Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2019 - Page 22

fratura ou substituição parcial ou total da articulação coxofemoral. Um número elevado de doentes tem uma segunda fratura que acarreta uma mortalidade ainda mais ele- vada. 13 Fraturas do rádio distal As fraturas do rádio distal são uma das manifestações mais precoces de osteoporose, atingindo o pico de incidência na 6ª década de vida, com posterior estabilização. São por isso muitas vezes a primeira mani- festação de osteoporose e como tal constituem uma oportunidade para o diagnóstico e tratamento precoce e prevenção de quedas. No entanto, apenas 18% dos pacientes são alvo de tratamento no primeiro ano após fratura, em parte por não serem reconhecidas como fraturas de fra- gilidade quando na faixa etária em questão. 14 Embora não tenham o impacto a nível de mortalidade e morbilidade das fraturas prévias, estão também associadas a diminuição signifi- cativa da qualidade de vida e da autonomia, bem como incapacidade laboral. 15 O tratamento poderá ser conservador através da redução fechada e imobilização gessada ou, nos casos mais graves, cirúrgico com recurso a técnicas de fixação percutâneas ou redução aberta e osteossíntese. mais jovens para maximizar o pico de massa óssea e ao longo da vida para atrasar desacelerar a perda da mesma. As estratégias são sobre- poníveis e envolvem o combate ao sedentarismo, a alimentação saudável com adequada ingestão de cálcio e de vitamina D (comple- mentada pela adequada exposição solar), abstenção tabágica, consumo regrado de bebidas alcoólicas e, em fases mais avançadas da vida, a prevenção de quedas. As patologias concomitantes devem ser diagnos- ticadas e adequadamente tratadas, assim como a própria osteoporose, que exige grande suspeição clínica e um adequado conhecimento dos seus preditores. Conclusão A osteoporose, através da sua manifestação sob a forma de fra- turas osteoporóticas, constitui um problema crescente, com elevados encargos económicos e sociais para os sistemas de saúde e para a popu- lação. No entanto, é a nível individual e familiar que as suas manifestações são mais sentidas, com significativo aumento da mortalidade e morbili- dade, perda de autonomia e de quali- dade de vida. É, portanto, um impor- tante problema de saúde pública, merecendo esforços de sensibilização e de educação da população para a sua prevalência e complicações e, sobretudo, para a forma mais eficaz de a combater – a prevenção. Outras fraturas Outras fraturas também frequen- tes nos doentes com osteoporose incluem as do úmero proximal, clavícula, anel pélvico, fémur e tíbia. Conjuntamente são responsáveis por uma proporção substancial do peso económico e social da osteoporose, sobretudo em idades mais jovens (50-65), onde são 10 a 20 vezes mais frequentes que as fraturas do fémur proximal. 16 Prevenção Os esforços para a prevenção da osteoporose e das fraturas associa- das devem ser desenvolvidos em todas as faixas etárias, nas idades 20 janeiro 2019 www.revdesportiva.pt Bibliografia 1. Melton LJ 3 rd . How many women have osteoporosis now? J Bone Miner Res. 1995; 10:175-177. 2. Eiben G, Dey DK, Rothenberg E, Steen B, Björkelund C, Bengtsson C, Lissner L Obesity in 70-year-old Swedes: secular chan- ges over 30 years. Int J Obes (Lond). 2005; 29:810-817. 3. Borgström F, Sobocki P, Ström O, Jönsson B. The societal burden of osteoporosis in Sweden. Bone. 2007; 40:1602-1609. 4. Davies KM, Stegman MR, Heaney RP, Recker RR. Prevalence and severity of vertebral frac- ture: the Saunders County Bone Quality Study. Osteoporosis Int. 1996; 6:160-165. 5. O’Neill TW, Felsenberg D, Varlow J, Cooper C, Kanis JA, Silman AJ. The prevalence of ver- tebral deformity in European men and women: the European Vertebral Osteoporosis Study. J Bone Miner Res. 1996; 11:1010-1018. 6. Cauley JA, Hochberg MC, Lui LY, Palermo L, Ensrud KE, Hillier TA, Nevitt MC, Cum- mings SR. Long-term risk of incident vertebral fractures. JAMA 298:2761-2767. Cauley JA, Thompson DE, Ensrud KC, Scott JC, Black D. Risk of mortality following clinical fractures. Osteoporos Int. 2007; 11:556-561. 7. Silverman SL, Minshall ME, Shen W, Harper KD, Xie S. The relationship of health-related quality of life to prevalent and incident verte- bral fractures in postmenopausal women with osteoporosis: results from the Multiple Outco- mes of Raloxifene Evaluation Study. Arthritis Rheum. 2001; 44:2611-2619. 8. Nevitt MC, Thompson DE, Black DM, Rubin SR, Ensrud K, Yates AJ, Cummings SR. Effect of alendronate on limited-activity days and bed-disability days caused by back pain in postmenopausal women with existing vertebral fractures: Fracture Intervention Trial Research Group. Arch Intern Med. 2000; 160:77-85. 9. Majumdar SR, Kim N, Colman I, Chahal AM, Raymond G, Jen H, Siminoski KG, Hanley DA, Rowe BH. Incidental vertebral fractures discovered with chest radiography in the emergency department: prevalence, recogni- tion, and osteoporosis management in a cohort of elderly patients. Arch Intern Med. 2005; 165:905-909. 10. De Laet CE, Van Hout BA, Burger H, Weel AE, Hofman A, Pols HA. Hip fracture predic- tion in elderly men and women: validation in the Rotterdam study. J Bone Miner Res. 1998; 13:1587-1593. 11. Wehren LE, Hawkes WG, Orwig DL, Hebel JR, Zimmerman SI, Magaziner J. Gender differences in mortality after hip fracture: the role of infection. J Bone Miner Res. 2003; 18:2231-2237. 12. Bliuc D, Nguyen ND, Milch VE, Nguyen TV, Eisman JA, Center JR. Mortality risk associa- ted with low-trauma osteoporotic fracture and subsequent fracture in men and women. JAMA. 2009; 301:513-521. 13. Berry SD, Samelson EJ, Hannan MT, McLean RR, Lu M, Cupples LA, Shaffer ML, Beiser AL, Kelly-Hayes M, Kiel DP. Second hip frac- ture in older men and women: the Framingham Study. Arch Intern Med. 2007; 167:1971- 1976. 14. Maria-Teresa Cuddihy, et al. Osteoporosis Intervention Following Distal Forearm Fractu- res. A Missed Opportunity? Arch Intern Med. 2002; 162(4):421-426. 15. Nguyen TV, Center JR, Sambrook PN, Eisman JA. Risk factors for proximal humerus, forearm, and wrist fractures in elderly men and women: the Dubbo Osteoporosis Epidemiology Study. Am J Epidemiol. 2001; 153:587-595. 16. Orsini LS, Rousculp MD, Long SR, Wang S. Health care utilization and expenditures in the United States: a study of osteoporosis-related fractures. Osteoporos Int. 2005; 16:359-371. 17. Delmas PD, Marin F, Marcus R, Misurski DA, Mitlak BH. Beyond hip: importance of other nonspinal fractures. Am J Med. 2007; 120:381-387.