Revista Crea-SP | nº 09 - Page 18

GASTRONOMIA

���������

“ ERST KOMMT DAS FRESSEN , DANN DIE MORAL

�PRIMEIRO VEM A COMIDA , DEPOIS A MORAL� .”

BERTOLD BRECHT

�� ����� �� �������

10 | REVISTACREA-SP
INTEGRAÇÃO “A iniciati va foi da minha fi lha mais nova, Clara, de 12 anos. Eu concordei porque achei que ela e o padrasto iriam se diverti r juntos, já que ele adora futebol. Mas, no fi nal, eu que acabei me empolgando mais e agora todos os dias conferimos o álbum juntas pra ver o que falta e o que conseguimos trocar no dia”, relata a Chefe da UGI Araraquara, Eng. Agr. Sandra Fernandes Bandeira. Para ela, “O futebol está enraizado na cultura do brasileiro, não tem jeito. Então colecionar fi gurinhas passa a ser uma diversão a mais nesse contexto. Ainda acredito que as crianças são as grandes moti vadoras de tanto sucesso, porque ver o entusiasmo delas nos contagia. (O mais diverti do) sem dúvida são a conquista e a surpresa quando se abre cada pacoti nho. É uma alegria conseguir aquela fi gurinha que faltava ou uma fi gurinha dourada. Bom demais! E desta vez, como vamos poder marcar o resultado dos jogos no álbum, fi cou ainda melhor, porque mesmo (com o álbum) completo a diversão ainda vai conti nuar durante a Copa toda”, analisa. 18 | R E V I S T A CREA-SP idênti cos. Mas já se sabe que, na cotação do mercado paralelo, determinadas fi gurinhas ganham status de clássicos. Até mesmo na brincadeira do bafo, ressuscitada com a moda de colecionar fi gurinhas, os cromos variam de valor: jogadores das seleções grega e hondurenha, por exemplo, são “detonados” na hora de encaixar as mãos em concha para bater e virar as fi gurinhas. Já as imagens de um Neymar ou um Messi entram na disputa muito raramente e são poupados das “porradas”. Em tempo: se você não lembra mais como jogar bafo, renda-se à modernidade e corra buscar um tutorial no YouTube. Trocar as fi gurinhas repeti das para completar o álbum é, acima de tudo, uma excelente oportunidade de sociabilizar em volta de um interesse comum com pessoas que, por outros moti vos, você provavelmente jamais teria contato. No trabalho (aqui no Crea-SP a APC conti nua promovendo encontros para troca, facilitando a vida dos colecionadores), nas escolas, nas bancas de revista, nos shoppings e até em grupos de Whatsapp e Facebook é possível encontrar a fi gurinha que falta para você e ainda ajudar alguém a completar sua coleção. Na hora de trocar, siga o manual de eti queta dos colecionadores: as fi gurinhas devem estar organizadas em ordem decrescente, por favor! Se ainda assim você não encontrar a fi gurinha que falta, prepare-se para enfrentar os cambistas, com os quais é possível adquirir cromos abertos com preços que vão de 30 centavos a 15 reais. Na era dos aplicati vos, abundam os apps para ajudar no controle das fi gurinhas que faltam: o ofi cial Panini Collector puxa a fi la, seguido por outros como o Controle de Figurinhas, Coleciona e Figurapp. Com todos esses recursos, completar um álbum não é mais uma missão quase impossível como era há algumas décadas. Também por conta disso, o álbum que você acabou de completar poderá valer muito no futuro: a coleção completa dos mundiais de 1970 a 2014 foi anunciada recentemente no eBay por módicos R$ 26 mil. Seja pelo puro prazer de colecionar, resgatar uma brincadeira de infância, conhecer gente com interesses parecidos ou guardar uma lembrança de um torneio tão querido (e até, quem sabe, lucrar com isso futuramente), o importante é que os álbuns de fi gurinhas são a mais exata afi rmação de que hábitos saudáveis merecem atravessar os séculos e nunca serem abandonados. ◘“Minha experiência marcante e inesquecível com álbuns de fi gurinhas da Copa foi em 1982. Primeiro, porque foi na época em que começou minha paixão por futebol e, segundo, porque acho que estava no auge das brincadeiras de rua na minha cidade do Interior, quando ainda podíamos jogar bola na rua, jogar bolinha de gude e bater o ‘bafo’ com as fi gurinhas”, lembra o Gerente do Departamento de Informáti ca, Erick Mendes. Segundo Erick, “O problema era o excesso de chicletes que comprávamos para conseguir as fi gurinhas; os denti stas agradeciam (risos). Na hora de abrir o pa VF66WFRR&WfV"VVfwW&V&FW&VVF:v66VFRWV7FFffVV2fwW&20F6V2VV2&V66FFW2Rf26&#26V\:|;VW2F6FR"W&fL:7F63'&6W&V67FV:|:666<;67&FW2f<:6P8FW"&vVF:F&Fg&:v6ХFV6'VVrR":( ब:FRf:ƖfFR6V6"2 :'V06FR#( RfVR:W&&VFfW&VFPF2F2FV2FR"VVƆ"V"2FfW&VFR'FRRVƖFFRF27&2PF :'Vv6VFR<:6&V7WW&&W2VR76F766V6W&6( FW&6VRF,:6WFR :'VFR#B&6'FƆ"WW&:6666FRfƆ2( &7W&VVfl:2VVR6ƖVRf76F2&V6\:vVR :VFF66WF"62V2VWG,;F62FGVƖFFP&7&:vFfWRW677V֒0:'V2gV2w'W2FRG&6 :2&62R7V&֗7<:6WW2fƆ2fƆ&RF76W&Ӡ( Vv( ( FfW'FR6RfƆ6:wVfVƗRb2vR :'VЦFR#FR&W6VFRFF( v&VR:6&P'&"R6"2fwW&266'&WFW7L:VvFVV2L:v&'&"6FPR6"2fwW&2:6FVFR6W"VVF;6&V:|:6RfƆVFV2FRFF6'&W&RfFFRFV6FWR&:6( :6 :<;2gWFV&( ( V6W'&त$ĕ5DU,84DRTvVFRF֖7G&FfVvV6FƒFRVWW2Tt6F2W7L:VFFWFV26V6"V6VwVFfW( V6WFR :'VF6FVFFR#BRf6WF"FW7FPF,:66W'FWVG&6fwW&26֖v2R֖v>( FVV'&FVRV6F2( W7FV2f2FR6Vl:&0F2FRG&626w2fVFF&R2&:v206V6F2RVW7L:&W6VFR6V&RVRFRV6憖F:6^( &V( G&6"fwW&2:6FVFR6W"V76FVFfW'FFRVfV&FRfW"֖v2RVFVFW"2VV6FRVЦW7'FRL:676R6V6W"F,:67GVW2FRWG&2:6W2VЧ&V:|:6gWFV&( "Rb2B5$T5