Preview dos produtos 569655e7e54cf546684418pdf - Page 11

A visão do homem em Chiara Lubich Por esse motivo, conclui Chiara, “nós somos […] se somos o outro” (Lubich, 2004, p. 68). Dessa visão, nasce uma concepção da pessoa que é quando se coloca em constante relação concreta com o outro e que se realiza essencialmente como relação. É o que evidenciam algumas correntes do pensamento filosófico contemporâneo, deixando assim que se entreveja o surgimento de uma nova ontologia: a ontologia do amor. “Poder-se-ia quase dizer” – afirma, por exemplo, de maneira exemplar, Emmanuel Mounier – “que eu existo somente quando existo para o outro, e, no limite, que ser é amor. […] O ato de amor é a mais sólida certeza do homem […]: eu amo, portanto o ser é e a vida vale” (Mounier, 1964, p. 35-37). A livre resposta do homem Esse chamado ao amor, inerente ao desígnio de Deus para o homem, requer a livre resposta do homem. É, de fato, na liberdade, de que Deus o dotou e que é nele “sinal altíssimo da imagem divina” (Gaudium et spes, nº 17), que reside a sua capacidade de aderir a esse apelo e fazer, assim, a extraordinária experiência de ser, com Ele, artífice da própria vida e do próprio destino. Mas tudo isso pode também não acontecer; o homem, justamente por ser livre, pode também não amar; é a experiência obscura da ruptura da relação com Deus, da distância Dele e, ao mesmo tempo, do desaparecimento da comunhão com os outros homens; numa palavra, a “desfiguração” de sua “imagem” mais verdadeira, como afirma um grande Padre da Igreja, Gregório de Nissa7. 7 “Deus é amor e fonte de amor […]. O Criador imprimiu em nós também esse caráter. ‘Disso todos saberão se sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros’ (Jo 13,35). Portanto, se isso não existir, toda a imagem será desfigurada” (Gregório de Nissa, De hom. Op. 5: PG 44,137). Significativamente, também Chiara reconhece no mandamento do amor mútuo vivido “o coração da antropologia cristã” (cf. Lubich, 1997, p. 24). 25