Revista Crea-SP | nº 09 - Page 24

DICAS CULTURAIS O MUSEU DO FUTEBOL E O RÁDIO ESPORTIVO Nestes dias em que todos estaremos “respirando” futebol em função da Copa do Mundo, é sempre bom lembrar que, na Capital, temos um museu especialmente dedicado ao esporte, um local muito bacana para conhecer: o Museu do Futebol. No fi nal de abril o Estádio do Pacaembu completou 78 anos e esti ve por lá com minha família para comemorar a data e parti cipar de uma visita monitorada com o historiador Sérgio Paz. Foi uma tarde muito diverti da, com grandes histórias do futebol e de seus personagens marcantes. Para quem gosta dessas histórias, vale a pena visitar esse espaço que apresenta muita informação sobre os clubes de São Paulo e do Brasil. Lá podemos conhecer os torneios nacionais e internacionais, inclusive imagens e personagens das Copas conquistadas por nosso país. Muitas fotos, chuteiras, camisas e bolas de todos os tempos, nos fazendo perceber como foram a história e a evolução do esporte no Brasil e no mundo. Um dos espaços que eu mais gosto nesse Museu é a Sala do Rádio, que celebra os locutores e o meio de comunicação que levou o futebol a todo o território nacional, ainda nos anos 1930, e onde podemos acessar gravações dos grandes narradores de futebol. Para os fãs do rádio esporti vo vale matar a saudade desses craques do rádio, que com suas vozes marcaram gerações de torcedores: Osmar Santos, Pedro Luiz, José Silvério (que ainda está na ati va) e Fiore Gigliotti , entre outros. No meu caso, especialmente, me lembro de ouvir na casa de meu avô o “Show de Rádio”, na Jovem Pan, que era apresentado após os jogos e, para cada equipe, havia um personagem característi co. Lembro-me que meu pai e meu avô se diverti am muito. O Show de Rádio foi um programa humorísti co criado por Estevam Sangirardi em 1969, com esquetes apresentando gente do dia-a-dia. Era redigido durante os jogos de futebol. Sangirardi e sua equipe alegravam os ouvintes com o Corinti ano Joca e o Pai Jaú, o Comendador Strufaldi, Comendador Fumagale e Noninha (Palmeiras), Lorde Didu du Morumbi, são-paulino roxo, apaixonado pelo seu ti me e seu mordomo, Archibald, com quem comentava extasiado os feitos do ti me. Odayr Bati sta apresentava nesse programa a Rádio Camanducaia, que era uma rádio fi c� cia do Interior, com seus comerciais geniais e impagáveis serviços de uti lidade pública: “Para curati vos rápidos, Ester Elisa, enfermeira”; “Para festas em geral, músicos que ‘não dão despesas; já vêm jantados’”, e muitos outros. Entre os seus humoristas colaboradores estavam Odayr Bati sta, Geraldo Barreto, Douglas Rasputi n, Nelson “Tatá” Alexandre, Serginho Leite, Carlos Roberto Escova e Chiquinho Ferrão, além de ter contado com a parti cipação de Fausto Silva na década de 1980. O programa marcou a história radiofônica do país. Sangirardi chegou a ser chamado de Rei do Rádio Esporti vo-Humorísti co e comandava a festa do futebol com imitações de jogadores e personalidades políti cas e ar� sti cas do Brasil entre as décadas de 70 e 80 do século XX. ◘ MUSEU DO FUTEBOL Praça Charles Miller, s/n (Estádio Paulo Machado de Carvalho - Pacaembu) Contato: (11) 3664.3848 htt p://www.museudofutebol.org.br/ Colaboração: André Maschiett o (Biblioteca) 24 | R E V I S T A CREA-SP R E V I S T A CREA-SP | 25