Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2018 - Page 24

Tabela 6 . Fontes alimentares de Vitamina D
Alimento
Quantidade de Vitamina D
Salmão
526 UI / 100g
Sardinhas
193 UI / 100g
Atum
82 UI / 100g
um ovo médio
40 UI
Bife de fígado
56 UI / 100g
Manteiga
30 UI / 100g
Óleo de fígado de bacalhau
200 UI / 100g
reguladas pela PTH , cálcio e fosfato . Níveis de 1,25 ( OH ) 2D tipicamente não diminuem até estar instalada uma deficiência grave de vitamina D . ( Tabela 4 e 5 ).
Poucos alimentos contêm naturalmente vitamina D , pelo que , frequentemente , a ingestão deste nutriente é insuficiente 11 e a prevalência de inadequação é bastante elevada .( Tabela 6 ). 12
A toxicidade por vitamina D pode causar sintomas não específicos , como anorexia , perda de peso , poliúria e arritmias cardíacas ; pode também pode elevar os níveis sanguíneos de cálcio que levam à calcificação vascular e tecidual , com subsequente dano cardíaco , vascular e renal .
Interações com medicamentos
Os corticosteroides , como prednisolona , muitas vezes prescritos para reduzir a inflamação , podem reduzir a absorção de cálcio e prejudicar o metabolismo da vitamina D . Estes efeitos podem contribuir ainda mais para a perda de osso e para o desenvolvimento da osteoporose associada ao seu uso a longo prazo . Por outro lado , fármacos que reduzem a absorção de gordura com o objetivo de perda de peso ( ex : orlistat ), assim como sequestradores de ácidos biliares ( ex : colestiramina ) podem reduzir a absorção de vitamina D e outras vitaminas lipossolúveis . Também o fenobarbital e a fenitoína , utilizados para prevenir e controlar as crises epiléticas , aumentam o metabolismo hepático da vitamina D em compostos inativos e reduzem a absorção de cálcio .
A nível alimentar importa também promover o consumo de hortofrutícolas . Estes contêm minerais , tais como como potássio , magnésio e cálcio ; antioxidantes , tais como polifenóis ; fitoestrógenios ; e vitaminas , nomeadamente a C e a K . Todos estes nutrientes são necessários para a síntese da matriz óssea . Além disso , dietas ricas em frutas e legumes resultam numa menor carga ácida devido ao seu elevado teor de potássio e de magnésio . Sabe-se que um ambiente ácido estimula os osteoclastos e reduz a atividade dos osteoblastos . Antioxidantes exógenos desempenham um papel importante na redução do stress oxidativo , envolvido na etiologia da osteoporose . Os antioxidantes exógenos são ricos em vitamina C , vitamina E e carotenoides e podem ser encontrados na maioria das frutas , legumes , nozes e sementes . Uma alimentação rica do ponto de vista nutricional associa-se a menor risco de fratura , independentemente de outros fatores de risco importantes . 3
O papel prejudicial do consumo excessivo / insuficiente de proteína
Na perspetiva da prevenção de problemas do foro ósseo , será prudente adotar uma alimentação com ingestão proteica , nem excessiva , nem insuficiente , tendo em conta as recomendações da Organização Mundial de Saúde ( cerca de 0,8g / Kg peso corporal ). 13 Pela indução de excreção de cálcio e contribuição acídica , a elevada ingestão proteica , especialmente rica em proteína animal , pode ser desaconselhável ​para a saúde óssea a longo prazo , apesar de não existir evidência sólida de consequências adversas proveniente do seu consumo . Por outro lado , a baixa ingestão de proteínas , particularmente nos idosos , pode contribuir para o risco de fratura osteoporótica . 1
Bebidas alcoólicas e refrigerantes
O alcoolismo é uma das principais causas de osteoporose secundária . Embora se verifique que uma leve a moderada ingestão de álcool se associa a elevada densidade óssea , o elevado consumo de álcool tem sido associado a osteoporose e a quedas . Uma bebida diária para mulheres e duas para homens é considerada segura na perspetiva da saúde óssea . O consumo de refrigerantes é considerado um fator de risco de osteoporose , devido ao seu teor em cafeína e elevado teor de ácido fosfórico , mas também devido ao deslocamento de bebidas mais saudáveis ( ex : iogurte ou leite ). O chá verde , dado o seu conteúdo em polifenóis e propriedades antioxidantes , pode ter efeitos benéficos nos osteoblastos , com impacto positivo na saúde óssea .
Recomendações práticas para a prevenção da osteoporose :
• Consumir diariamente pelo menos três porções de leite magro e / ou produtos lácteos magros ( iogurte , queijo );
• Consumir legumes de folha verde , com elevado teor de cálcio ( couve portuguesa , espinafres );
• Comer fruta e legumes 5 vezes por dia .
• Comer peixe pelo menos 3 vezes por semana ;
• Limitar a ingestão de sal ( máximo : 6g / dia ). Utilizar especiarias para melhorar o sabor , em substituição do sal .
• Moderar a ingestão de álcool ou abster-se do seu consumo ;
• Assegurar uma ingestão adequada de vitamina D ( peixe , fígado , exposição solar , suplementação ), vitamina K ( legumes folha verde , fígado , peixe ) e vitamina C
• Praticar regularmente atividade física com carga ;
• Não fumar .
Bibliografia
1 . 1Prentice , A ., Diet , nutrition and the prevention of osteoporosis . Public Health Nutr , 2004 ; 7 ( 1A ): 227-43 .
2 . Kalkwarf , H . J ., J . C . Khoury , and B . P . Lanphear , Milk intake during childhood and adolescence , adult bone density , and osteoporotic fractures in US women . Am J Clin Nutr , 2003 ; 77 ( 1 ): 257-65 .
3 . Levis , S . and V . S . Lagari , The role of diet in osteoporosis prevention and management . Curr Osteoporos Rep , 2012 ; 10 ( 4 ): 296-302 .
4 . Warensjo , E ., et al ., Dietary calcium intake and risk of fracture and osteoporosis : prospective longitudinal cohort study . BMJ , 2011 ; 342 : d1473 .
Restante Bibliografia em : www . revdesportiva . pt ( A Revista Online ) 22 janeiro 2018 www . revdesportiva . pt
Tabela 6. Fontes alimentares de Vitamina D Alimento Quantidade de Vitamina D Salmão 526 UI/100g Sardinhas 193 UI/100g Atum   82 UI/100g um ovo médio   40 UI Bife de fígado   56 UI/100g Manteiga   30 UI/100g Óleo de fígado de bacalhau 200 UI/100g reguladas pela PTH, cálcio e fosfato. Níveis de 1,25 (OH) 2D tipicamente não diminuem até estar instalada uma deficiência grave de vitamina D. (Tabela 4 e 5). Poucos alimentos contêm natu- ralmente vitamina D, pelo que, frequentemente, a ingestão deste nutriente é insuficiente 11 e a preva- lência de inadequação é bastante elevada.(Tabela 6). 12 A toxicidade por vitamina D pode causar sintomas não específicos, como anorexia, perda de peso, poliú- ria e arritmias cardíacas; pode tam- bém pode elevar os níveis sanguíneos de cálcio que levam à calcificação vascular e tecidual, com subsequente dano cardíaco, vascular e renal. Interações com medicamentos Os corticosteroides, como predniso- lona, muitas vezes prescritos para reduzir a inflamação, podem reduzir a absorção de cálcio e prejudicar o metabolismo da vitamina D. Estes efeitos podem contribuir ainda mais para a perda de osso e para o desen- volvimento da osteoporose asso- ciada ao seu uso a longo prazo. Por outro lado, fármacos que reduzem a absorção de gordura com o objetivo de perda de peso (ex: orlistat), assim como sequestradores de ácidos biliares (ex: colestiramina) podem reduzir a absorção de vitamina D e outras vitaminas lipossolúveis. Também o fenobarbital e a fenitoína, utilizados para prevenir e controlar as crises epiléticas, aumentam o metabolismo hepático da vitamina D em compostos inativos e reduzem a absorção de cálcio. A nível alimentar importa tam- bém promover o consumo de hor- tofrutícolas. Estes contêm minerais, tais como como potássio, magnésio e cálcio; antioxidantes, tais como polifenóis; fitoestrógenios; e vitami- nas, nomeadamente a C e a K. Todos 22 janeiro 2018 www.revdesportiva.pt estes nutrientes são necessários para a síntese da matriz óssea. Além disso, dietas ricas em frutas e legu- mes resultam numa menor carga ácida devido ao seu elevado teor de potássio e de magnésio. Sabe-se que um ambiente ácido estimula os osteoclastos e reduz a atividade dos osteoblastos. Antioxidantes exóge- nos desempenham um papel impor- tante na redução do stress oxidativo, envolvido na etiologia da osteopo- rose. Os antioxidantes exógenos são ricos em vitamina C, vitamina E e carotenoides e podem ser encontra- dos na maioria das frutas, legumes, nozes e sementes. Uma alimentação rica do ponto de vista nutricional associa-se a menor risco de fratura, independentemente de outros fato- res de risco importantes. 3 O papel prejudicial do consumo excessivo/insuficiente de proteína Na perspetiva da prevenção de problemas do foro ósseo, será pru- dente adotar uma alimentação com ingestão proteica, nem excessiva, nem insuficiente, tendo em conta as recomendações da Organização Mundial de Saúde (cerca de 0,8g/ Kg peso corporal). 13 Pela indução de excreção de cálcio e contribuição acídica, a elevada ingestão proteica, especialmente rica em proteína ani- mal, pode ser desaconselhável ​​para a saúde óssea a longo prazo, apesar de não existir evidência sólida de consequências adversas proveniente do seu consumo. Por outro lado, a baixa ingestão de proteínas, particu- larmente nos idosos, pode contribuir para o risco de fratura osteoporótica. 1 Bebidas alcoólicas e refrigerantes O alcoolismo é uma das principais causas de osteoporose secundária. Embora se verifique que uma leve a moderada ingestão de álcool se associa a elevada densidade óssea, o elevado consumo de álcool tem sido associado a osteoporose e a quedas. Uma bebida diária para mulheres e duas para homens é considerada segura na perspetiva da saúde óssea. O consumo de refrigerantes é consi- derado um fator de risco de osteopo- rose, devido ao seu teor em cafeína e elevado teor de ácido fosfórico, mas também devido ao deslocamento de bebidas mais saudáveis (ex: iogurte ou leite). O chá verde, dado o seu conteúdo em poli ͥ́ɽɥ)́ѥᥑѕ̰ѕȁѽ)́́ѕѽ̰)Ѽͥѥټ͇鑔͕)IՕ́ѥ́Ʉ)ɕٕѕɽ͔+$ յȁɥє)́Օ́єɼ)ɽѽ́ѕ́ɽ̀є)Օ+$ յȁյٕ́ɑ)مѕȁٔ)՝Օ̈́ɕ̤+$ ȁфյ̀ԁٕ́ȁ+$ ȁᔁٕ̀́)ȁ͕+$1хȁͅ᥵(ٜUѥȁɥ́Ʉ)ɅȁͅȰՉѥէ)ͅ+$5Ʌȁ)ѕȵ͔͕ԁյ+$͕ɅȁյՅ)٥хᔰ)ͧͽȰч)٥х,յٕ́ɑ)ᔤ٥х +$AɅѥȁɕձɵєѥ٥)ͥɝ+$;յȸ) Ʌ(ĸ$Aɕѥаɥѥѡɕٕ)ѥѕɽ̸ͥAՉ!Ѡ9Ȱ(ܠ̸ܴ(ȸ$-݅ɘ (( -䰁@)1Ȱ5хɥ)͍ձЁͥ䰁ѕ)ɽѥɅɕ́ULݽ( 9Ȱ(ܠĤܴԸ(̸$1٥̰LXL1ɤQɽЁ)ѕɽͥ́ɕٕѥи )=ѕɽ́IФشȸ(и$]ɕͩЁх䁍մх)ɥͬɅɔѕɽͥɽѥٔ)ՑЁՑ丁 5(̸)Iхє Ʌ)ܹɕّѥلЀI٥ф=