Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2019 - Page 23

Rev. Medicina Desportiva informa, 2019; 21-24. https://doi.org/10.23911/CC_escapula_alada Escápula Alada Medial Traumática em Atleta de Futsal: Caso Clínico Dr. Tiago Rodrigues Lopes 1,3 , Dra. Inês Machado Vaz 2,4 , Dra. Elza Pires 2,3 1 Médico Interno de Medicina Física e Reabilitação 2 Médica Especialista de Medicina Física e de Reabilitação; 3 Centro Hospitalar Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real; 4 Centro de Reabilitação do Norte, V.N. Gaia. RESUMO / ABSTRACT A escápula alada medial é uma condição patológica rara associada à disfunção do músculo serrátil anterior por lesão do nervo torácico longo, na sua maioria relacionada com trauma ou iatrogenia. Esta lesão resulta na alteração do ritmo escapulotorácico, conhecida por dis- cinésia escapuloumeral, a qual condiciona limitações funcionais significativas. Os autores descrevem um caso raro de escápula alada medial por lesão traumática do nervo torácico longo durante a prática de futsal e destacam a importância do diagnóstico precoce e do papel da reabilitação na recuperação clínica e funcional do atleta. Medial scapular winging is a rare pathological condition associated with dysfunction of serratus anterior muscle due to injury of the long thoracic nerve, mostly related to trauma or iatrogeny. This lesion results in a change in the scapulo-thoracic rhythm, known as scapular dyskinesis, which causes significant functional limitations. The authors describe a rare case of medial scapular winging due to traumatic injury of the long thoracic nerve during futsal practice and emphasize the importance of early diagnosis and the role of rehabilitation in the clinical and functional recovery of the athlete. PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS Neuropatias do plexo braquial, nervo torácico longo, escápula alada, futsal, reabilitação Brachial plexus neuropathies, long thoracic nerve, futsal, rehabilitation Introdução A escápula alada (EA) define-se como uma alteração na postura e no ritmo escapuloumeral, em que o bordo medial ou o ângulo inferior da escápula se encontram afastados da parede torácica, resultando em uma protrusão em forma de asa da escápula. 1,2 Foi reportada pela primeira vez na literatura médica em 1723, por Winslow 3 , resulta na maior parte dos casos da paralisia do músculo serrátil anterior por lesão do nervo torácico longo ou, menos frequente, por paralisia do músculo trapézio devido a lesão do nervo acessório. 4-6 Raramente, pode estar associada a paralisia dos mús- culos romboides por lesão do nervo escapular dorsal. 7 Os músculos serrátil anterior e trapézio inferior são considerados os principais estabilizadores da escápula, pelo que a alteração da sua função resulta na alteração da cinética e da cinemática do ombro e consequente disrupção do ritmo escapuloumeral. Como tal, em caso de paralisia destes músculos observa-se a translação medial ou lateral da escápula ao longo da parede torácica por acometimento das cadeias musculares agonistas/ antagonistas, com traduções fenotí- picas distintas: • escápula medial – paralisia do músculo serrátil anterior • escápula lateral – paralisia dos músculos trapézio ou romboide. 1, 7 A paralisia do músculo serrátil anterior constitui uma condição patológica incomum, com incidên- cia de lesão do nervo torácico longo de apenas 1/38.500, admitindo-se, porém, uma prevalência mais ele- vada. 4,8 A severidade da EA é variável e a sintomatologia dolorosa, nem sempre presente, tem tendência a resolver espontaneamente com o tempo, mesmo quando existe perda completa da função muscular. 4 A lesão do nervo torácico longo pode ser atribuída a diferentes etio- logias: traumática, não-traumática e iatrogénica. 7,9 Perante a causa traumática, a lesão do nervo torácico pode estar relacionada com o estira- mento excessivo do membro superior, resultando de um mecanismo de tração e/ou compressão entre a ori- gem cervical e os ramos terminais ao nível do músculo serrátil anterior. 4,9,10 O trauma direto também pode ser um dos mecanismos responsáveis de lesão, como por exemplo quando existe depressão do ombro em conjunto com inclinação ou rotação cervical na direção oposta. 4,9 A paralisia do músculo serrátil anterior tem sido documentada em atletas profissionais e amadores de Figura 1 – O nervo longo torácico Ref. http://fisioricardosena.blogspot.com/2007/03/dor-na-cintura-escapularconsideraes.html Revista de Medicina Desportiva informa janeiro 2019 · 21