Preview dos produtos 569655e7e54cf546684418pdf - Page 13

A visão do homem em Chiara Lubich Quem tem pena de sua morte lenta? E quem estreita ao próprio coração o coração desesperado? Meu Deus, faze que eu seja no mundo o sacramento tangível do teu Amor; do teu ser Amor: que eu seja os braços teus que estreitam a si e consomem no amor toda a solidão do mundo. (Lubich, 2003, p. 123-124) O desígnio originário para o homem, revelando-se como desígnio de comunhão com Deus, com o seu semelhante e com o universo inteiro, portanto, como desígnio de unidade entre a Criação e o Incriado, apresenta-se no seu altíssimo real cumprimento: habitar, por amor, em Deus e ser por Ele habitado; assemelhar-se, com o amor, a Deus e ser Nele transformado. Trata-se de uma visão ousada que não anula a realidade humana, mas a exalta ao máximo, a ponto de Chiara dizer: “Tu és, aqui na terra, o Amor perfeito” (Idem, 2007, p. 153). Em caminho para a unidade E há ainda mais. Quando essa dinâmica do amor, que é anulação de si para entrar até o fundo no coração do outro, para “fazer-se um” com o outro, compartilhando tudo da sua condição (cf. 1Cor 9,22), for vivida por várias pessoas reciprocamente, então a mesma corrente de amor que existe em Deus começa a correr livremente entre elas, de modo que cada uma percebe que existe com o outro, que vive pelo outro, até ser um no outro. Essa corrente de amor, irradiando-se para a humanidade ao redor, gera por toda parte comunhão, unidade. Porque – como afirma Chiara – “o amor é um fogo que consume os corações numa fusão perfeita”. Ela escreve: Se o teu olho é simples, quem olha por ele é Deus. E Deus é amor, e o amor quer unir, conquistando. […] 27