Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2020 - Page 15

Uma atleta depois de operada referiu que inicialmente parecia ter “uma corrente de ar” no nariz? O que significa isto? Significa que está a ter respiração nasal, que é a respiração fisiológica. O nariz filtra, humidifica e aquece cerca de 20 mil litros de ar por dia. Depois de operado, o atleta melhora o seu rendimento físico? Sim. A respiração nasal prepara o ar para as trocas pulmonares muito mais eficazmente que a respiração bucal e o cansaço físico é mais tar- dio. A qualidade de sono também é melhor e a consequente recuperação física mais rápida. E o pós-operatório? Quanto tempo de paragem, quando pode começar a treinar e a competir? O exercício físico, sobretudo o iso- métrico, leva a alterações da pressão intranasal e pode comprometer a recuperação nasal, pelo que não é aconselhável a prática de exercício físico antes das três a quatro sema- nas para o atleta federado após a cirurgia. Epistaxes Sangrar pelo nariz é um sinal frequente e que poderá ter várias causas. O revestimento interior do nariz contém muitos vasos san- guíneos que poderão com alguma facilidade sangrar. São muitas as causas de sangramento pelo nariz: respirar ar seco, meter o dedo no nariz, sinusite aguda, uso de medicação anticoagulante, con- sumo de drogas, corpos estranhos, alterações da coagulação e trauma nasal, entre outras. Há situações que requerem cuidados médicos urgentes, nomeadamente quando existe trauma, quando a hemor- ragia é muito abundante, interfere Return to play Na face o nariz é o local onde ocorre com mais frequência fra- tura, da parte óssea ou da cartila- gem, a necessitar de tratamento cirúrgico. A dor e a hemorragia (epistáxis) são os aspetos clínicos imediatos, enquanto a deforma- ção poderá ser novo ou ser pré- -existente. O regresso à competição é um dos aspetos que deve ser considerado após a cirurgia do septo nasal e, naturalmente, o tipo de cirurgia deve ser considerado. Também o tipo de desporto deve ser considerado, sendo que naque- les com contacto a preocupação deverá ser maior. Contudo, nem sempre há necessidade de cirurgia imediata, a qual poderá ser adiada para momento (desportivo) mais adequado para correção estética e/ ou funcional. Inicialmente, após a cirurgia existe o risco de hemorragia, pelo que os cuidados devem ser redo- brados. Na literatura lê-se que o atleta com tamponamento ou com tala não deve voltar até que tenham sido removidos, geral- mente 3 a 7 dias em relação ao tamponamento e 7 a 10 dias para a tala. Já a utilização de maior pro- teção, uma máscara feita à medida com a respiração, é de longa duração mesmo com a compressão (refere-se os 30 minutos) ou ocorre em crianças pequenas. Os cuidados imediatos são simples: em pé (ou sentado), inclinar-se para a frente, não só para diminuir a pressão arterial nasal como evitar a aspi- ração do sangue para a via aérea; assoar suavemente o nariz, insu- flar um descongestionante nasal e depois fazer compressão lateral com polegar e dedo indicador e res- pirar pela boca. Nos casos em que a hemorragia é mais superior, o tam- ponamento anterior no local poderá ser necessário. No contexto des- portivo, evitar que o equipamento seja contaminado com sangue, pois após a realização de um molde facial, poderá permitir o regresso em 1-2 semanas e mantê-la por algumas semanas, por vezes até oito. Outros autores referem que no desporto sem contacto o atleta não poderá ser impedido de voltar após as duas semanas. Contudo, recorde-se que no adulto saudá- vel a fratura demora cerca de três semanas a consolidar, pelo que o atleta deveria evitar os desportos de contacto durante este período, refere o Dr. Mark Fulcher (foto), um distinto médico neozelandês da FIFA. E refere mais: “o jogador que apresenta uma lesão nasal teve um traumatismo na face. É importante considerar se existe lesão asso- ciada, como concussão cerebral, traumatismo cervical ou outra fratura facial”. BR Bibliografia 1. Allyson S Howe. Craniomaxillofacial Injuries. The Sports Medicine Resource Manual, 2008. 2. Samuel J Haraldson et al. Nasal Frac- ture Follow-up. Medscape. Updated: Dec 06, 2018.  3. Mark Fulcher. FIFA Medical network. FIFA medical Course. obriga à sua substituição e nem sempre poderá haver. Entretanto, não esquecer de usar luvas para os procedimentos. BR Ref. https://www.mayoclinic.org/symp- toms/nosebleeds/basics/when-to-see- -doctor/sym-20050914 Revista de Medicina Desportiva informa janeiro 2020· 13