Ateneu Química - Tabela Periódica - Page 23

A exemplo do potencial de ionização, podemos falar, genericamente, em segunda afinidade eletrônica, terceira afinidade eletrônica, etc. Porém, a afinidade eletrônica só apresenta aplicações práticas para os nãometais, pois seus átomos tendem a receber elétrons. Para os metais é muito difícil medir a eletroafinidade, porque seus átomos não tendem a receber elétrons, isto é, não ficarão estáveis ao receberem elétrons. Na tabela, as setas indicam o crescimento da afinidade eletrônica dos elementos. Nas famílias, a afinidade eletrônica aumenta, em valor absoluto, de baixo para cima e nos períodos, da esquerda para a direita. Essa variação se explica pela distância entre o elétron e o núcleo: quanto menor o raio, mais energia deverá perder. Portanto, a afinidade eletrônica tem uma variação paralela, mas inversa ao raio. OBS.: Os elementos com poucos elétrons na último nível apresentam um baixo potencial de ionização; os elementos com muitos elétrons no último nível apresentam uma alta afinidade eletrônica. - Eletronegatividade A eletronegatividade é uma propriedade que resulta da ação conjunta da energia de ionização e da eletroafinidade, mede a tendência relativa que um átomo possui de atrair elétrons e se torna mais perceptível quando o átomo está participando de uma ligação química.