Revista de Medicina Desportiva Informa Julho 2012 - Page 18

Tema 3 Rev. Medicina Desportiva informa, 2012, 3 (4), pp. 16–19 As unhas e o desportista – reconhecer, tratar, prevenir (1/2) Prof. Doutor Osvaldo Correia Dermatologista. Diretor Clínico do Centro de Dermatologia Epidermis. Professor Afiliado da Faculdade de Medicina do Porto RESUMO ABSTRACT A patologia das unhas é frequente e por vezes limitativa da prática desportiva. A expressão clínica é variada e de etiologia multifatorial. Por vezes requer uma abordagem multidisciplinar entre dermatologia, ortopedia e podologia. O conhecimento das patologias das unhas mais frequentes é importante para o médico de medicina desportiva e o médico de medicina geral familiar. A observação médica, frequentemente por dermatologia, é fundamental, pois a unha pode ter patologia com expressão sistémica ou haver doenças sistémicas com expressão na unha. Neste primeiro artigo são abordadas as patologias infeciosas que ocorrem no desportista. Nail disease is common and sometimes sport limiting. The clinical expression is variable and the etiology is multifactorial. It sometimes requires a multidisciplinary approach between dermatology, orthopedics and podiatry. The knowledge of the most common diseases of the nails is important for the doctor of sports medicine and for the general family medicine doctor. The medical observation, often in dermatology, is essential because the nail might have pathology with systemic compromise or the systemic diseases can have expression on the nail. This first paper covers the most frequent infectious pathologies that occur in the athlete. enquanto nos pés pode estender-se de 8 a 12 meses. Na história clínica deve-se ter em atenção os antecedentes pessoais e familiares de patologias similares ou predisponentes a onicopatias, bem como ter em atenção o tipo de modalidade e a frequência dos treinos. A observação clínica deve ser feita em todas as unhas. A avaliação de patologia recorrente das unhas justifica estudos complementares como de bacteriologia, micologia e imagiologia, bem como, por vezes o estudo biomecânico do pé, em estática e em dinâmica, com a colaboração de podologia para a eventual execução de suportes plantares ou interdigitais personalizados. Por vezes a onicopatia provem de desalinhamento postural, com sobrecarga podal e alteração da pressão plantar. As patologias das unhas a que os atletas ou seus médicos devem estar mais atentos, pela sua frequência, são infeciosas, traumáticas, inflamatórias, consequentes a malformação e as neoplásicas. PALAVRAS-CHAVE KEYWORDS Infeções das unhas, desporto Nails infections, sport Introdução O conhecimento da anatomia e função do aparelho ungueal é essencial quando efetuamos um exame físico a um paciente ou na avaliação de um desportista. A existência de patologia, por vezes pouco sintomática, nas unhas de um desportista poderá, pela prática de exercício, condicionar limitação ou impedimento da prática de desporto pelo agravamento da patologia ungueal ou pela sua complicação. A observação clínica e dermatoscópica poderão fazer suspeitar de doenças Fig. 1 – Estrutura anatómica da unha e tecidos circundantes 16 · Julho 2012 www.revdesportiva.pt Patologias Infecciosas sistémicas (colagenoses, doenças hematológicas, cardiorrespiratórias, hepáticas ou renais, intolerâncias medicamentosas, etc.) ou neoplasias subungueais. A unha poderá ainda servir para a pesquisa de substâncias dopantes. As patologias poderão estar relacionadas com a matriz, cutícula, prega lateral, lúnula, leito ou prato ungueal, hiponíquio ou no bordo livre. A abordagem terapêutica depende necessariamente da patologia em causa, mas também da localização da mesma, pelo que para tal é importante ter presente a estrutura anatómica da unha e dos tecidos circundantes (Fig. 1). É importante lembrar que as unhas das mãos têm um ritmo de crescimento mais lento (entre 1 a 3 mm por mês) e nas dos pés este ritmo diminui para metade a um terço. Isto tem implicações na duração do tratamento e no tempo de reavaliação da eficácia terapêutica. Nas unhas das mãos o seu crescimento completo pode demorar 4 a 6 meses, Das patologias infeciosas destaque para as fúngicas, bacterianas e víricas. A patologia fúngica mais frequente das unhas (onicomicose) é provocada por dermatófitos (fig. 2, 3), estando associada muitas vezes a dermatofitia plantar ou interdigital (pé de atleta) (fig. 3). Podem ocorrer onicomicoses por Cândida (fig. 4) ou bacterianas, como por exemplo por Pseudomona (fig. 5). Quando existe infeção dos tecidos periungueais estamos perante a existência da perioníquia (panarício) (fig. 4) que pode ser bacteriano (frequentemente por estafilococo), fúngico ou misto. As verrugas peri ou subungueias (fig. 6), são infeções víricas provocadas pelos vírus HPV, mais frequentes nos atópicos e que podem se estender pelas áreas adjacentes ou à distância. Onicomicose As patologias mais frequentes das unhas são as onicomicoses e a elas será dedicada mais atenção. As onicomicoses são infeções causadas por fungos que podem envolver as unhas das mãos e dos pés. Apesar de