Preview dos produtos 56b0abdf868fb518018292pdf - Page 17

RECORDAÇÕES DE MINHA PRIMEIRA INFÂNCIA a lia, com muito interesse, a Filoteia pelos mortos6, um livro bem grosso. Portanto, logo cedo me acostumei a ter um relacionamento direto com Jesus, Maria e as almas do purgatório, que eu sentia o dever de ajudar a fim de que alcançassem logo o Paraíso. Lembro-me de que, para ir à escola, com minhas irmãs e outras crianças do quarteirão, passávamos diante de uma edícula na qual havia um quadro de Nossa Senhora; depois seguíamos rente ao muro do cemitério e, por fim, encontrávamos um grande crucifixo fincado na beira de uma estrada. Minha irmã menor e eu – que, pela vivacidade, sempre dominávamos os outros – guiávamos o grupo. Assim, todos rezavam conosco a ave-maria, muitos réquiens7 – tantos quantos fossem necessários para contornar o muro do cemitério – e, por fim, um ato de contrição. A última parada, a do crucifixo, exercia um grande fascínio em mim. Eu tinha ouvido falar que um menino, na tentativa de tirar um dos espinhos da cabeça de Jesus em um crucifixo, tinha visto sair dela gotas de sangue. Eu também queria fazer o mesmo, certamente impulsionada pelo amor que sentia por Ele, mas tamb