Revista Amooreno EDIÇÃO 14 -MAR19 - Page 16

foram passados no arborizado subúrbio de Baurs Park, em Blankenese, Hamburgo. Depois, a família mudou-se 40 quilômetros para o nordeste de Bad Darmstadt, uma pequena cidade com cerca de 3.500 habitantes, cuja população disparou durante a Segunda Guerra Mundial com a afluência de refugiados de leste, prisioneiros de guerra que escaparam ao bombardeamento de Hamburgo pelos aliados. Em maio de 1 945, o exército britânico requisitou a sua mansão familiar e a sua família foi forçada a dormir num estábulo de duas divisões durante um ano. Karl era uma criança precoce, passava horas desenhando, lendo ou recortando imagens de mulheres bonitas das revistas, sentado no terraço da casa da família. Lagerfeld mudou-se para Paris na sua adolescência e terminou o ensino secundário no Lycée Montaigne, dando início a uma longa história de amor com a rive gauche parisiense. Quando o sucesso lhe trouxe riqueza, residiu no palácio renascentista da família Pozzo di Borgo. Ultimamente, vivia num apartamento hiper-modernista as margens do Sena, com vistas para o Louvre, decorado, brincava, "como um bloco operatório para bebês prematuros". Estudante da École de la Chambre Syndicale de la Couture Parisienne, tornou-se amigo do seu companheiro Yves Saint Laurent, três anos mais novo. Os dois alcançaram a fama em 1 954, quando ganharam os primeiros prêmios (Yves por um vestido e Karl por um casaco) no concurso de design do Secretariado Internacional da Lã. Um acontecimento que acendeu uma rivalidade que iria durar 44 anos, inicialmente amistosa, mas posteriormente profundamente amarga quando o parceiro de Karl, o aristocrata Jacques de Bascher, se tornou amante de Saint Laurent. As opiniões estarão para sempre divididas sobre aquele que se tornou o conflito mais lendário da moda. Na França, muitos consideravam Lagerfeld o talentoso, mas ciumento Salieri, e Yves Saint Laurent era visto como Mozart. No entanto, 16 - REVISTA AMOORENO - MARÇO 2019 enquanto Mozart acabou no túmulo de um homem pobre, Saint Laurent conquistou uma enorme riqueza, mas morreu em reclusão, em 2008, aos 71 anos. A sua partida ajudou Lagerfeld a libertar a sua criatividade, um período de magníficos espetáculos e coleções para a Chanel e para a Fendi, durante o qual elevou o conceito de desfile a níveis de sofisticação sem precedentes: viajando para a Grande Muralha da China, para o Lido de Veneza e abrindo Havana à moda. Os seus cenários para a Chanel eram mais elaborados do que uma criação de Cecil B. DeMille ou um espetáculo da Broadway, recriando Versailles, uma paisagem lunar ou os resíduos do Ártico no Grand Palais. Um desfile contou com uma versão de 50 metros em cimento do casaco Chanel e outro com um imponente leão veneziano dourado, o animal fetiche de Coco.