Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2019 - Page 15

Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 10(4):13. https://doi.org/10.23911/CQuiz2_2019_7 Prof. Doutor Hélder Dores Cardiologia Desportiva – Hospital das Forças Armadas, Hospital da Luz Lisboa, Sport Lisboa e Benfica, NOVA Medical School • Homem, 21 anos, caucasiano. • Atleta de nível competitivo – Futebol 11, 12h de treino semanal. • Assintomático e sem antecedentes familiares relevantes. • Ecocardiograma com espessura parietal máxima no septo interventricular de 15mm. QUESTÕES: 1. Que diagnóstico diferencial é essencial realizar? 2. Após este resultado contraindicava definitivamente desporto competitivo? 3. Pedia exames complementares de diagnóstico adicionais? Quais? Consulte respostas para estas questões na próxima edição da Revista ECG as 10 Respostas ao masculino; Cardio Negro; Quiz 24 1 anos; Boxe. - Género 1. Como classifica este ECG: patológico, normal ou com alterações fisiológicas? Este ECG apresenta alterações fisio- lógicas. A inversão de ondas T nas derivações anterio- res V1-V4, sobretudo com eleva- ção prévia do ponto J e/ou do segmento ST, são alterações fisiológicas em atletas de raça negra (vidé critérios inter- nacionais para a interpretação do ECG do atleta). Contudo, ressalva-se que em atletas caucasianos este ECG seria patológico pela suspeita de miocardiopatia arritmogénica. 2. Que exames complementares de diagnóstico adicionais solicitava? Este traçado em atletas assintomáti- cos com estas características demo- gráficas (raça negra) não implica nenhuma investigação adicional. 3. Decisão médica: contraindicações ou restrições para a prática desportiva? Sem nenhuma contraindicação ou restrição para a prática de qualquer desporto em nível competitivo. Revista de Medicina Desportiva informa julho 2019 · 13