Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2017 - Page 33

7
9
11
da longa porção do bicípite e subluxação da mesma , sem rotura do tendão do subescapular ( Fig . 8 ). Não foram identificadas lesões capsulolabrais ( Fig . 9 ).
Procedeu-se a desbridamento dos fragmentos avulsos com shaver e reinserção do tendão do supra- -espinhoso por via articular , com duas âncoras de sutura duplamente carregadas em fileira única ( Fig . 10 ). Realizou-se , ainda , tenodese intra- -articular da longa porção do bicípite , também com âncora de sutura , pela técnica de lasso-loop .
Não se registaram intercorrências no pós-operatório imediato .
Nas primeiras três semanas foi mantida imobilização com suspensão braquial e banda torácica , contudo , na 3 .ª semana pós-operatória foi iniciada reabilitação diária com mobilização passiva e assistida sagital , coronal da omoplata . A partir das oito semanas , foi iniciada mobilização ativa , com fortalecimento dos estabilizadores da omoplata e hidroterapia .
Aos três meses de pós-operatório constatava-se a existência de arco de mobilidade passivo e ativo completo e indolor , tendo retornado à atividade profissional prévia sem limitações aos seis meses ( Figs . 11 e 12 ).
8
10
12
Discussão
Uma fratura- -avulsão do troquiter com descoaptação próximo-medial de cerca de 5mm tratada conservadoramente compreende um elevado de risco de consolidação viciosa com consequente diminuição do espaço sub-acromial e conflito mecânico em movimentos de elevação anterior e abdução 1 . A medialização da inserção das fibras do supraespinhoso poderá alterar a cinética do músculo pela diminuição do braço de alavanca e do momento da força aquando da sua ação 3 . No membro superior dominante de um doente jovem com uma atividade laboral over head , esta lesão poderia resultar num mau resultado funcional se tratada conservadoramente .
A opção pela abordagem artroscópica , ao invés da artrotomia , permite uma visão inside-out e outside-in do tendão do supra-espinhoso , facilitando também o diagnóstico e tratamento de eventuais lesões ligamentares e condrolabrais concomitantes , expectáveis após um episódio de luxação traumática .
São várias as técnicas de reinserção artroscópica descritas na literatura , sem que haja evidência estatísticamente significativa das vantagens de uma sobre as restantes . Optámos , á luz da evidência científica atual 7 , 8 , 10 , tratar a lesão como uma rotura parcial articular . O desbridamento dos fragmentos permite uma cruentação dos mesmos na tentativa de promover a consolidação óssea na footprint do supra-espinhoso .
A reabilitação foi feita de acordo com o protocolo realizado habitualmente para as lesões da coifa dos
rotadores de maneira a maximizar o potencial de cicatrização das fibras reinseridas e consolidação dos fragmentos avulsos .
Conclusão
As fraturas-avulsão do troquiter devem ser abordadas como uma rotura do tendão do supra-espinhoso , beneficiando não só da reinserção artroscópica , mas também do tratamento de eventuais lesões articulares concomitantes por esta via . A técnica utilizada no caso clínico descrito originou um resultado funcional favorável , com retorno à atividade laboral sem limitações .
Bibliografia
1 . Tauber M , Resch H , Forstner R , et al . Reasons for failure after surgical repair of anterior shoulder instability . J Shoulder Elbow Surg . 2004 ; 13:279 – 285 .
2 . George MS . Fractures of the greater tuberosity of the humerus . J Am Acad Orthop Surg . 2007 ; 15:607 – 613 .
3 . Platzer P , Kutscha-Lissberg F , Lehr S , Vecsei V , Gaebler C . The influence of displacement on shoulder function in patients with minimally displaced fractures of the greater tuberosity . Injury 2005 ; 36:1185 – 1189 .
4 . Bhatia DN , de Beer JF , van Rooyen KS . The bony partial articular surface tendon avulsion lesion : an arthroscopic technique for fixation of the partially avulsed greater tuberosity fracture . Arthroscopy 2007 ; 23:786 . e1-6 .
5 . Kim KC , Rhee KJ , Shin HD , Kim YM . Arthroscopic fixation for displaced greater tuberosity fracture using the suture-bridge technique . Arthroscopy 2008 ; 24:120 – 121 .
6 . Song HS , Williams GR Jr . Arthroscopic reduction and fixation with suture-bridge technique for displaced or comminuted greater tuberosity fractures . Arthroscopy 2008 ; 24:956 – 960 .
7 . Mutch J , Laflamme G , Hagemeister N , Cikers A , Rouleau D . A new morphologic classification for greater tuberosity fractures of the proximal humerus : validation and clinical implications . Bone Joint J 2014 ; 96-B .
8 . Lin CL , Hong CK , Jou IM , Lin CJ , Su FC , Su WR . Suture anchor versus screw fixation for greater tuberosity fractures of the humerus – a biomechanical study . J Orthop Res 2012 ; 30:423 – 8 .
9 . Yin B , Moen TC , Thompson SA , Bigliani LU , Ahmad CS , Levine WN . Operative treatment of isolated greater tuberosity fractures : retrospective review of clinical and functional outcomes . Orthopedics 2012 ; 35 : e807 – 14 .
10 . Gruson KI , Ruchelsman DE , Tejwani NC . Isolated tuberosity fractures of the proximal humeral : current concepts . Injury 2008 ; 39:284 – 98 .

Sociedade Portuguesa de Artroscopia e Traumatologia Desportiva

Revista de Medicina Desportiva informa Janeiro 2017 · 31