Group of Women Parliamentarians POR (website) - Page 24

Passagem da igualdade formal à igualdade real

A senadora Moreira explicou que o posicionamento sobre o aborto evoluiu durante o processo. Inicialmente, a questão fora apresentada como uma questão de saúde, uma vez que quando o aborto é ilegal muitas vezes acontece sob más condições que podem levar à morte da mulher. Mais tarde, o posicionamento foi no sentido de que as mulheres têm o direito de controlar seus próprios corpos, e, por fim, o posicionamento foi colocado de forma a estar relacionado com a liberdade—é uma violência contra a autonomia corporal da mulher obrigá-la a levar a cabo uma gestação não desejada. Essas ardentes defesas foram necessárias apesar de o aborto já ser legal no Uruguai sob uma série de condições.

O papel dos movimentos das mulheres no Uruguai não pode ser minorado em se tratando de defender a lei. Apesar de os grupos de mulheres terem criticado duramente a eliminação de certos dispositivos para alcançar o número necessário de votos para aprovar a lei—tais como o direito ao abordo (que foi apenas descriminalizado)—os mesmos foram, ao mesmo tempo, os mais árduos defensores da eliminação após surgir uma iniciativa para derrubar a Lei. Esse é o desafio da política, comentou a senadora Moreira. "Para todo progresso na área de direitos humanos é necessário encontrar um meio termo entre as principais demandas dos movimentos sociais e as necessidades dos partidos políticos de negociarem".

A Lei de Interrupção Voluntária da Gestação comporta três componentes importantes: 1) aborto opcional até as 12 semanas de gestação é uma decisão exclusiva da mulher; 2) o sistema de saúde fica obrigado a realizar o aborto como um procedimento médico; e 3) os serviços de aborto devem ser oferecidos sem custo a todas as mulheres do país.

Ao ser questionada sobre os resultados positivos desde a aprovação da lei, a senadora Moreira destacou o seguinte: em primeiro lugar, não houve nenhum registro de morte maternal resultante de aborto—uma estatística aplaudida pelos presentes—e, em segundo, caiu o número de gestações de adolescentes, apesar de a idade de iniciação sexual das meninas estar baixando cada vez mais.

A senadora Moreira enfatizou que a lei é boa, mas que sua implantação foi deficiente.

Há uma grande diferença entre aprovar

uma lei esta se tornar um direito

Por exemplo, muitos médicos objetam moralmente o procedimento, de forma que, em alguns locais, as mulheres são forçadas a viajar para outra província para passarem pelo procedimento. Além disso, as mulheres continuam a buscar serviços clandestinos, dado o estigma associado ao aborto. Ao se tornar um crime em um direito, permanece um sentimento de culpa em grande parte da população, um sentimento que precisa ser desconstruído.

IAo refletir sobre sua carreira como mulher na política promovendo estes direitos, a senadora Moreira citou sua experiência como candidata à presidência na disputa contra Tabaré Vázquez. "Eu perdi, ele ganhou", ela disse "...,mas posso afirmar que eu poderia escrever um livro, ou uma série, sobre as dificuldades que mulheres em liderança enfrentam quando o jogo é grande... quando disputamos os cargos mais altos.

Também posso afirmar muito abertamente que sou senadora porque um homem me incluiu na lista... eu era candidata à presidência

"

"