Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2019 - Page 26

reações alérgicas a medicamen- tos, exposição ambiental a tóxicos, radiculopatia de C7 e coartação da aorta. 7,13 A lesão iatrogénica do nervo torácico longo também está descrita como consequência de manipulações quiropráticas, uso de canadianas axilares, intervenções cirúrgicas e após anestesia geral. 7 A apresentação clínica da parali- sia do serrátil anterior caracteriza- -se tipicamente por dor no ombro, descrita como um queimor, com possível irradiação para o membro superior e para a escápula, com resolução espontânea, associada a sensação de fraqueza/fadiga do ombro e EA 4,7,9,13,24 , tendo sido esta a forma de apresentação no caso des- crito. No exame físico, a EA medial é geralmente evidente em repouso, com as margens medial e inferior próximas da coluna vertebral e deslocadas superiormente quando comparado com o lado oposto, com agravamento nos movimentos de elevação anterior e protração resistida da escápula. 4,7,9,24 O ritmo escapuloumeral está frequente- mente comprometido 25 , com rotação precoce da escápula, pelo que a elevação anterior e lateral do ombro acima dos 90° pode encontrar-se limitada. 7,24 Pode coexistir diminui- ção do trofismo muscular do serrátil anterior. 24 O diagnóstico diferencial de lesão do nervo torácico longo inclui discopatia cervical, plexite braquial (síndrome de Parsonage-Turner), para- lisia do trapézio, tendinopatia/rotura da coifa dos rotadores, capsulite adesiva, patologia degenerativa da articulação glenoumeral e acromio- clavicular, instabilidade glenoume- ral, entrapment do nervo supraes- capular, escoliose, osteocondroma escapular e patologia neurológica, como a distrofia fascioescapuloume- ral e síndrome de Guillain-Barré. 7,24 A paralisia do serrátil anterior é um diagnóstico essencialmente clínico e a ENMG representa o único exame complementar de diagnóstico definitivo, com capacidade de deter- minar o grau de desnervação. 7,24 Apesar da sua capacidade em deter- minar quais as estruturas atingidas, a extensão da lesão identificada inicialmente na EMG pode não ter valor preditivo relativamente à sua recuperação. 14 A RM neurográfica 24 janeiro 2019 www.revdesportiva.pt tem suscitado um maior interesse pela capacidade em identificar alterações anormais na morfologia e intensidade de sinal de nervos peri- féricos, bem como alterações secun- dárias compatíveis com desnervação do tecido muscular esquelético, tais como edema, atrofia muscular e infiltração gorda. 15 A radiografia simples cervical, torácica e ombro, apesar de raramente diagnósticas, devem ser realizadas para excluir outras hipóteses de diagnóstico. A tomografia computadorizada e a RM podem ter interesse para exclusão de patologia discal e radiculopatia, lesões relacionadas com neurofibro- matose e lesões tumorais. 7,24 A paralisia isolada do serrátil anterior apresenta uma resposta favorável ao tratamento conser- vador, com resolução funcional entre 1-24 meses, embora os casos traumáticos estejam associados a um pior prognóstico. 4,7,10,24 Como tal, é consenso geral a instituição de tratamento conservador durante 6-24 meses, atendendo à resolução espontânea da maior parte dos casos descritos durante este período. 4,7,13,24 Em caso de insucesso após 12-24 meses de tratamento conservador, e ausência de melhoria substancial demonstrada na ENMG, deve ser considerada a cirurgia de trans- posição dinâmica de músculos, nomeadamente a cabeça esternal do peitoral maior para o ângulo inferior da escápula 7,9,24 Em resumo, a EA é um distúrbio raro que condiciona limitação fun- cional significativa do membro supe- rior e pode resultar do traumatismo direto em contexto de atividade desportiva, como é exemplo o futsal. O tratamento fisiátrico é conside- rado de 1ª linha, habitualmente com recuperação clínica e funcional num período previsto de 6-24 meses. O caso descrito pretende mostrar que uma lesão do nervo torácico longo deve ser incluída no diagnóstico diferencial de EA, uma vez que o reconhecimento e intervenção tera- pêutica precoces têm implicações positivas no prognóstico e recupera- ção funcional. Os autores declaram a inexistência de conflitos de interesse Endereço para correspondência: Tiago Rodrigues Lopes Serviço de Medicina Física e de Reabilita- ção – Centro Hospitalar Trás-os-Montes e Alto Douro; 5000-508 Vila Real, Portugal. tlopes@chtmad.min-saude.pt Bibliografia 1. Meininger AK, Figuerres BF, Goldberg BA. Scapular winging: an update. J Am Acad Orthop Surg. 2011; 19(8):453-62. 2. Nawa S. Scapular Winging Secondary to Apparent Long Thoracic Nerve Palsy in a Young Female Swimmer. J Brachial Plex Peripher Nerv Inj. 2015; 10(1):e57-e61. 3. Winslow J. Observations anatomiques sur, quelques mouvements extraordinaires des omo- plates et des bras, et sur une nouveau espece de muscles. Mem Acad Royale Sci. 1719; IV486:98-112. 4. Gregg JR, Labosky D, Harty M, et al. Serratus anterior paralysis in the young athlete. J Bone Joint Surg Am. 1979; 61(6A):825-32. 5. Fiddian NJ, King RJ. The winged scapula. Clin Orthop Relat Res. 1984; (185):228-36. 6. Johnson JT, Kendall HO. Isolated paralysis of the serratus anterior muscle. J Bone Joint Surg Am. 1955; 37(3):567-74. 7. Martin RM, Fish DE. Scapular winging: anato- mical review, diagnosis, and treatments. Curr Rev Musculoskelet Med. 2008; 1(1):1-11. 8. Overpeck D, Ghormley R. Paralysis of the serratus magnus muscle caused by lesion of the long thoracic nerve. JAMA. 1940; 114:1994-6. 9. Wiater JM, Flatow EL. Long thoracic nerve injury. Clin Orthop Relat Res. 1999; 368:17-27. 10. Gozna ER, Harris WR. Traumatic winging of the scapula. J Bone Joint Surg. 1979; 61:1230-3. 11. White SM, Witten CM. Long thoracic nerve palsy in a professional ballet dancer. Am J Sports Med. 1993; 21:6326-628. 12. Schultz JS, Leonard JA. Long thoracic neuro- pathy from athletic activity. Arch Phys Med Rehabil. 1992; 73:87-90. 13. Foo CL, Swann M. Isolated paralysis of the serratus anterior: a report of 20 cases. J Bone Joint Surg. 1983; 65:552-6. 14. Friedenberg SM, Zimprich T, Harper CM. The natural history of the long thoracic and spinal accessory neuropathies. Muscle Nerve. 2002; 25:535-9. 15. Deshmukh S, Fayad LM, Ahlawat S. MR neurography (MRN) of the long thoracic nerve: retrospective review of clinical findings and imaging results at our institution over 4 years. Skeletal Radiol. 2017; 46(11):1531-40. 16. Bertelli JA, Ghizoni MF. Long thoracic nerve: anatomy and functional assessment. J Bone Joint Surg Am. 2005; 87(5):993-8. 17. Hamada J, Igarashi E, Akita K, Mochizuki T. A cadaveric study of the serratus anterior muscle and the long thoracic nerve. J Shoulder Elbow Surg. 2008; 17(5):790-94. 18. Yazar F, Kilic C, Acar HI, Candir N, Comert A. The long thoracic nerve: its origin, branches, and relationship to the middle scalene muscle. Clin Anat. 2009; 22(4):476-80. 19. Inman VT, Saunders JB, Abbott LC. Observa- tions of the function of the shoulder joint. 1944. Clin Orthop Relat Res. 1996; 330:3-12. Restante Bibliografia em: www.revdesportiva.pt (A Revista Online)