Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2016 - Page 12

que os estabiliza e permite que se tornem assintomáticos2. Apenas e só se o indivíduo estiver sintomático e se não se verificar consolidação com o tratamento conservador após pelo menos seis meses, está indicado o tratamento cirúrgico de excisão parcial ou completa do ossículo atingido1,2,5,6,13,15. Apesar desta indicação, os resultados funcionais e índices e complicações da sesamoidectomia são contraditórios na literatura. Alguns autores referem que é um procedimento seguro, com bons resultados funcionais, rápidos regressos à prática desportiva e complicações raras5,14-19. Contudo, outros defendem que a sesamoidectomia deve ser parcial e nunca total e que os tendões flexores e inserções ligamentares no sesamoide restante devem ser obrigatoriamente reconstruídos de modo a evitar a frequência elevada de complicações, tais como dor persistente, rigidez, instabilidade, diminuição da força de flexão da primeira articulação metatarso-falângica e desenvolvimento de deformidades do hállux, tais como hállux valgo, varo, ereto e em garra5,8,13,16,20-23. A osteossíntese destes ossículos é controversa e poderá estar indicada em fraturas com diástase acentuada dos fragmentos5,6,14. No entanto, os resultados satisfatórios da excisão cirúrgica faz com que raramente se opte por osteossíntese2. O uso de plasma rico em plaquetas, injeção de aspirado da medula óssea e aplicação de ` j v `j jv `v `jv h autoenxerto ósseo esponjoso têm sido utilizados para aumentar o potencial de regeneração óssea em situações de fraturas dos sesamoides do hállux24,25. Conclusão A anatomia e biomecânica da primeira articulação metatarso-falângica é complexa e os sesamoides do hállux são essenciais para a estabilidade e função desta articulação durante a carga. É importante um elevado nível de suspeita clínica para as fraturas dos sesamoides do hállux, de modo a obter um diagnóstico precoce e tratamento adequado imediato, diminuindo assim o risco de complicações. O atraso e mesmo a não consolidação das fraturas dos sesamoides do hállux são situações frequentes que se podem tornar assintomáticas, não necessitando de tratamento subsequente, ou provocarem dor persistente, estando nestes casos indicado tratamento cirúrgico, nomeadamente a sesamoidectomia parcial ou total. Bibliografia 1. Richardson EG: Infuries to the hallucal sesamoids in the athlete. Foot Ankle 1987;7:229-244. Restante Bibliografia em: www.revdesportiva.pt (A Revista Online) PATROCINADORES APOIOS ORGANIZAÇÃO A B C Figura 3 – 6 meses pós-fratura: A,B – Radiografia do pé direito em incidência ântero-posterior. C – Radiografia do pé direito em incidência de sesamoides. Setas indicam sinais de não consolidação da fratura do sesamoide medial do hállux. 10 Julho 2016 www.revdesportiva.pt