As Dispensações - Page 14

CONSCIÊNCIA

A dispensação da consciência durou quase 1.700 anos , do final de Gênesis 3 ao início de Gênesis 7 . Começou após a trágica queda do homem e sua expulsão do Jardim do Éden e terminou com o julgamento cataclísmico do dilúvio mundial . Fisicamente , o mundo durante essa época era muito diferente do nosso hoje ( 2 Pedro 3:3-7 ), mas , moralmente , era marcado por características notavelmente semelhantes às de nossa sociedade narcisista do século XXI ( Mateus 24:37-39 ). Foi um tempo caracterizado por rápido declínio moral e rebelião grosseira contra Deus , e ainda assim vemos a notável capacidade de Deus de preservar uma semente fiel e promover Seu propósito redentor . Existem , portanto , lições úteis que podemos extrair desta segunda “ fase ” dos tratos de Deus com o homem – a dispensação de consciência .

Revelação
A palavra “ consciência ” significa literalmente “ conhecimento próprio ” e descreve o estado do homem após sua ingestão desobediente do fruto da árvore proibida no meio do jardim . Deus descreveu o resultado desse ato : “ Eis que o homem é como um de nós , sabendo o bem e o mal ” ( Gênesis 3:22 ). O homem agora tinha implantado em si um conhecimento que ele compartilhava com Deus – a habilidade de discernir entre o que é moralmente certo e errado .
Responsabilidade
Esse regulador interno , capacitando o homem a saber a diferença entre o que é inerentemente bom e agradável a Deus e o que é inerentemente mau e ofensivo a Deus , criou responsabilidade e prestação de contas muito distintas . Paulo declara em Romanos 2:15 a respeito dos gentios que
“ mostram a obra da lei escrita no seu coração , testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos , quer acusando-os , quer defendendo-os ”. Falando de si mesmo , Paulo afirma em Atos 24:16 que ele procura “ sempre ter uma consciência sem ofensa , tanto para com Deus como para com os homens ”.
A palavra do Senhor a Caim faz referência ao sentido de “ certo e errado ” que deveria governar o comportamento do homem após a queda : “ Por que te iraste ? E por que descaiu o teu semblante ? Se bem fizeres , não haverá aceitação para ti ? E , se não fizeres bem , o pecado jaz à porta , e para ti será o seu desejo , e sobre ele dominarás ” ( Gênesis 4:6-7 ). A consciência interna do homem , dando-lhe o conhecimento do bem e do mal , tornou-o responsável perante Deus por fazer o que era bom e evitar fazer o que era mau . Não é interessante que para nós , como cristãos hoje , milênios depois , tenhamos a exortação a “ detestar o mal e apegar-nos ao bem ” ( Romanos 12:9 , ARA )? Precisamos ter muito cuidado para manter as consciências sãs e sensíveis , moldadas pelas Escrituras e não cauterizadas ou distorcidas pelos valores da sociedade ímpia ao nosso redor .
Rebelião
É impressionante notar nesta segunda dispensação o impacto rápido , violento e implacável do pecado na humanidade caída . Não foi uma descida gradual à desobediência ou um suave afastamento dos padrões divinos . O primeiro homem nascido em uma raça decaída ( Caim ) cometeu assassinato , concentrando sua raiva , ciúme e ira não em um estranho , mas em seu próprio irmão ! Ele passou a mover-se em desafio direto a Deus e se tornou o cabeça de uma árvore genealógica que seria marcada pela
14