Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2018 - Page 8

O MET, o equivalente metabólico Dr. Basil Ribeiro, V N Gaia Com frequência encontra-se esta designação nos estudos científicos. Percebe-se que é uma medida fisio- lógica, um parâmetro de consumo energético, mas, concretamente, o que é? Um MET (Metabolic Equivalent Task) define-se como a taxa meta- bólica de repouso, ou seja, a energia necessária para suprir as necessi- dades metabólicas em repouso, nor- malmente em posição de sentado e em modo muito tranquilo, cor- respondendo, em média, a cerca de 3,5ml/kg/min de consumo de oxigé- nio para um indivíduo adulto. Con- siderando os equivalentes calóricos do oxigénio, este valor corresponde a cerca de 1 Kcal/kg/hora. Quando relativizado à área de superfície corporal, em média, 1 MET é igual a 3,492 J/min/m 2 , ou seja, a 58,2 W/m 2 . À semelhança do VO 2 máximo, utilizado para caracterizar a intensi- dade do esforço no treino de alto ren- dimento, também a taxa metabólica de repouso pode ser utilizada como um valor de referência para caracte- rizar a intensidade dos esforços físi- cos, especialmente para atividades de lazer. Por exemplo, o valor para o futebol competitivo é 10 METs, o que significa que se gasta 10 vezes mais energia quando se pratica este des- porto de forma competitiva do que quando se está sentado (o valor a dormir é igual a 0.9 METs). Contudo, é necessário ter-se em atenção que a variabilidade interindividual no que se refere à composição corporal, ao sexo, à idade, à eficiência energética, assim como as diferentes condições ambientais, poderão originar gas- tos energéticos diferentes daqueles reportados como padrão para as atividades físicas realizadas. Assim sendo, o mesmo exercício, realizado em diferentes condições ambientais e por diferentes pessoas, pode pro- vocar gastos energéticos diferentes, com valores coincidentes ou afasta- dos do valor em METs indicado na tabela. Por estas razões, para carac- terizar a intensidade dos esforços físicos na alta competição opta-se 6 janeiro 2018 www.revdesportiva.pt Código METs Categoria / atividade principal Atividade específica / tipo 17 105 3.8 Marcha Empurrar uma cadeira de rodas 17 110 6.5 Marcha Marcha atlética 17 134 8.8 Marcha Subir escadas em passo rápido 17 140 5.0 Marcha Caminhar com canadianas 17 170 3.0 Marcha Caminhar a 4 km/h numa superfície dura e plana pelo VO 2 máximo, por ser um método mais rigoroso e fiável. A correspondência de 1 MET com 3.5ml/kg/min deve ser feita também com alguma reserva, já que este é o valor de referência para sujeitos saudáveis, do sexo masculino, com 40 anos de idade. É como que uma convenção considerar esta equiva- lência. A taxa metabólica de repouso depende bastante da composição corporal, mas também da idade e do estado sanitário dos sujeitos, daí a reserva no estabelecimento da equi- valência. A calorimetria direta usada para avaliar a taxa metabólica de repouso revela que o “valor de 1 MET sobreavalia o valor real de repouso do consumo de O 2 e os gastos ener- géticos em cerca de 20 a 30%, sendo a composição corporal (a relação entre gordura e massa magra) o parâmetro que mais contribui para esta variância”. COM PLACAS TERMOPLÁSTICAS desportos, jardinagem, reparações em PERNEIRA casa, atividades domésticas, pes- car e caçar, dançar, ciclismo, exercí- cio físico em geral, etc. Tocar música tem gastos energéticos de acordo com o instrumento que se toca. Por exemplo, tocar tampores (3.8 METS) gasta mais que tocar violino sentado (2.8 METs), piano sentado (2.3 METs), órgão sentado (2.0 METs) ou gui- tarra (2.0 METs). Já agora, reparar aparelhos em casa (3.0 METs) gasta menos do que serrar madeira dura (6.0 METs). Curiosidades e valores importan- tes para o quotidiano, principal- mente quando um dos objetivos é a perda de peso corporal, mas, sem a restrição calórica, sem diminuir a ingestão alimentar, vai ser bastante difícil (e talvez penoso) perder os quilos que se tem a mais. Esta Tabela pode ser encontrada no sítio da Revista (www.revdespor- tiva.pt). Agradecimentos Agradece-se o apoio científico do Prof. Doutor José COXA Alberto Duarte (FADEUP – Porto) Um Compêndio de Atividades Físicas (CAF) foi desenvolvido para normalizar as intensidades em METs de várias atividades físicas e para uso em estudos epidemiológicos. A 1.ª versão surgiu em 1993, a primeira revisão ocorreu em 2000 e a última foi em 2011. Nesta encontram-se descritos os valores dos METs de 821 atividades físicas (códigos). As atividades físicas são classifi- cadas com cinco dígitos. Os primei- ros dois definem a categoria e os três últimos descrevem o tipo. Por exemplo, a marcha é uma categoria (17) e caminhar a 4 km/h é o tipo (de marcha) indicado pelos últimos três dígitos (170). No final, o código para este tipo de ativida