Preview dos produtos 569655e7e54cf546684418pdf - Page 8

maria voce que se dilata sobre o universo inteiro, no qual podemos captar a mesma marca divina de comunhão e de unidade. Assim escreve Chiara: … se nós pudéssemos passar além do véu que encobre a Criação, encontraríamos Aquele que sustenta, o organiza e move tudo o que vemos. E veríamos tal adesão – embora na distinção entre Criação e o Incriado – tão grande aderência, aproximação e unidade, que ficaríamos pasmados. Veríamos … com maior evidência que a visão que distingue e separa entre si a flor, o céu, a fonte, o Sol, a Lua, o mar, a noite, o dia […] uma Luz amorosa que tudo sustenta e tudo une, como se a Criação fosse um único canto de amor. (Lubich, 1983, p. 128) Trata-se de um conhecimento inefável doado ao homem para que ele, ao descobrir-se em relação viva com toda a Criação, possa transformá-la, inclusive graças à obra de suas mãos, que continuam, de certo modo, a obra criadora de Deus, e assim reconduzi-la a Ele inteiramente purificada e iluminada (cf. Rm 8,19-21). A imagem do Amor 22 Na perspectiva da revelação cristã, no centro desse desígnio divino para o homem, há aquela perfeita “imagem do Deus invisível” (Col 1,15) que é Jesus, o Cristo, o Unigênito de Deus (cf. Jo 1,14.18), “o Filho do seu amor” (Col 1,13), que Ele “amou desde o princípio da criação do mundo” (Jo 17,24), que Ele “gerou antes de toda criatura” (Col 1,15) e por quem, como dissemos,