Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2019 - Page 30

Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 10(1):28-30. https://doi.org/10.23911/Trauma_ Biomecânica e Traumatologia do Ballet Flávia De Marco Sandrin 1 , Dr. Diogo Lino Moura 2 , Prof. Doutor Fernando Fonseca 3 1 Aluna da Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil; Estagiária no Serviço de Ortopedia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC); 2 Médico interno de Ortopedia do CHUC, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC); 3 Diretor do Serviço de Ortopedia do CHUC, FMUC. Coimbra RESUMO / ABSTRACT A prática de ballet é caracterizada pela realização repetida de complexos e coordenados movimentos rápidos e delicados, principalmente envolvendo os pés e os membros supe- riores. Face a isto, entende-se que as lesões de sobreuso por stress repetitivo nestes seg- mentos anatómicos sejam aquelas com maior incidência. Neste artigo será abordada a bio- mecânica deste desporto e as características das suas lesões traumáticas mais frequentes. Apesar de limitados, os dados epidemiológicos atuais acerca da traumatologia do ballet são de extrema importância, uma vez que propiciam o desenvolvimento de esquemas de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado das lesões mais prevalentes. Ballet practice involves the repeated execution of complex and coordinated fast and delicate move- ments, mostly involving the feet and upper limbs. Therefore, it makes sense that overuse injuries by repeated stress affecting these anatomic segments are the most common ones. In this paper we discussed the sport biomechanics and the characteristics of its most common traumatic injuries. Even though limited, current epidemiological data on ballet traumatology are extremely important in order to develop strategies of injury prevention, early diagnosis and optimized treatment of the most prevalent injuries. PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS Ballet, desporto, dança, lesão, sobreuso, movimentos repetidos Ballet, sport, dance, injury, overuse, repeated movements Introdução O Ballet é um estilo de dança que sur- giu no século XV, tendo a sua evolução levado ao aparecimento de diferentes modalidades e especificidades. 1 A sua origem está no teatro gestual conhe- cido como Pantomima, a arte de narrar com o corpo. Desta maneira, exige dos seus praticantes complexos e coorde- nados movimentos. Ganhou populari- dade mundial com o aparecimento do Ballet De Repertório, isto é, um tipo de ballet que conta uma história, nomea- damente com os seguintes: O Lago dos Cisne, O Quebra Nozes, Coppélia, Giselle, Romeu e Julieta e Paquita. Apesar de se tratar de um desporto muito prati- cado, os estudos científicos acerca das lesões traumáticas associadas à prá- tica de ballet é ainda muito limitado quando comparado a outras modali- dades desportivas. 1 baseado em muitos movimentos rápidos e delicados, principalmente envolvendo os pés e os membros superiores. Tem como postura cor- reta o ortostatismo com as escápu- las retraídas, a coluna cervical em hiperextensão e o abdómen contraído. Exige, maioritariamente, movimentos de hiperflexão plantar, de rotação lateral da anca (cha- mado en dehors – Figura 1) e amplos movimentos de rotação medial e lateral dos ombros. Inclui também saltos e movimentos de alto impacto com carga, que pode ser o peso do Biomecânica do Ballet Independentemente da modalidade praticada, o ballet é um desporto 28 janeiro 2019 www.revdesportiva.pt Figura 1 – Movimentos típicos do ballet – cambreé realizado pela bailarina e en dehors pelo casal. próprio corpo ou até saltos reali- zados por um bailarino com uma bailarina em seus braços. É um des- porto dotado de vocabulário próprio e de técnicas difíceis de dominar. Requer muita prática, disciplina e treino repetido intenso de movimen- tos, de modo a os aperfeiçoar. 2-6 Os praticantes profissionais de ballet têm, em média, 34 horas semanais de treinos, períodos que se tornam ainda mais intensos na preparação das provas. 7 O período de ensaios para cada apresentação mais ela- borada varia, anualmente, de 10 a 16 semanas e o número total de performances anuais varia entre 122 e 195 para bailarinos profissionais. 7 As atuais modalidades profissionais de ballet são variações da técnica base, o ballet clássico. As mais difun- didas são: ballet clássico, neoclássico, contemporâneo e dança hispânica. A maior parte dos estudos efetua- dos dizem respeito ao ballet clássico, sendo esse, portanto, o alvo deste artigo. O ballet clássico é a modali- dade de ballet mais rica em técnicas complexas e minuciosas. Durante as performances, inde- pendentemente da sapatilha utilizada (sapatilhas de ponta para as bailarinas e de meia-ponta para ambos os sexos), os bailarinos reali- zam exaustivamente um movimento chamado relevé, uma técnica-chave em que os dançarinos mudam a posição dos seus pés, passando a face plantar que estava completa- mente apoiada no chão a ficar agora Figura 2 – Relevé ou erguer-se em pontas, a primeira com carga transferida pelas metatarsicofalângicas ainda com apoio plantar e a segunda com apoio maioritá- rio na extremidade da falange distal do hállux e com pequena contribuição dos restantes dedos.