Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2019 - Page 32

também aos repetidos movimentos muitas vezes intensos, com carga e com amplitudes importantes de flexão dos joelhos. 26 A lombalgia ocorre mais frequen- temente nos praticantes da moda- lidade de ballet contemporâneo. Uma possível justificação para tal é a maior frequência e amplitude nos movimentos do tronco nesta modalidade, incluindo hiperflexões, extensões e lateralizações da coluna lombar. Por sua vez, no ballet clás- sico, devido à adoção frequente da postura chamada cambreé (Figura 1), em hiperextensão lombar, há aumento da lordose lombar e predis- posição para lesões em hiperexten- são, nomeadamente das articulações inter-apofisárias ou facetárias. 26 Nos membros superiores, as lesões musculoesqueléticas mais frequentes são contraturas e roturas musculares. A tendinopatia da coifa dos rotadores, que inclui desde tendinites agudas a tendinoses e e roturas crónicas estão também relatadas na prática do ballet e são mais frequentes nos praticantes do sexo masculino devido ao frequente suporte das bailarinas nos seus bra- ços durante a prática de movimen- tos complexos. 14 Em relação aos mecanismos das lesões traumáticas, a grande maio- ria ocorre durante saltos (no início do movimento, durante a suspensão no ar ou no regresso ao apoio no solo) e a sua incidência depende, da amplitude do movimento: 9.9% das lesões ocorrem em saltos pequenos; 5.9% em médios e 9.0% em altos. Alguns movimentos típicos mais exigentes do ballet estão associados a maior prevalência de lesões. Os arabesques, posição em que o bai- larino repousa o peso do seu corpo sobre um membro inferior de base e realiza hiperextensão e elevação da Figura 3 – Movimentos típicos do ballet: A – Arabesque na imagem da esquerda; B – Portée na imagem da direita. 30 janeiro 2019 www.revdesportiva.pt perna suspensa, estão associados a 7.1% das lesões ocorridas, enquanto os portées, ato de segurar uma colega bailarina em seus braços para que ela realize algum movimento sus- pensa no ar, estão associados a 5.2% (Figura 3). 17 As atletas do sexo feminino apre- sentam, em comparação com o sexo masculino, uma maior incidência de lesões isoladas sem recidiva e têm menor taxa de complicações ou sequelas. 27 Quanto à temporalidade, é mais frequente uma janela média de cerca de 24 horas entre o evento do traumatismo e o relato da lesão pelo atleta. 28 Já para o regresso à prá- tica desportiva, as lesões mais gra- ves que requerem maiores períodos de repouso ou de reabilitação são as fraturas da tíbia ou dos metatársi- cos (35%), instabilidade crónica do tornozelo (10%); síndrome facetário da coluna lombar (9%) e radiculalgia lombar (9%). 28,29 Bibliografia prospective cohort study of 15 years. Journal of Sports Sciences. 2018 Aug; 36(16):1880-1888. 2. Sobrino FJ, de la Cuadra C, Guillén P. Overuse Injuries in Professional Ballet: Injury- -Based Differences Among Ballet Discipli- nes. Orthop J Sports Med. 2015 Jun 26; 3(6):2325967115590114. 3. Leanderson C, Leanderson J, Wykman A et al. Musculoskeletal injuries in young ballet dancers. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc. 2011; 19:1531-1535. 4. Bronner S, Ojofeitimi S & Rose D. Injuries in a modern dance company: effect of comprehen- sive management of injury incidence and time loss. Am J Sports Med. 2003; 31:365-373. 5. Kadel N. Foot and ankle injuries in dance. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2006; 17:813-826. 6. Sobrino F & Guillén P. Lesiones en el ballet. Estudio epidemiológico. In: Lesiones Deportivas. Libro del XXII Simposium Internacional de Traumatología Ortopedia Fremap. Madrid, Spain: Fundación Mapfre Medicina. 1996; 73-120. 7. Allen N, Nevill A, Brooks J, et al. Ballet Injuries: Injury Incidence and Severity Over 1 Year. J Orthop Sports Phys Ther. 2012 Sep; 42(9):781-90. 8. Sobrino F. Patología cronica acumulativa por microtraumatismos de repeteición: nueva definición, patogenia, clínica general, factores de riesgo, controversias. Mapfre Med. 2003; 14:125-133. 9. Sobrino FJ, Guillén P. Overuse Injuries in Professional Ballet: Influence of Age and Years of Professional Practice. Orthop J Sports Med. 2017 Jun 28; 5(6):2325967117712704. 10. S. Byhring. Musculoskeletal injuries in the Norwegian National Ballet: a prospective cohort study. Scand J Medsci Sports. 2002; 12:365-370. 11. Arendt Y & Kerschbaumer F. Injury and overuse pattern in professional ballet dancers. Z Orthop Ihre Grenzgeb. 2003; 141:349-356. 12. Luke A, Kinney S, D’Hemecourt P et al. Determinants of injuries in young dancers. Med Probl Perform Art. 2002; 17:105-112. 13. Sobrino F. Lesiones Acumulativas por Micro- traumatismos de Repetición en el Ballet. Tesis inédita de la Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Medicina, Departa- mento de Anatomía y Embriología Humana II, 2013.. 14. Cichanowski HR, Schmitt JS, Johnson RJ et al. Hip strength in collegiate female athletes with patellofemoral pain. Med Sci Sports Exerc. 2007; 39:1227-1232. 15. Brodsky A & Khalil M. Talar compression syndrome. Foot Ankle. 1987; 7:338-344. 16. Hooper M & Robinson P. Ankle impingement syndromes. Radiol Clin N Am. 2008; 46:957-971. 17. Norcross MF, Blackburn JT, Goerger BM, et al. The association between lower extremity energy absorption and biomechanical factors related to anterior cruciate ligament injury. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2010; 25:1031-1036. 18. Hillier J, Peace K & Hulme A. MRI features of foot and ankle injuries in ballet dancers. Br J Radiol. 2004; 77:532-537. 19. Haddad S. The use of osteotomies in the treat- ment of hallus limitus and hallus rigidus. Foot Ankle Clin. 2000; 5:629-661. 1. Bronner S, McBride C, Gill A. Musculoskele- tal injuries in professional modern dancers: a Restante Bibliografia em: www.revdesportiva.pt (A Revista Online) Conclusão Quanto maior o tempo de exposição aos treinos, maior a frequência de bailarinos e maior a sua gravidade , correspondendo, portanto, os atletas profissionais aos maiores alvos de lesões traumáticas neste desporto. 1,2 Essas lesões atingem múltiplos e dife- rentes segmentos corporais do atleta e estão intimamente associadas aos movimentos típicos realizados repetidamente neste desporto. 2,14-23 A elevada incidência de lesões em bailarinos profissionais demonstra a necessidade de implementação e desenvolvimento de medidas pre- ventivas, diagnóstico precoce e de aplicação de um esquema terapêutico precoce adequado para que os atletas possam regressar brevemente e em segurança à prática desportiva o mais cedo possível. 1 Devem ser assim incentivados estudos epidemiológicos acerca de lesões traumáticas neste desporto devido ao provável impacto positivo que estes podem representar na prevenção, no diagnóstico e no tratamento precoce das lesões.