Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2017 - Page 32

Fractura-avulsão do Troquiter – A Propósito de um Caso Clínico

1
Dra Ana Catarina Ângelo ; 2 Dr Carlos Amaral ; 3 Carla Madaíl
1
Interna de Ortopedia e Traumatologia do Hospital de S . Francisco Xavier ; 2 Assistente Graduado de Ortopedia e Traumatologia . Hospital Cuf Infante Santo ; 3 Assistente Graduada de Ortopedia e Traumatologia do Hospital de S . Francisco Xavier e Hospital Cuf Infante Santo . Lisboa
Introdução
As roturas parciais do tendão do supraespinhoso são lesões frequentes e que passam muitas vezes despercebidas nos exames complementares de diagnóstico . Foram descritas por Codman et al em 1934 1 e divididas em dois grupos de acordo com a face do tendão afetada : articulares ou bursais 1 , 2 . Sabe-se atualmente , que as roturas articulares são cerca de 2 a 3 vezes mais comuns que as bursais , sendo na sua maioria puramente tendinosas 2 , 3 . O termo PASTA ( Partial Articular Supraspinatus Tendon Avulsion ) foi descrito por Millstein and Snyder em 2003 4 para designar as roturas parciais articulares puramente tendinosas 2 , 3 . Mais tarde , em 2007 , Bhatia et al sugerem o termo PABAST ( Partial Articular Bony Avulsion of the Supraspinatus Tendon ) para caracterizar lesões parciais que envolvessem fragmentos ósseos avulsos 2 . Esta lesão , apesar de se tratar de uma fratura-avulsão , comporta-se como uma rotura parcial articular , devendo ser tratada como tal .
Têm vindo a ser descritas na literatura várias técnicas para o tratamento cirúrgico das lesões PASTA e PABASTA : a reinserção por via artroscópica glenoumeral e sub-acromial é o método de escolha , sendo a técnica de reinserção variável de autor para autor : âncoras fileira única , dupla fileira ou equivalente transósseo ; sutura transtendinosa ou conversão da lesão parcial em total ; âncoras de sutura ou âncoras PEEK 4-7 .
Não há evidência estatisticamente significativa de clara vantagem de uma técnica relativamente às restantes .
Apresentamos o caso de um doente jovem , com rotura parcial traumática e avulsão óssea do troquiter , submetido a reinserção artroscópica com âncoras de sutura em fileira única .
Caso clínico
Doente do sexo masculino , 32 anos de idade , bombeiro profissional . Antecedentes pessoais de obesidade mórbida .
Sofreu traumatismo do ombro esquerdo ( membro dominante )
1
3
5
2
4
6 por queda durante a marcha com o membro superior em extensão e abdução . Radiologicamente apresentava fratura-luxação glenoumeral ântero-inferior , com padrão de fratura uma fratura-avulsão cominutiva do troquiter ( Fig . 1 ).
A luxação foi reduzida incruentamente em meio hospitalar e a articulação imobilizada com suspensão braquial e banda torácica ( Fig . 2 ). Para melhor caracterização da lesão foi realizado um estudo tomográfico , onde se pôde observar descoaptação próximo-medial de cerca de 5mm dos fragmentos avulsos para o espaço sub-acromial , sem migração posterior ( Figs . 3 e 4 ). Sem outras lesões ósseas objetiváveis , nomeadamente fraturas da glenoide ou lesões osteocondrais da cabeça umeral .
Tratamento
O doente foi submetido a uma abordagem artroscópica das articulações glenoumeral e subacromial , em posição de cadeira de praia , através de quatro portais : posterior ( soft spot ), póstero- -lateral , ântero- -lateral e anterior ( intervalo dos rotadores ).
Identificou-se intra-operatoriamente uma rotura transfixiva do terço anterior do supra-espinhoso e parcial articular dos dois terços posteriores , em continuidade com os fragmentos avulsos de troquiter ( Fig 7 ). Cada um dos fragmentos avulsos tinha cerca de 1cm de maior diâmetro e 5 milímetros de espessura . O doente apresentava ainda tenossinovite
30 Janeiro 2017 www . revdesportiva . pt