mundoH51 - Page 12

1�
SAO TOMÉ E PRINCIPE

São Tomé e o consumo de álcool .

São Tomé , Madalena Ortigão e Cascais , Margarida Lopes

Depois de vinte meses , o projeto POPMISA – População Materno Infantil sem Álcool em São Tomé e Príncipe , chegou a bom porto . Este projeto nasceu fruto de vários anos de contacto diário , através das nossas consultas de nutrição e das visitas às comunidades , com mulheres que apresentavam um elevado consumo de bebidas alcoólicas . Muitas delas , mulheres grávidas ou a amamentar os seus filhos . Em conjunto com o Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe , percebemos qual seria a melhor estratégia de atuação . Contactámos o Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências , do Ministério da Saúde de Portugal ( SICAD ) e a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto ( FCNAUP ) para nos darem o apoio técnico de que precisávamos e , em esforço conjunto , nasceu o projeto POPMISA . Com o financiamento do Camões I . P . e da Direção Geral de Saúde de Portugal , conseguimos passar à sua implementação . O primeiro passo seria conhecer o panorama atual . Apesar de existirem relatórios , que apresentam valores para o consumo de bebidas alcoólicas no país , a nossa experiência dizia-nos que faltava estudar o consumo de bebidas tradicionais como , por exemplo , o vinho da palma e conhecer melhor as perceções sobre o risco do consumo abusivo , principalmente no período da gravidez e primeira infância . Foram feitos grupos de trabalho com enfermeiros e médicos e aplicaram-se questionários , com a supervisão do SICAD , a 937 mulheres em idade fértil e 67 enfermeiros , distribuídos a nível nacional . As conclusões deste estudo revelaram que 95 % das mulheres em idade fértil , 79 % das grávidas , 92 % das mulheres em período de amamentação e 28 % das crianças com menos de cinco anos - metade das quais com menos de um ano -, consumiram bebidas alcoólicas nos doze meses anteriores ao inquérito ! Para além de conhecer melhor a realidade do consumo de bebidas alcoólicas na população materno infantil , foram também estudados mitos e perceções . A título de exemplo , 48 % das mulheres e 36 % dos enfermeiros desconhecem que o vinho da palma tem teor alcoólico . Esta bebida , produzida artesanalmente a partir da fermentação da seiva de várias espécies de palmeiras , é a bebida alcoólica mais consumida pelas mulheres inquiridas , com uma frequência de até três vezes por semana , em média , concluiu o estudo . Para este consumo contribui a desvalorização do risco e o papel da ingestão de álcool em contextos sociais , bem como mitos culturais . Por exemplo , 30 % das mulheres acredita que “ o álcool devolve o sangue após o parto ”, 36 % acredita que “ o vinho da palma doce ajuda à subida do leite ” e 41 % acredita que “ o contra protege o bebé de bruxarias ”. Apurar o teor alcoólico do vinho da palma doce , bebida cujo uso é generalizado na população , era também uma componente importante do projeto . As análises de teor alcoólico desta bebida indicam uma variação entre os 4 % e 6 %, tendo em conta que , quanto maior for a exposição da bebida ao tempo , maior é o teor alcoólico da mesma . A cerimónia de apresentação dos resultados , decorreu no Centro Cultural Português , por vídeoconferência entre São Tomé e Príncipe e Portugal , foi presidida pelo Dr . Gilberto Frota , representante da Direção dos Cuidados de Saúde do Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe , e contou com as intervenções do Dr . Manuel Cardoso e Dra . Ludmila Carapinha , do SICAD , da professora Olívia Pinho da FCNAUP , da Engenheira Antónia Neto do CIAT - Centro de Investigação Agronómica e Tecnológica de STP , da Dra . Dilúvia d ’ Abreu , coordenadora do PNN - Programa Nacional de Nutrição de STP , bem como a gestora do projeto , Madalena Ortigão . E depois de conhecer estes números , o que fazer a seguir ? A formação aos técnicos de saúde foi o segundo grande eixo do projeto . Foi construído um manual e álbum seriado , intitulado “ Gravidez e Alimentação – Boas Práticas de Alimentação e Prevenção do Consumo de Bebidas Alcoólicas ”, para apoiar os profissionais de saúde , bem como diversas ações formativas , ministradas pelo SICAD , e que decorreram , através de videoconferência , em cada um dos seis distritos de São Tomé e na Região Autónoma do Príncipe . Na totalidade , foram formandos 98 técnicos de saúde , entre médicos e enfermeiros . Por fim , seguiu-se o lançamento da campanha de sensibilização para os efeitos do consumo do vinho da palma doce , a nível nacional , que arrancou com o primeiro de três vídeos , com transmissão na TVS - Televisão pública de São Tomé e Príncipe , e a distribuição de cartazes para as unidades de saúde e outdoors .