Revista de Medicina Desportiva Informa Janeiro 2012 - Page 12

Tema 2 Rev. Medicina Desportiva informa, 2012, 3 (1), pp. 10–12 Fatores psicológicos e lesões desportivas: da fantasia à realidade Doutor Rui Gomes Universidade Minho, Escola de Psicologia, Braga RESUMO ABSTRACT Este trabalho discute a importância dos fatores psicológicos na prevenção e recuperação de lesões. Assim, são apresentadas algumas indicações acerca da associação entre stress e lesões, analisando-se a importância da personalidade e da capacidade de confronto dos atletas face à ocorrência de situações de stress. Finalmente, apresentam-se alguns fatores que ajudam a explicar a pouca utilização da intervenção psicológica na prevenção e tratamento de lesões desportivas. This paper discusses the importance of psychological factors in injury prevention and recovery. Some indications about the association between stress and injuries are presented, being also analyzed the importance of personality and coping strategies used by athletes when they have to face stressful situations. Finally, it is presented some factors that explain the limited use of psychological intervention in the prevention and treatment of sports injuries. PALAVRAS-CHAVE KEYWORDS Lesões desportivas, fatores psicológicos, intervenção psicológica. Sports injuries, psychological factors, psychological intervention. A prática desportiva, principalmente a de alto nível, tem vindo a colocar uma exigência crescente sobre a capacidade de adaptação física e psicológica dos atletas. De facto, assistimos em várias modalidades a maiores exigências competitivas (seja em termos de frequência mas também da intensidade das mesmas), colocando ao atleta o desafio de se apresentar na melhor forma possível ao longo de toda a época desportiva. Neste sentido, a ocorrência de lesões desportivas representam uma alteração altamente indesejável das rotinas de rendimento dos atletas, colocando também uma significativa pressão sobre os profissionais de saúde no sentido de recuperarem rapidamente os atletas. Entramos assim no domínio dos fatores envolvidos na recuperação das lesões, um tema fascinante pela sua complexidade, mas sobretudo desafiante pela significativa variabilidade individual que é possível observar na recuperação do mesmo tipo de lesão por atletas diferentes. A este nível, os fatores psicológicos costumam ser enunciados como podendo alterar o curso de 10 · Janeiro 2012 www.revdesportiva.pt recuperação de uma lesão, transformando um bom prognóstico num “caso difícil de perceber” mas também uma lesão com recuperação lenta e duvidosa num caso de “sucesso inesperado”. No entanto, também é interessante verificar que os fatores psicológicos não estão apenas envolvidos após a ocorrência da lesão, mas também representam fatores predisponentes para a lesão. Assim sendo, a intervenção junto do atleta pode estar não só centrada no apoio à recuperação da lesão, mas também pode ser direcionada para a promoção de competências que o ajudem a evitar essa mesma situação. Importância dos fatores psicológicos Um dos aspetos que merece alguma crítica a este nível, é a ainda falta de sensibilidade ou desconhecimentos dos profissionais envolvidos no treino e recuperação dos atletas para o papel dos fatores psicológicos envolvidos nas lesões desportivas. Por exemplo, hoje em dia é vulgar vermos incluídos preparadores físicos nas equipas técnicas, tendo uma responsabilidade crucial no planeamento do treino ao longo da época desportiva. Daí que seja relativamente fácil encontrar programas de treino da força, da resistência, da flexibilidade e da própria coordenação motora, que auxiliam os atletas a recuperarem do esforço físico e a melhorarem as suas capacidades desportivas, tornando-se assim menos suscetíveis à ocorrência de lesões. No entanto, quando observamos a existência de profissionais com formação de base em psicologia, a situação está longe do ideal e não se pode afirmar que seja devido ao pouco impacto dos fatores psicológicos no desporto. A título de exemplo, está comprovada a existência de uma associação entre a exposição a situações de stress e o risco para as lesões desportivas (ver Brewer, 2009; Heil, 1993). Além disso, a investigação tem vindo a realçar a importância que alguns fatores podem ter no aumentar ou diminuir da “força” desta relação (ver Williams & Andersen, 1998). Desde logo, as características de personalidade dos atletas. Por exemplo, se o atleta evidenciar um elevado traço de ansiedade competitiva (ou seja, tender a ficar mais ansioso perante as diferentes exigências desportivas), apresentar estados de humor mais negativos e assumir-se como uma pessoa agressiva e altamente competitiva então estará em maior risco para contrair não só mais lesões mas também lesões mais graves. Um outro fator interveniente nesta relação stress-lesão, é a capacidade do atleta lidar com os problemas. Na literatura, este conceito aparece designado como coping (ou confronto, no português) e refere-se às potencialidades das pessoas para enfrentarem os desafios do