Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2020 - Page 30

Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 10(5):27-31. https://doi.org/10.23911/SPMD_2020_1 SPMD Efeito da Exposição Aguda à Hipoxia Normobárica no Desempenho até à Exaustão a uma Intensidade Severa e na Relação Potência – Duração Prof. Doutora Ana Sousa, Professora Assistente 1,2,3 ; Prof. Doutor Grégoire Millet, Professor Associado 4 ; Prof. Doutor João Viana, Professor Assistente 1,3 ; Dr. Jaime Milheiro, Médico 5,6 ; Prof. Doutor Vítor Reis, Professor Associado 1,2 1 Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano, CIDESD; 2 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real; 3 Instituto Universitário da Maia, ISMAI, Maia; 4 ISSUL, Institute of Sport Sciences, Faculty of Biology and Medicine, University of Lausanne, Lausanne; 5 Clínica Médica Exercício do Porto, CMEP; 6 Comité Olímpico de Portugal. RESUMO / ABSTRACT A exposição aguda à hipoxia pode ter um impacto significativo no desempenho desportivo. Dez indivíduos treinados realizaram um teste all-out de três minutos e um exercício a uma intensi- dade severa, até à exaustão, em normoxia e em hipoxia (3000m). As variáveis ​​respiratórias foram medidas continuamente (K5, Cosmed, Itália) e os dados de VO 2 modelados usando uma aborda- gem exponencial dupla. A menor disponibilidade de oxigénio teve um impacto nos parâmetros fisiológicos aeróbios (potência crítica), mas não nos anaeróbios (constante de curvatura). A hipoxia implicou ainda uma cinética do VO 2 mais lenta e uma componente lenta mais reduzida, sem, no entanto, prejudicar a tolerância ao exercício. Acute exposure to hypoxia can have a significant impact on sports performance. Ten trained individuals per- form a 3-minute all-out testand an exercise at severe intensity until exhaustion, in normoxia and hypoxia (3000m). Respiratory variables were continuously measured (K5, Cosmed, Italy) and VO 2 data modeled using a double exponential approach. The lower oxygen availability had an impact on physiological aerobic param- eters (critical power), but not on anaerobic ones (asymptote of the curve). Hypoxia also implied a slower VO 2 kinetics and a smaller slow component, without, however, impairing exercise tolerance. PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS Hipoxia, potência crítica, tempo limite, cinética do VO 2 Hypoxia, critical power, time limit, VO 2 kinetics Introdução Está bem estabelecido que a expo- sição à hipoxia normobárica pode ter um impacto significativo no desempenho do exercício e nas variáveis ​​fisiológicas relacionadas. 1,2 Esta última é desencadeada pela diminuição na disponibilidade de oxigénio, que reduz a capacidade de transportar o mesmo, levando à redução significativa do VO 2 max 3,4 28 janeiro 2020 www.revdesportiva.pt à medida que a fração do oxigénio inspirado (FiO 2 ) diminui. 5 Está repor- tado que essa redução no VO 2 max é de ~7.7% a cada 1000m de aumento em altitude (-4% a 1000m 6-8 ; – 7.2% a cada 1000m de 200 a 3200m 9 ; – 10% 7 a – 15% 8,10 a 2500m; ou a – 30% 7 a 4500m, todos em hipoxia normobárica). Portanto, elevações na altitude diminuem a disponibili- dade de oxigénio para os músculos em exercício, limitando a eficiência mitocondrial e, por sua vez, redu- zem a capacidade aeróbia. 11 Estes decréscimos na capacidade aeróbia provavelmente têm um impacto durante o exercício de alta intensidade. Embora o VO 2 durante o esforço submáximo permaneça invariável, com o aumento da alti- tude 12 ele representa uma fração maior do VO 2 max, agora reduzido. Tal poderá influenciar negativa- mente a tolerância ao exercício, como demonstrado pela primeira vez há mais de 20 anos. 13 Toda- via, quando a mesma intensidade relativa de exercício é realizada sob condições de hipoxia e normoxia (com as mesmas perturbações fisio- lógicas e metabólicas), os resultados da literatura são controversos: maior tempo no ciclismo em hipoxia (exer- cício retangular realizado a 90% dos VO 2 max específico) e menor tempo em corrida em hipoxia (exercício all-out a 100% do VO 2 max especí- fico). 14,15 Considerando o exposto, é ainda pouco estudado o impacto que uma FiO 2 mais reduzida terá na duração exaustiva de um exercício, ainda que realizado à mesma inten- sidade relativa, comparativamente a uma situação normóxica. Em condições de hipoxia esta duração de exercício poderá também ser mediada por uma cinética do VO 2 mais lenta (constante temporal maior), sugerindo um maior défice de oxigénio e, finalmente, uma maior perturbação da homeostasia. 16 Todavia, tal como anteriormente reportado para a tolerância ao exer- cício, os resultados da literatura são também aqui controversos, já que a constante temporal foi reportada como sendo menor (exercício retan- gular realizado a 90% dos VO 2 max específico) ou maior (80% do limiar