic Games. BMJ Open Sport & Exercise Medicine 2018. 2. Colombier P. Et al. The lumbar interverte- bral disc: from embryonic development to degeneration. Joint Bone Spine. 2014 Mar;81(2):125-9. 3. Belavy DL et al. Can Exercise Positively Influence the Intervertebral Disc? Sports Med, 2015; DOI 10.1007/s40279-015-0444-2. 14 julho 2019 www.revdesportiva.pt Apesar da grande capacidade de adaptação a inúmeros requisitos cinesiológicos, o arco posterior pode ser lesado, sobretudo quando há combinação de cargas simultâneas, quando há aplicação de cargas supra-fisiológicas em posturas raqui- dianas extremas ou quando há apli- cação repetida de cargas (ainda que dentro dos limites fisiológicos). As estruturas mais suscetíveis à lesão são as transições anatómicas ou as regiões fronteira do ambiente de carga e as posturas do ráquis em que mais frequentemente surge lesão do arco posterior são a hiperexten- são e a hiperflexão. A espondilólise é a patologia do arco posterior com maior incidência entre atletas. Conclusão Discussão O DIV é uma estrutura heterogénea multicomponente formada por: um annulus fibroso periférico fibrocar- tilaginoso, com lamelas de colagé- nio (tipo I) dispostas concentrica- mente com orientação alternante e fibroblastos; um núcleo culposo central semifluido/gelatinoso rico em colagénio tipo II desorganizado, agregados, elastina, água e células condrócito-like; placas terminais que participam na ancorarem do DIV ao corpo vertebral. A vascularização é feita por difusão a partir da plata- forma vertebral. A inervação está dependente do nervo sinuvertebral função de suporte (as duas colunas articulares são sustentadas pelo arco posterior), é um elemento parti- cularmente dinâmico que conta com a inserção de vários ligamentos e músculos divididos anatomicamente em planos, proporcionando à coluna vertebral um equilíbrio funcional entre mobilidade e rigidez. Dra. Joana Santos Costa Medicina Física e Reabilitação. Coimbra O arco posterior O arco posterior é uma estrutura fundamental na biomecânica da coluna vertebral. No contexto des- portivo, as lesões surgem particular- mente associadas a gestos técnicos de sobrecarga da coluna vertebral. Bibliografia Palavras-chave: Arco posterior, coluna vertebral, lesão desportiva Introdução O arco posterior é constituído pelos pedículos, processos articulares, processos transversos, lâminas e processo espinhoso. Além de con- tribuir para a proteção de estrutu- ras nervosas e vasculares e para a 1. I. A. Kapandji. Fisiologia Articular. 5ª Edição. Vol. III. Editorial Médica Panamericana; 2000. 2. Steven Garfin, Frank Eismont, Gordon Bell, Christopher Bono, Jeffrey Fischgrund. Rothman-Simeone and Herkowitz’s The Spine. 7ª Edição. Elsevier; 2017. 3. Donatelli R, Dimond D, Holland M. Sport- -Specific Biomechanics of Spinal Injuries in the Athlete (Throwing Athletes, Rotational Sports, and Contact-Collision Sports). Clin Sports Med. 2012; 31:381-396.